“Quem” ou ‘O Que’ detém a manifestação do Anticristo?

Filed Under (Apostasia, Arrebatamento, Segunda Vinda de Jesus) by Geração Maranata on 12-07-2013

Tag: ,

"E, agora, sabeis o que o detém, para que ele seja revelado somente em ocasião própria.

Com efeito, o mistério da iniqüidade já opera e aguarda somente que seja afastado aquele que agora o detém." (2 Tessalonicenses 2:6-7)

 

 

 

“Quem” ou ‘O Que’ está detendo a manifestação do Anticristo?

 

Introdução

Várias teorias escatológicas se propõem responder essa pergunta.

As controvérsias já começam em torno das palavras "Quem" e "O Que".  Em 2 Tesssalonicenses 2:6, Paulo se refere àquele que impede de modo impessoal o que o detém, já em 2 Tesssalonicenses 2.7 usa o modo pessoal e o gênero masculino aquele que agora o detém”.  

Então, o que poderá está detendo a manifestação do Anticristo: será Algo ou Alguém?

Sobre essa pergunta há um consenso entre os que estudam Escatologia, que o termo ‘O QUE/ALGO’ seria a Lei, e o ‘QUEM/ALGUÉM’ seria aquele que faz a Lei se cumprir.

Segundo esse entendimento o Anticristo irá surgir em um período de grande apostasia e rebelião, quando os homens não suportarão leis e normas.

kairos

A palavra grega “kairós”, traduzida por “ocasião própria” nos dá a entender que o Anticristo será revelado no momento determinado por Deus.

καιρος kairos
1) medida exata
2) medida de tempo, maior ou menor porção de tempo, daí: 
    2a) tempo fixo e definido, tempo em que as coisas são conduzidas à crise, a esperada época decisiva 
    2b) tempo oportuno ou próprio 
    2c) tempo certo 
    2d) período limitado de tempo 
   2e) para o qual o tempo traz, o estado do tempo, as coisas e eventos do tempo
 
Seguindo por essa linha, podemos entender que assim como houve uma “plenitude do tempo” para a vinda de Cristo (veja Gálatas 4.4), também haverá uma “plenitude do tempo” para o surgimento do Anticristo, porém tudo estará sujeito ao plano divino.
 
katecho

O significado do verbo traduzido “deter” ou "reter" em si também produz muitas controvérsias:

κατεχω katecho
1) não deixar ir, reter, deter
    1a) de partir
    1b) conter, impedir (o curso ou progresso de)
          1b1) aquilo que impede, o Anticristo de manifestar-se
          1b2) checar a velocidade ou progresso de um navio i.e. dirigir o navio
    1c) manter amarrado, seguro, posse firme de
2) conseguir a posse de, tomar
    2b) possuir

Em geral a tradução desse verbo é "segurar firme", mas na conjugação passiva este verbo pode ser usado para ficar "preso" ou “detido” por um poder sobrenatural.

Outras três possibilidades de tradução têm sido propostas:
1) “restringir" e "atrasar".
2) "manter domínio".
3) "agarrar" 

ek mesou genêtai

A maioria das divergências e controvérsias tem como base principal a frase ‘ek mesou genêtai’. Segundo o Dicionário Bíblico Strong a tradução das palavras dessa frase é a seguinte:

εκ ek ou εξ ex
Preposição primária denotando origem (o ponto de onde ação ou movimento procede), de, de dentro de (de lugar, tempo, ou causa; literal ou figurativo);
1) de dentro de, de, por, fora de

μεσοω mesoo
1) estar no meio, estar no meio do caminho.

γινομαι ginomai
1) tornar-se, vir à existência, começar a ser, receber a vida
2) tornar-se, acontecer.
    2a) de eventos
3) erguer-se, aparecer na história, aparecer no cenário.
    3a) de homens que se apresentam em público
4) ser feito, ocorrer.
   4a) de milagres, acontecer, realizar-se
5) tornar-se, ser feito.

- Preposição grega ek: de dentro de

- Palavra grega mesou: estar no meio

- Verbo genêtai: retirado de

'Ek mesou genêtai' pode ser traduzida como: retirado a partir do meio, retirado do meio para fora ou fora do meio.  
 

II Tessalonicenses 2:6-7 em várias versões bíblicas:

kai nun to katechon oidate eis to apokaluphthênai auton en tô eautou kairô to gar mustêrion êdê energeitai tês anomias monon o katechôn arti eôs ek mesou genêtai (Original Grego - Textus Receptus).

καὶ νῦν τὸ κατέχον οἴδατε εἰς τὸ ἀποκαλυφθῆναι αὐτὸν ἐν τῷ ἑαυτοῦ καιρῷ. 7 τὸ γὰρ μυστήριον ἤδη ἐνεργεῖται τῆς ἀνομίας· μόνον ὁ κατέχων ἄρτι ἕως ἐκ μέσου γένηται(NA27 – Nestle-Aland)

(Léxico do Novo Testamento – Grego-Portugues – F. Wilbur Gingrich)   

E, agora, sabeis o que o detém, para que ele seja revelado somente em ocasião própria. Com efeito, o mistério da iniqüidade já opera e aguarda somente que seja afastado (genêtai) aquele que agora o detém; (RA – Almeida Revista e Atualizada)

E, agora, vós sabeis o que o detém, para que a seu próprio tempo seja manifestado. Porque já o mistério e da injustiça opera; somente há um que, agora, resiste até que do (ek) meio (mesou) seja tirado (genêtai)(RC95 – Almeida Revista e Corrigida)
 
E agora vós sabeis o que o detém, para que a seu próprio tempo seja manifestado. Porque já o mistério da injustiça opera; somente há um que agora resiste até que do (ek) meio (mesou) seja tirado (genêtai)(ACF – Almeida Corrigida e Revisada Fiel)
 
E agora vós sabeis o que o detém para que a seu próprio tempo seja revelado. Pois o mistério da iniqüidade já opera; somente há um que agora o detém até que seja posto fora (genêtai); (AR – Almeida Revisada Imprensa Bíblica)
 
E agora vocês sabem o que o está detendo, para que ele seja revelado no seu devido tempo. A verdade é que o mistério da iniqüidade já está em ação, restando apenas que seja afastado (genêtai) aquele que agora o detém. (NVI – Nova Versão Internacional)
 
Agora sabeis aquilo que o detém, a fim de que seja revelado a seu tempo. Pois o mistério da iniqüidade já opera; somente até que seja removido (genêtai) aquele que agora o detém. (SBB – Sociedade Bíblica Britânca)
 
Agora, sabeis perfeitamente que algo o detém, de modo que ele só se manifestará a seu tempo. Porque o mistério da iniqüidade já está em ação, apenas esperando o desaparecimento (genêtai) daquele que o detém. (Versão Católica)

Algumas Teorias Propostas

Várias teorias se propõem a identicar o agente que impede a manifestação do Anticristo. A mais aceita tem sido o Espírito Santo, mas há quem ache que é o próprio Satanás(!).

