Geração Maranata – Parte I

Categoria (Sinais Proféticos) por Geração Maranata em 19-02-2010

Tag:



por Geração Maranata

Aquele que testifica estas coisas diz: Certamente cedo venho. Amém. Maranata, Ora vem, Senhor Jesus.” (Apo 22:20)

Nós podemos ser a Geração que verá a Volta de Cristo.  Por quê?  Por causa dos Sinais.

Jesus, em sua primeira Vinda, veio acompanhado de vários Sinais, tanto que até os Sábios (e não Magos) do Oriente discerniram que um grande Rei havia nascido.

A Bíblia esta repleta de profecias sobre a Vinda do Senhor a maioria como o Dia da Ira e da Vingança.

Os judeus não entenderam que essas profecias falavam a cerca de dois eventos.  Jesus demonstrou de que se tratava de dois eventos quando, em uma sinagoga de sua cidade Nazaré, levantou-se para ler e foi lhe dado o rolo de Isaías. Então Jesus abriu o livro e encontrou o que queria ler:

E foi-lhe dado o livro do profeta Isaías; e, quando abriu o livro, achou o lugar em que estava escrito: O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração. A pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do SENHOR.  E, cerrando o livro, e tornando-o a dar ao ministro, assentou-se; e os olhos de todos na sinagoga estavam fitos nele.  Então começou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu esta Escritura em vossos ouvidos." Lucas 4:16-21

Observe que o restante do versículo 2 Ele não leu, pois se tratava de outro Evento que ocorreria em sua Segunda Vinda: “A anunciar o ano aceitável do SENHOR e o  dia da vingança do nosso Deus” (Isaías 61:2)

Em Mateus 16:2-3, Jesus respondendo aos fariseus, que pediam um sinal que confirmasse que Ele era o Messias prometido, disse:

"Quando é chegada a tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o céu está rubro. E, pela manhã: Hoje haverá tempestade, porque o céu está de um vermelho sombrio. Hipócritas, sabeis discernir a face do céu, e não conheceis os sinais dos tempos? "

Os fariseus eram homens entendidos na Lei e era esta que testificava que Jesus era o Messias, pois nela estava escrito tudo a respeito dEle:  indicava como, onde e até em que época Jesus nasceria e morreria. Por isso Jesus os chamou de hipócritas, pois discerniam os sinais meteorológicos, mas não conseguiam discernir o maior sinal que era sua Vinda e a necessidade de que Ele padecesse e fosse Sacrificado:

Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a sua boca; como um cordeiro foi levado ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, assim ele não abriu a sua boca. Isaías 53:7”

Em outra oportunidade Jesus, já ressurreto, encontrou dois discípulos que estavam saindo de Jerusalém e retornando para a cidade de Emaús. Jesus os encontrou tristes e perguntou o motivo. Eles não o reconheceram e explicaram sobre Jesus, a quem se referiram como profeta e não mais como o Filho de Deus, e como havia morrido crucificado. O motivo da tristeza eles expressaram da seguinte forma (Lucas 24:25-27):

E nós esperávamos que fosse ele o que remisse Israel”.

Jesus então declarou:

“Ó néscios, e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram! Porventura não convinha que o Cristo padecesse estas coisas e entrasse na sua glória? E, começando por Moisés, e por todos os profetas, explicava-lhes o que dele se achava em todas as Escrituras.”

Entre tantos versículos que comprovam que era naquela época que Jesus nasceria e haveria de morrer, o mais surpreendente é o livro de Daniel.   Em Daniel 9:24-26 o profeta praticamente disse quando Jesus nasceria e que haveria de ser morto:

"Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa cidade, para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo. Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; as ruas e o muro se reedificarão, mas em tempos angustiosos. E depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias, mas não para si mesmo; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações."

Esta profecia cumpriu-se nos mínimos detalhes.

Há algumas divergências quanto a data para a ordem para restaurar e edificar Jerusalém.

Naquela época Israel, inclusive o profeta Daniel, estava em cativeiro e as cidades e o Templo tinham sido destruídos pelo Império Babilônico. Sobre a restauração e edificação do Templo e suas respectivas datas históricas, os estudiosos divergem no assunto, pois houve três Decretos a respeito desse assunto.  A questão é determinar qual deles deve-se levar em consideração para encontrar a data correta dos acontecimentos:

Decreto de Ciro por volta de 536 a.C – “Eu, Ciro, rei da Pérsia, declaro o seguinte: O Eterno,  o Deus do céu, me fez governador do mundo inteiro e me encarregou de construir para Ele um templo em Jerusalém, na região de Judá. Que Deus esteja com todos vocês que São o seu povo. Vão a Jerusalém para construir de novo o Templo do Eterno, o Deus de Israel, o Deus que é adorado em Jerusalém. Esdras 1: 2, 3”

Decreto de Dario I em torno de 520/519 a.C. – Confirmou o decreto emitido por Ciro: Então o rei Dario deu ordem, e buscaram nos arquivos, onde se guardavam os tesouros em Babilônia. E em Acmeta, no palácio, que está na província de Média, se achou um rolo, e nele estava escrito um memorial que dizia assim: No primeiro ano do rei Ciro, este baixou o seguinte decreto: A casa de Deus, em Jerusalém, se reedificará para lugar em que se ofereçam sacrifícios… Por meio desta carta,  ordeno que vocês os ajudem na construção. As despesas serão pagas imediatamente para que a obra  não pare. O dinheiro para isso sara tirado do tesouro real, isto é, dos  impostos recebidos na província do Eufrates-Oeste. Esdras 6:1:3 e 8”

Decreto de Artaxerxes em torno de 457 a.C. – Autorizou a reedificação adicional e a restauração do Templo. A obra foi completada no ano de 515 a.C, conforme está escrito: “E edificaram e terminaram a obra conforme ao mandado do Deus de Israel, e conforme ao decreto de Ciro e Dario, e de Artaxerxes, rei da Pérsia. E acabou-se esta casa no terceiro dia do mês de Adar, no sexto ano do reinado do rei Dario. E os filhos de Israel, os sacerdotes, os levitas, e o restante dos filhos do cativeiro, fizeram a dedicação desta casa de Deus com alegria. Esdras 6:14-16”

Seja qual for a data escolhida para a contagem de tempo, o que conta era a possibilidade de saber a época que o Messias viria e que seria cortado (morto). O que não tinham condições de saber era exatamente o Dia e o Ano do nascimento do Messias.

Da mesma forma Jesus nos deixou Sinais para que ficássemos atentos, pois esses testificariam que seu Retorno estava próximo. Basta observarmos os Sinais descritos no Velho Testamente e Novo Testamento, sobretudo o que Jesus falou especialmente em Lucas 21.

Numa próxima oportunidade falaremos sobre esses Sinais.

"Aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Salvador Jesus Cristo" Tito 2.13.

"Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo." (Ap 1:3)

Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda. 2Tm 4.8

 

Leia também:

Post a comment

Início | Download | Links | Contato
Misso Portas Abertas JMM ANEM
Destino Final Heart Cry Jocum Missao Total Missao Total Projeto Paraguai