Selecionei algumas teorias mais discutidas em livros sobre Escatologia e na internet.

 

Império Romano

Essa teoria diz que o apóstolo Paulo foi muito vago quando escreveu esses versos, mas provavelmente deve ter sido explícito verbalmente aos crentes de Tessalônica.

Isso vem reforçar a teoria de que o Império Romano era o agente retentor, pois se tratava de um poder impessoal (O que) que encarnava a pessoa do Imperador (Quem).

Como havia uma acusação contra Paulo em Tessalônica (At.17:6), qualquer menção ao Império Romano tinha de ser vago, pois havia o perigo da carta cair em mãos erradas.

"Porque já o mistério da injustiça opera". (v.7).

O princípio de rebelião contra Deus já estava operante, mas ainda não estava em vigor em todo o mundo, como será na dominação do Anticristo.  Neste caso a pessoa que estava detendo o Anticristo era próprio Imperador reinante na época, no caso o Imperador Cláudio (41-54 d.C.).  O sucessor de Cláudio seria o Imperador Nero, o maior perseguidor dos cristãos.

"Até que do meio seja tirado" – o Imperador deveria ser removido, mas Paulo não poderia falar explicitamente sobre isso, por isso foi impreciso.

Quando essa proteção fosse retirada, as forças do Anticristo poderiam exercer, livremente a sua própria vontade.

Se a passagem fosse pós-paulina, alguma consideração poderia ser dada ao mito do Nero redivivo, segundo o qual se acreditava que Nero não morrera, mas teria se ocultado no oriente entre os Partas, para que depois pudesse comandá-los numa invasão contra Roma.

Algumas pessoas vêem sinais deste mito em Apc.13:13-14. Segundo este ponto de vista, o que detém seria o Imperador reinante e o rebelde seria Nero na sua volta.

Este mito, porém, surgiu tarde demais para ter influenciado o próprio Paulo, e até mesmo o medo dos Partas não era um fator importante na década de 50 d.C.

Como a teoria do iníquo ser manifestado com a remoção do Imperador não ocorreu, os adeptos deste ponto de visto dizem que na verdade Paulo quis dizer que a força que retém o Anticristo não é Império Romano propriamente dito, mas o princípio da lei e da ordem que foi tipificado por ele, e que ainda continua na forma de outros sistemas políticos.

 

Figura apocalíptica

Essa teoria considera que aquele que detém é uma figura apocalíptica, no mesmo modo como o Anticristo é o "anjo do abismo" de Apc.9:1 e 20:1.

O problema é explicar porque Paulo foi vago em suas palavras, pois ao contrário da teoria do Império Romano, neste caso não haveria problema em usar termos mais explícitos.

 

Satanás

James Frame em seu livro “A critical and exegetical commentary on the Epistles of St. Paul to the Thessalonians” considera que a força que mantém domínio não é outra senão a do próprio Satanás, cuja influência já está no mundo representando "o mistério da iniqüidade".

Nesta teoria Satanás teria um plano “secreto”, um projeto cuidadosamente preparado para projetar o seu governante ao mundo, mas só deverá fazer apenas no momento certo para tentar "enganar até os escolhidos".

Quando chegar o tempo determinado por Deus, Satanás sairá do caminho para que o anticristo possa ocupar o palco.

Esta opinião requer que o verbo “katecho” seja traduzido "manter domínio". Uma opinião semelhante é sustentada por Ernest Best, que pensa que o poder que mantém domínio, "o poder hostil ocupante," é um agente mau (mas não o próprio Satanás) que se colocará de lado quando o anticristo aparecer.

James Everett Frame (A critical and exegetical commentary on the Epistles of St. Paul to the Thessalonians)
Ernest Best (Second Epistle to the Thessalonians)

 

Governo Humano (Domínio Gentílico)        

Essa opinião está muito associada à teoria do Império Romano como detentor, segundo seus proponentes (Hogg e Vine) o detentor é o governo e a lei humana, para isso citam a passagem de Daniel 2:37-44:

No devido tempo, o Império Babilônico, a cujo rei as palavras foram ditas, foi sucedido pelos Persas, depois os Gregos, e novamente aos Romanos, que floresceu no dia do Apóstolo….   As leis, sob as quais esses estados mantiveram sua existência, foram herdados de Roma assim como Roma herdou-os do Império que a precedeu.   Assim, as autoridades existentes são ordenados por Deus…  autoridade constituída destina-se a agir na contenção da ilegalidade.”

C. F. Hogg e W. E. Vine (As Epístolas do Apóstolo Paulo aos Tessalonicenses)

 

A Igreja    

A sugestão de que o limitador de iniqüidade pode ser a Igreja é baseado pelo fato desta ser o sal da Terra em uma civilização corrupta e luz que brilha em um mundo de trevas.

Similar ao governo humano, a Igreja está sendo usado por Deus para impedir a manifestação plena do Maligno e quando esse limitador for retirado, não haverá mais impedimento para as trevas operarem.

 

Deus

O estudioso Howard Marshall (http://en.wikipedia.org/wiki/I._Howard_Marshall), por sua vez, é da opinião que Deus é quem está adiando a manifestação do homem da iniqüidade.

Trilling argumenta que a força que detém é simplesmente a demora da “parousia” (Segunda Vinda de Cristo) que os leitores estavam experimentando e que, em última análise era devida ao próprio Deus.

Trilling diz que não há nenhuma diferença essencial entre as formas neutra e masculina da expressão, embora reconheça que é Deus quem fica por detrás da ação detentora.   Best é contra esta interpretação, pois acredita que esta é uma maneira muito estranha de referir-se à ação de Deus, que a teoria requer que "ser afastado" signifique "retirar-se e que entender “katechôn” (deter) no sentido de “atrasar” é anormal.

George Ladd também sugere que a força de restrição é o poder de Deus e é essa força que está atrasando a revelação do iníquo. Ele argumenta que a designação neutra do v.6 é “a energia” e no v. 7 é o próprio Deus. A frase no v. 7 "até que ele saia do meio" refere-se ao próprio iníquo, que ao
“sair do meio" acabará por revelar quem ele é. 

Na visão de Ladd os versículos de 2 Tessalonicenses ficaria assim:
E agora vós sabeis o que o detém [o poder de Deus], a fim de que ele [o Anticristo] pode ser revelado em sua própria época. Pois o mistério da iniqüidade já opera; 7a só há Ele [Deus], que o deteria agora até que ele [o Anticristo] ser levado para fora do meio.

Howard Marshall (1 and 2 Thessalonians)

W . Trilling (Thessalonicherbrief)

George Ladd  – A Theology of the New Testament

Ernest Best – First and Second Epistles to the Thessalonians, The (Black's New Testament Commentary)

 

O Evangelho

O. Cullmann (http://pt.wikipedia.org/wiki/Oscar_Cullmann) é de opinião que o fator que detém é a proclamação do evangelho (neutro) pelos missionários cristãos e em especial pelo próprio Paulo (masculino); quando Paulo estiver "fora do caminho," então viria o Fim.

Essa teoria sugere que Paulo cristianizou o princípio de que todo Israel deve arrepender-se antes que o Fim pudesse vir.

Uma objeção a essa teoria é que Paulo, conforme I Ts.4:13-18, contava com a possibilidade da sua própria sobrevivência até à “parousia”. É, também, muito duvidoso se Paulo, embora insista na sua posição de apóstolo aos gentios, via-se como fator essencial no plano de Salvação de Deus em prol da humanidade.

 

Falsos profetas

Giblin entende que o termo “katechôn” tem o sentido de "agarrar" e argumenta que falsos profetas estavam enganando os tessalonicenses; eram liderados por um indivíduo específico que, segundo Paulo acreditava, deveria ser expulso antes da manifestação do rebelde e a destruição deste pelo Senhor ocorrer.

Esta opinião deixa de explicar porque a remoção de falsos profetas numa só igreja local deveria ocupar uma posição tão crucial no desenvolvimento do plano de Deus.

Charles Homer Giblin  – An Exegetical and Theological Reexamination of 2 Thessalonians 2

 

Arcanjo Miguel

Há uma teoria que diz ser o Arcanjo Miguel que impede a aparição do iníquo.

Concluem que quem se encaixa melhor com o perfil de detentor da Besta é Miguel, o arcanjo guerreiro, junto com o exército de anjos liderados por ele. Esses anjos de guerra lutam frente a frente com os espíritos do mal resistindo ao aparecimento do Filho da Perdição naqueles abrangentes destacados Impérios até que no final do último sairá do caminho, deixando o inimigo ter total influência sobre os governos da terra, com mais ênfase através da pessoa do Anticristo.

Desta forma, antes do início dos sete anos de tribulação Miguel e o exercito do Senhor permitirão a manisfetação do Anticristo.

Os proponentes desta teoria citam Apocalipse 12:7 onde Miguel aparece e expulsa o Dragão e seus anjos do céu.

Versículos chaves:
"Mas o príncipe do reino da Pérsia me resistiu vinte e um dias, e eis que Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me, e eu fiquei ali com os reis da Pérsia." ( Daniel 10:13)

"E NAQUELE tempo se levantará Miguel, o grande príncipe, que se levanta a favor dos filhos do teu povo, e haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que for achado escrito no livro.." ( Daniel 12:1 )

"… E houve batalha no céu; Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão, e batalhavam o dragão e os seus anjos;  Mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus…
E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele.
E ouvi uma grande voz no céu, que dizia: Agora é chegada a salvação, e a força, e o reino do nosso D'us, e o poder do seu Cristo; porque já o acusador de nossos irmãos é derrubado, o qual diante do nosso D'us os acusava de dia e de noite.
E eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do seu testemunho; e não amaram as suas vidas até à morte.
Por isso alegrai-vos, ó céus, e vós que neles habitais. Ai dos que habitam na terra e no mar; porque o diabo desceu a vós, e tem grande ira, sabendo que já tem pouco tempo
…" (Apocalipse 12:7-12)

 

Cristo ou O Dia de Cristo

No que diz respeito à vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e nossa reunião com ele".

Esta teoria propõe que os versículos de II Tessalonicenses 2 não dizem respeito ao anticristo, mas a Cristo e ao Dia de Cristo.

Na verdade Paulo não estava preocupado com a vinda do iníquo, mas com a vinda do Senhor Jesus.

A confusão dos tessalonicenses não foi sobre a vinda do anticristo, mas sobre o boato de que Cristo já tinha chegado e eles estavam vivendo os dias de Cristo.

Assim, Paulo está explicando que a “parousia” do Messias ainda não havia ocorrido porque, na verdade, outros acontecimentos profetizados, devem ser satisfeitos em primeiro lugar.  

Então, o v.6 deve ser entendido dessa forma: "e agora vocês sabem o que está segurando ele (Cristo) no seu lugar", ou ainda, " E agora vós sabeis o que O detém (o dia de Cristo)."

Em seguida, no versículo 6, Paulo reitera dizendo: "E agora vocês sabem o que está segurando …." Paulo disse que o “Dia de Cristo” não viria até que a apostasia ocorresse e o homem do pecado fosse revelado. Esses dois eventos é que estavam atrasando a parousia do Messias e o arrebatamento da igreja.

"O qual convém que o céu contenha [O detenha] até aos tempos da restauração de tudo, dos quais Deus falou pela boca de todos os seus santos profetas, desde o princípio." (Atos 3:21).

 

Essa profecia já foi cumprida

Segundo a linha escatológica Preterista essa profecia foi cumprida por ocasião da destruição de Jerusalém em 70 dC.

O ano provável que a Carta aos Tessalonicenses foi escrita foi entre 50 e 52 dC, cerca de 20 anos antes da destruição de Jerusalém por Roma.

Segundo os Preteristas a Segunda Vinda de Jesus, não foi física, mas alegórica na forma de Juízo para aquela geração, conforme Cristo profetizou em Mateus 24. 

Os Preteristas sustentam que o termo usado como “Dia do Senhor” já havia sido usado quando Deus levou juízo à Jerusalém pela mão da Babilônia, quando o primeiro Templo foi destruído.  Dessa forma, quando Paulo disse que o “Dia do Senhor” estava se aproximando ele queria dizer que novamente Deus iria trazer juízo e desta vez pela mão de Roma e que o Templo (o segundo) seria novamente destruído.  Por isso Paulo disse que o Dia do Senhor não seria surpresa para os crentes.

Segundo os Preteristas o Homem da Iniqüidade foi Nero que também é a Besta do Apocalipse. Os próprios tessalonicenses sabiam o que estava restringindo o Homem da Iniqüidade; de fato, o Homem da Iniqüidade já estava vivo e esperando ser “revelado”. 

Isso implica que por enquanto os cristãos poderiam esperar certa proteção do governo Romano. As leis romanas com respeito à religião estavam naquele tempo a favor do Cristianismo, enquanto considerado uma seita do Judaísmo e antes de Nero subir ao trono

 

Apóstolo Paulo

Para alguns teólogos, o próprio apóstolo Paulo era “aquele que o detém”, enquanto a sua mensagem, o evangelho de Cristo destinado a judeus e gentios, era de fato o elemento neutro ou impessoal da expressão “aquilo que o detém”. A missão paulina de levar o evangelho também aos gentios foi cumprida, e com isso a força restritiva que impedia a manifestação do Anticristo foi cessada.

 

Espírito Santo

Esse é a teoria mais aceita entre os cristãos, pois entendem que Paulo está se referindo ao Espírito Santo, uma vez que Ele pode ser descrito tanto no gênero masculino quanto no neutro; Ele também é apontado como Aquele que restringia as forças do mal no AT. 

Essa visão é a mais popular e argumenta que Paulo identifica “quem” e “o que” está detendo alguém como sendo o Espírito Santo.

O Espírito Santo é aquele que convence o mundo do pecado e do juízo tanto no A.T. como no Novo Testamento.  Assim, Ele deve ser o que detém algo aqui em 2 Tessalonicenses 2.

Esta interpretação é particularmente aceita entre os Pré-Tribulacionistas, que acham que essa identificação no texto deve ser outra prova convincente "para um evento secreto” do arrebatamento antes da tribulação.

Alegam que o Espírito Santo está detendo o pecado em geral e o homem do pecado (o Anticristo) em particular. Assim, na opinião deles, quando o Espírito Santo for retirado da terra com a igreja para o céu no (arrebatamento Pré-Tribulação), a restrição do pecado terá desaparecido da face da terra e o homem do pecado se manifestará ao mundo.

Gerald Stanton sugere algumas razões para aquele que O está detendo deve ser o Espírito Santo:

  1. Por mera eliminação, o Espírito Santo deve ser o detentor. Qualquer outra hipótese deixa de preencher as exigências;
  2. O iníquo é uma pessoa, e suas operações abrangem o reino espiritual. O detentor deve, da mesma forma, ser uma pessoa e um ser espiritual para deter o Anticristo até a hora de sua revelação. Meros agentes ou forças espirituais impessoais seriam insatisfatórios;
  3. Para alcançar tudo o que deve ser realizado, o detentor deve ser um membro da Trindade. Deve ser mais forte que o iníquo e mais forte que Satanás, que energiza o iníquo. Para deter o mal no decorrer dos séculos, o detentor deve ser eterno. O campo de ação do pecado é o mundo inteiro: logo, é imperativo que o detentor seja alguém não limitado pelo tempo e espaço;
  4. Essa era é de certa forma a "dispensação do Espírito", pois Ele trabalha agora de maneira diferente de outros séculos como uma Presença residente nos filhos de Deus. A era da igreja começou com o advento do Espírito no Pentecostes e terminará com o inverso do Pentecostes, a retirada do Espírito. Isso não significa que Ele não estará operando — apenas que não será mais residente.
  5. O trabalho do Espírito desde Seu advento incluiu a detenção do mal (João 16.7-11), (l João 4.4.) Como será diferente na tribulação;
  6. apesar de o Espírito não ter residido na terra durante os dias do Antigo Testamento, assim mesmo exerceu influência detentora, ver Isaías 59.19.

Portanto, Stanton argumenta que aquele que O detém deve ser o Espírito Santo.

Alguns Pós-Tribulacionistas apóiam esta visão. Robert Gundry (http://pt.wikipedia.org/wiki/Robert_H._Gundry) sugere três motivos:

1) A contenção do mal deve ser a missão do Espírito Santo porque alguns na igreja primitiva eram dessa opinião.
2) Ele deve ser o Espírito Santo porque, para impedir uma pessoa, outra pessoa é necessária.
3) Porque esta identificação se ajusta melhor ao problema gramatical do neutro mudando para o masculino no particípio.

Embora Gundry e outros pos-tribulacionistas concordam nesta parte com os Pré-Tribulacionistas sobre a identidade do limitador, eles discordam sobre a forma como se dará o lançamento de sua retenção.

Os Pós-Tribulacionistas argumentam que o Espírito Santo ainda habitará os crentes sobre a Terra, capacitando-os para o evangelismo durante este tempo de tribulação, e que Ele ainda vai regenerar os incrédulos que estiverem dispostos ao arrependimento. Mas eles acreditam que o Espírito permite a contenção do mal, para que Satanás trabalhe como lhe agrada.

Gerald Stanton – Kept From The Hour

Robert Gundry  – The Church and The Tribulation

Conclusão

O estudantes em Profecias acreditam que a passagem de 2 Tessalonicenses 2:6-8 é uma das mais difíceis para o entendimento, daí as muitas interpretações.

O apóstolo Paulo foi vago quando se referiu "aquele que o detém" além de utilizar termos pessoais e impessoais.

Por isso existem muitas hipóteses para tentar explicar o que Paulo quis dizer. As divergências são muitas ao ponto de ir de um extremo a outro, há quem ache que o próprio Satanás está detendo o Anticristo.

Atualmente a teoria mais aceita é o Espírito Santo com agente restritivo.

O fato é que não é prudente afirmar com certeza qual é a teoria correta. 

Maranata!

 

Fontes
 
http://www.bibletruth.cc/Body_the_restrainer.htm
 
http://www.davarelohim.com.br/quem-e-que-detem-o-Anticristo-%E2%80%93-2-ts-2-67/
 
http://anisiorenato.com/teologia9.htm
 
http://www.intratext.com/IXT/ELL0010/
 
http://www.biblestudytools.com/lexicons/greek/kjv/ginomai.html
 
http://en.wiktionary.org/wiki/%CE%B3%CE%AF%CE%BD%CE%BF%CE%BC%CE%B1%CE%B9
 
http://www.ultimato.com.br/revista/artigos/309/o-Anticristo-aparecera-com-o-desaparecimento-daquele-que-agora-o-detem

As alianças Bíblicas e a Escatologia – Aliança Palestina

Filed Under (Alianças Bíblicas) by Geração Maranata on 25-01-2013

Tag: ,

This entry is part 5 of 5 in the series As alianças Bíblicas e a Escatologia

por Geração Maranata

Naquele mesmo dia fez o SENHOR uma aliança com Abrão, dizendo:
Å tua descendência tenho dado esta terra, desde o rio do Egito até ao grande rio Eufrates; e o queneu, e o quenezeu, e o cadmoneu, e o heteu, e o perizeu, e os refains, e o amorreu, e o cananeu, e o girgaseu, e o jebuseu. (Gênesis 15:18-21)

 

Aliança Palestina

 

Introdução

Na Aliança que Deus fez com Abraão, o Senhor ordenou-o: Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. (Gênesis 12:1)Quando Abraão se separou de Ló, Deus disse: Levanta agora os teus olhos, e olha desde o lugar onde estás, para o lado do norte, e do sul, e do oriente, e do ocidente; Porque toda esta terra que vês, te hei de dar a ti, e à tua descendência, para sempre. (Gênesis 13:14-15)

A Aliança Palestina ou Cananita é uma expansão ou ampliação da Aliança Abraâmica em relação à terra. Deus prometeu à Abraão que sua descendência habitaria em uma terra que Ele mesmo escolheu: a terra de Canaã.

E apareceu-o SENHOR a Abrão, e disse: Å tua descendência darei esta terra. E edificou ali um altar ao SENHOR, que lhe aparecera. (Gênesis 12:7)

Porque toda esta terra que vês, te hei de dar a ti, e à tua descendência, para sempre. (Gênesis 13:15)
 
E estabelecerei a minha aliança entre mim e ti e a tua descendência depois de ti em suas gerações, por aliança perpétua, para te ser a ti por Deus, e à tua descendência depois de ti. E te darei a ti e à tua descendência depois de ti, a terra de tuas peregrinações, toda a terra de Canaã em perpétua possessão e ser-lhes-ei o seu Deus. (Gênesis 17:7-8)

O pacto foi feito entre Deus e Israel na terra de Moabe durante o Êxodo, antes de tomarem posse da terra:

Estas são as palavras da aliança que o SENHOR ordenou a Moisés que fizesse com os filhos de Israel, na terra de Moabe, além da aliança que fizera com eles em Horebe. (Deuteronômio 29:1)

E será que, sobrevindo-te todas estas coisas, a bênção ou a maldição, que tenho posto diante de ti, e te recordares delas entre todas as nações, para onde te lançar o SENHOR teu Deus,E te converteres ao SENHOR teu Deus, e deres ouvidos à sua voz, conforme a tudo o que eu te ordeno hoje, tu e teus filhos, com todo o teu coração, e com toda a tua alma,Então o SENHOR teu Deus te fará voltar do teu cativeiro, e se compadecerá de ti, e tornará a ajuntar-te dentre todas as nações entre as quais te espalhou o SENHOR teu Deus.
Ainda que os teus desterrados estejam na extremidade do céu, desde ali te ajuntará o SENHOR teu Deus, e te tomará dali;
E o SENHOR teu Deus te trará à terra que teus pais possuíram, e a possuirás; e te fará bem, e te multiplicará mais do que a teus pais.
E o SENHOR teu Deus circuncidará o teu coração, e o coração de tua descendência, para amares ao SENHOR teu Deus com todo o coração, e com toda a tua alma, para que vivas.
E o SENHOR teu Deus porá todas estas maldições sobre os teus inimigos, e sobre os teus odiadores, que te perseguiram.
Converter-te-ás, pois, e darás ouvidos à voz do SENHOR; cumprirás todos os seus mandamentos que hoje te ordeno. (Deuteronômio 30:1-8)

Estava implícito na Aliança com Abraão que a terra da Palestina seria o legado de Deus à família de Abraão. Os descendentes de Abraão tinham direito ao território que ia "desde o rio do Egito até ao grande rio Eufrates".

A fronteira ocidental da Terra Prometida era o mar Mediterrâneo (Js 15:12) e a fronteira oriental incluía o planalto entre o rio Jordão, o território de Basã e a região síria de Hamat-Zoba (2Cr 8:3-4). Durante o reinado de Davi e Salomão, todo esse território foi ocupado por Israel ou esteve subordinado a ele por tratado (1Rs 8:65).

As Terras Bíblicas incluem territórios que hoje estão sob o domínio do Egito, Jordânia, Líbano e Síria.

Aspecto Condicional

Pelos aspectos condicionais da Aliança Mosaica (Aliança de Deus com Moisés), Israel estava obrigado a obedecer aos mandamentos, julgamentos e ordenações da Lei para que pudesse usufruir das bençãos imediatas da Aliança Palestina, que além de desfrutar da terra, teria segurança contra os inimigos externos, chuvas regulares, imunidade contra pragas e boa colheita.

Portanto, a Aliança Palestina estabelecia condições para que Israel desfrutasse da terra que lhes pertencia por direito e por causa do pecado e desobediência eles seriam espalhados entre as nações:

E será que, sobrevindo-te todas estas coisas, a bênção ou a maldição, que tenho posto diante de ti, e te recordares delas entre todas as nações, para onde te lançar o SENHOR teu Deus,

E te converteres ao SENHOR teu Deus, e deres ouvidos à sua voz, conforme a tudo o que eu te ordeno hoje, tu e teus filhos, com todo o teu coração, e com toda a tua alma,
Então o SENHOR teu Deus te fará voltar do teu cativeiro, e se compadecerá de ti, e tornará a ajuntar-te dentre todas as nações entre as quais te espalhou o SENHOR teu Deus. (Deuteronômio 30:1-3)
 
E espalhar-vos-ei entre as nações, e desembainharei a espada atrás de vós; e a vossa terra será assolada, e as vossas cidades serão desertas. (Levítico 26:33)
 
E os espalharei entre gentios, que não conheceram, nem eles nem seus pais, e mandarei a espada após eles, até que venha a consumi-los. (Jeremias 9:16)
 
Portanto, dize: Assim diz o Senhor DEUS: Ainda que os lancei para longe entre os gentios, e ainda que os espalhei pelas terras, todavia lhes serei como um pequeno santuário, nas terras para onde forem. Portanto, dize: Assim diz o Senhor DEUS: Hei de ajuntar-vos do meio dos povos, e vos recolherei das terras para onde fostes lançados, e vos darei a terra de Israel. (Ezequiel 11:16-17)

 

Israel falhou em cumprir a Aliança durante o período dos Juízes, no Reinado e mais tarde no Reino dividido. Por causa disso o povo de Israel foi levado ao cativeiro e espalhado, conforme havia sido profetizado. Mesmo depois do retorno do exílio babilônico, apenas uma fração da terra foi ocupada.  

Mais tarde, no ano 70 dC, exércitos de Roma, liderados pelo comandante Tito, destruiu Jerusalém e espalhou os israelitas ao redor do mundo e assim ficaram por quase 2000 anos; até que, em 1948, o moderno Estado de Israel surgiu, ocupando uma pequena fatia da Terra Prometida.

Resumindo, a Aliança Palestina dá a terra aos hebreus, porém não significa que eles estarão na terra e desfrutarão dela continuamente, mas que no final, Israel a possuirá e viverá nela para sempre.

 

A Aliança Palestina e seu caráter incondicional

A importância desta Aliança consiste no fato da afirmação de que a posse da terra prometida pertence a Israel. O aspecto condicional para que o povo desfrutasse da terra, não anulava a Aliança, mas a promessa original seria cumprida mesmo diante da desobediência. 

A respeito disso o apóstolo Paulo escreveu:Mas digo isto: Que tendo sido a aliança anteriormente confirmada por Deus em Cristo, a lei, que veio quatrocentos e trinta anos depois, não a invalida, de forma a abolir a promessa. (Gálatas 3:17)

A Aliança feita por Deus à Israel deve ser vista como Incondicional e há muitos motivos que apóiam isso:

  • Deus chama a Aliança de Eterna: Contudo eu me lembrarei da minha aliança, que fiz contigo nos dias da tua mocidade; e estabelecerei contigo uma aliança eterna. (Ezequiel 16:60)
  • A Aliança Abraâmica é eterna e incondicional, logo a Aliança Palestina também é, pois é uma expansão desta.
  • Deus efetuará a conversão essencial para que ela venha a se cumprir. Nas Escrituras, a conversão de Israel será um ato soberano de Deus:
E assim todo o Israel será salvo, como está escrito: De Sião virá o Libertador, E desviará de Jacó as impiedades. E esta será a minha aliança com eles, Quando eu tirar os seus pecados. (Romanos 11:26-27)
 
Portanto, eis que eu a atrairei, e a levarei para o deserto, e lhe falarei ao coração.
E lhe darei as suas vinhas dali, e o vale de Acor, por porta de esperança; e ali cantará, como nos dias de sua mocidade, e como no dia em que subiu da terra do Egito.
E naquele dia, diz o SENHOR, tu me chamarás: Meu marido; e não mais me chamarás: Meu senhor.
E da sua boca tirarei os nomes dos Baalins, e não mais se lembrará desses nomes.
E naquele dia farei por eles aliança com as feras do campo, e com as aves do céu, e com os répteis da terra; e da terra quebrarei o arco, e a espada, e a guerra, e os farei deitar em segurança.
E desposar-te-ei comigo para sempre; desposar-te-ei comigo em justiça, e em juízo, e em benignidade, e em misericórdias.
E desposar-te-ei comigo em fidelidade, e conhecerás ao SENHOR.
E acontecerá naquele dia que eu atenderei, diz o SENHOR; eu atenderei aos céus, e estes atenderão à terra.
E a terra atenderá ao trigo, e ao mosto, e ao azeite, e estes atenderão a Jizreel.
E semeá-la-ei para mim na terra, e compadecer-me-ei dela que não obteve misericórdia; e eu direi àquele que não era meu povo: Tu és meu povo; e ele dirá: Tu és meu Deus!  (Oséias 2:14-23)
 
Portanto, dize: Assim diz o Senhor DEUS: Ainda que os lancei para longe entre os gentios, e ainda que os espalhei pelas terras, todavia lhes serei como um pequeno santuário, nas terras para onde forem.
Portanto, dize: Assim diz o Senhor DEUS: Hei de ajuntar-vos do meio dos povos, e vos recolherei das terras para onde fostes lançados, e vos darei a terra de Israel.
E virão ali, e tirarão dela todas as suas coisas detestáveis e todas as suas abominações.
E lhes darei um só coração, e um espírito novo porei dentro deles; e tirarei da sua carne o coração de pedra, e lhes darei um coração de carne;
Para que andem nos meus estatutos, e guardem os meus juízos, e os cumpram; e eles me serão por povo, e eu lhes serei por Deus.
Mas, quanto àqueles cujo coração andar conforme o coração das suas coisas detestáveis, e as suas abominações, farei recair nas suas cabeças o seu caminho, diz o Senhor DEUS.  (Ezequiel 11:16-21)
 
  • Partes desta Aliança já se cumpriram literalmente. Israel foi disperso pela nações, por causa de sua infidelidade, e tem retornado à terra e aguarda o retorno definitivo. Esses cumprimentos parciais, que foram literais, indicam um cumprimento literal futuro de partes ainda não realizadas, nos mesmos moldes.
 
O único fator que tem adiado e atrasado o cumprimento pleno da promessa é o tempo que Israel dará ouvido ao Senhor: E todas estas bênçãos virão sobre ti e te alcançarão, quando ouvires a voz do SENHOR teu Deus. (Deuteronômio 28:2)
 
Porém o tempo dessa conversão será determinada por Deus: Porém não vos tem dado o SENHOR um coração para entender, nem olhos para ver, nem ouvidos para ouvir, até ao dia de hoje. (Deuteronômio 29:4)
 
Entende-se que essa “abertura de ouvidos” ocorrerá no fim da Grande Tribulação: E sobre a casa de Davi e sobre os habitantes de Jerusalém derramarei o espírito da graça e de súplicas; olharão para aquele a quem traspassaram; pranteá-lo-ão como quem pranteia por um unigênito e chorarão por ele como se chora amargamente pelo primogênito. Naquele dia, será grande o pranto em Jerusalém, como o pranto de Hadade-Rimom, no vale de Megido.(Zacarias 12:10-11)

 

Aliança Confirmada

Quando o povo estava no cativeiro babilônico, o profeta Ezequiel, no capítulo 16 de seu livro, escreveu que Deus, apesar das circunstância, confirma a Aliança, seu amor e misericórdia para com Israel.  

Neste cápitulo Deus lembra que tomou Israel como esposa: E assim foste ornada de ouro e prata, e o teu vestido foi de linho fino, e de seda e de bordados; nutriste-te de flor de farinha, e mel e azeite; e foste formosa em extremo, e foste próspera, até chegares a realeza. (v13).

Porém ela agiu pior que uma prostituta ao adulterar com as outras nações e seus deuses: Mas confiaste na tua formosura, e te corrompeste por causa da tua fama, e prostituías-te a todo o que passava, para seres dele. (v15). 

Por causa disso Deus castigou-a com a dispersão e rejeição: Então farão subir contra ti uma multidão, e te apedrejarão, e te traspassarão com as suas espadas. E queimarão as tuas casas a fogo, e executarão juízos contra ti aos olhos de muitas mulheres; e te farei cessar de ser meretriz, e paga não darás mais. (v 40-41).

Todavia não seria definitivo e prometeu restauração: Contudo eu me lembrarei da minha aliança, que fiz contigo nos dias da tua mocidade; e estabelecerei contigo uma aliança eterna… Porque eu estabelecerei a minha aliança contigo, e saberás que eu sou o SENHOR; Para que te lembres disso, e te envergonhes, e nunca mais abras a tua boca, por causa da tua vergonha, quando eu te expiar de tudo quanto fizeste, diz o Senhor DEUS. (v 60, 62-63)

 

Aspectos Escatológicos

Com base nas disposições feitas até o momento, Israel deverá ser reunido de sua dispersão, instalado em sua terra e sua posse restaurada, será convertido como nação e ainda testemunhará o julgamento de seus inimigos.

Essa sequencia de acontecimentos geram uma expectativa escatológica, uma vez que grande parte ainda não ocorreu em sua plenitude.

Sequência escatológica baseada na Aliança Palestina:

1) Israel seria tirada da terra por causa de sua infedelidade e desobediência: E o SENHOR vos espalhará entre todos os povos, desde uma extremidade da terra até à outra; (Deuteronômio 28:64)

2) Haverá um arrependimento futuro de Israel: E será que, sobrevindo-te todas estas coisas … E te converteres ao SENHOR teu Deus, e deres ouvidos à sua voz, conforme a tudo o que eu te ordeno hoje, tu e teus filhos, com todo o teu coração, e com toda a tua alma, Então o SENHOR teu Deus te fará voltar do teu cativeiro, e se compadecerá de ti, e tornará a ajuntar-te dentre todas as nações entre as quais te espalhou o SENHOR teu Deus. (Deuteronômio 30:1-3)

3) O Messias retornará: Mas sobre a casa de Davi, e sobre os habitantes de Jerusalém, derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim, a quem traspassaram; e pranteá-lo-ão sobre ele, como quem pranteia pelo filho unigênito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito. (Zacarias 12:10)

4) Israel será reintegrado à terra: E o SENHOR teu Deus te trará à terra que teus pais possuíram, e a possuirás; e te fará bem, e te multiplicará mais do que a teus pais. (Deuteronômio 30:5)

5) Israel será convertido como nação: Converter-te-ás, pois, e darás ouvidos à voz do SENHOR; cumprirás todos os seus mandamentos que hoje te ordeno (Deuteronômio 30:8)

6) Os inimigos de Israel serão julgados: E o SENHOR teu Deus porá todas estas maldições sobre os teus inimigos, e sobre os teus odiadores, que te perseguiram. (Deuteronômio 30:7)

7) Israel receberá benção completa: E o SENHOR teu Deus te fará prosperar em toda a obra das tuas mãos, no fruto do teu ventre, e no fruto dos teus animais, e no fruto da tua terra para o teu bem; porquanto o SENHOR tornará a alegrar-se em ti para te fazer bem, como se alegrou em teus pais, (Deuteronômio 30:9)

 

Conclusão

A Aliança Palestina confirmou que Israel era o nome a ser dado à terra entregue originalmente na Aliança Abraâmica.  

Por ser uma Aliança Incondicional, a desobediência de Israel não invalidou seu direito de posse sobre a terra; entretanto, a desobediência interfere no proveito que poderia ter da terra.  

A Aliança Palestina foi vista como sendo válida séculos depois (ver Ezequiel 16:1-63) e continua sendo válida até hoje.

***

Para terminar, um pouco da história da terra e seus primeiros ocupantes:

Um pouco de história

Canaã

Segundo o Wikepédia, Canaã era "a antiga denominação da região correspondente à área do atual Estado de Israel (inclusive as Colinas de Golã), da Faixa de Gaza, da Cisjordânia, de parte da Jordânia (uma faixa na margem oriental do Rio Jordão), do Líbano e de parte da Síria (uma faixa junto ao Mar Mediterrâneo, na parte sul do litoral da Síria)". Leia Números 34:1-15 e Deuteronômio 3:8.

O povo cananita sofreu influência de vários povos, principalmente dos mesopotâmicos (sumerianos, assírios, caldeus). 

O nome Canaã é alusivo ao filho de Cã e neto de Noé, de onde se atribui a origem dos cananeus (Gênesis 10). 

Canaã foi a 12a. geração depois de Adão: Adão > Sete > Enos > Quenã > Malalel > Jarede > Enoque > Metusalém > Lameque > Noé > Cã > Canaã.

Canaã era neto de Noé e por causa do pecado de seu pai, Cã, foi amaldiçoado por seu avô, Noé, quando este se recuperou da embriaguez: E disse: Maldito seja Canaã; servo dos servos seja aos seus irmãos. (Gênesis 9:25)

Canaã foi "pai" de 11 tribos que viveram na área da Síria e Palestina e o termo cananeu identificava os habitantes daquela região. Descobertas arqueológicas recentes de alguns artefatos confirmam as descrições bíblicas dos cananeus.

 

Ocupação de Israel nas terras de Canaã

Não é por causa da tua justiça, nem pela retidão do teu coração que entras a possuir a sua terra, mas pela impiedade destas nações o SENHOR teu Deus as lança fora, de diante de ti, e para confirmar a palavra que o SENHOR jurou a teus pais, Abraão, Isaque e Jacó. (Deuteronômio 9:5)
 
Os cananeus eram um povo cruel e devasso. Sua cultura adotava práticas de prostituição cultual e sacrificios de crianças.
 
Eram um povo de estatura elevada, descendentes dos gigantes: enaquins, refains, horreus, emins e zanzumins. (Leia Os Nephilins – Três Teorias
 
Por causa disso veio o julgamento de Deus para esse povo e Israel foi o instrumento para aplicar a justiça, da mesma forma, que anos depois, Deus usou nações pagãs (Assíria e Babilônia) para julgar Israel.
 
Sob a liderança de Josué, os israelitas se mudaram para o território e ocuparam as cidades.
 
Porque o SENHOR teu Deus te põe numa boa terra, terra de ribeiros de águas, de fontes, e de mananciais, que saem dos vales e das montanhas;
Terra de trigo e cevada, e de vides e figueiras, e romeiras; terra de oliveiras, de azeite e mel.
Terra em que comerás o pão sem escassez, e nada te faltará nela; terra cujas pedras são ferro, e de cujos montes tu cavarás o cobre. (Deuteronômio 8:7-9)
 
Quando, pois, o SENHOR teu Deus te introduzir na terra que jurou a teus pais, Abraão, Isaque e Jacó, que te daria, com grandes e boas cidades, que tu não edificaste,
E casas cheias de todo o bem, que tu não encheste, e poços cavados, que tu não cavaste, vinhas e olivais, que tu não plantaste, e comeres, e te fartares. (Deuteronômio 6:10-11)
 
Outro motivo porque Deus ordenou a completa destruição dos habitantes de Canaã era para que Israel não se contaminasse: “Para que não vos ensinem a fazer conforme a todas as suas abominações, que fizeram a seus deuses, e pequeis contra o SENHOR vosso Deus.” (Deuteronômio 20:18). 
 
Porém os israelitas desobederam a ordem de Deus e deixaram alguns vivos, que mais tarde corromperam a nova geração: E foi também congregada toda aquela geração a seus pais, e outra geração após ela se levantou, que não conhecia ao SENHOR, nem tampouco a obra que ele fizera a Israel… E deixaram ao SENHOR Deus de seus pais, que os tirara da terra do Egito, e foram-se após outros deuses, dentre os deuses dos povos, que havia ao redor deles, e adoraram a eles; e provocaram o SENHOR à ira. Porquanto deixaram ao SENHOR, e serviram a Baal e a Astarote. (Juízes 2:10,12-13).

***

Notas de Pesquisa:

Livro: Profecias de A a Z – Thomas Ice & Timoty Demy

Notas da Bíblia de Estudos das Profecias

Livro:Manual de Escatologia – Dwight Pentecost

Wikipedia.com

 

 

 

Sete Coisas que Você Precisa Saber sobre Profecias Bíblicas

Filed Under (Estudos Bíblicos, Segunda Vinda de Jesus) by Geração Maranata on 27-08-2011

Tag: , , ,

Por Geração Maranata

Nunca antes presenciamos tantas tempestades assassinas, terremotos em vários lugares, guerras e rumores de guerras e pestes, esses assuntos dominam os noticiários continuamente.

Não é surpresa que as pessoas estejam cada vez mais interessadas nas Profecia dos Tempos do Fim.

Até quem não cristão fica imaginando se o fim não está próximo!

Agora o surpreendente mesmo é que a maioria dos cristãos nada sabe sobre profecias. Seminários não ensinam, logo os pregadores não pregam, portanto, os cristãos não a aprendem. No entanto, a Bíblia fala mais de Profecia dos Tempos do Fim do que qualquer outro assunto.

Raramente vemos Igrejas pregando mensagens explicando o quão importante é a profecia bíblica e o cuidado que o cristão deve ter em ter uma vida de santidade e reta diante de Deus.

Os cristãos não dedicam mais tempo para estudar profecias porque ficam assustados quando leem ou ficam confusos. Isso não deveria ocorrer, pois para o crente, a profecia não deveria ser assustadora nem confusa, mas a chave para entender o plano de Deus para o homem.

O estudioso em profecias bíblicas, Jack Kelley, elaborou um estudo onde o objetivo é lançar bases sobre esse assunto tão importante e relevante para os dias atuais.

Nota: Este estudo é baseado nas posições escatológicas: Futurista, Pré-Tribulacionista e Pré-Milenistas (leia o que representa cada uma dessas visões em artigos postados neste blog). O que está exposto neste artigo é a opinião do autor que é compartilhado em grande parte por outros cristãos. Devemos nos lembrar que alguns eventos são um tanto obscuros, prova disso são as diversas controvérsias a respeito.

 

Sete Coisas que Você Precisa Saber

Há sete informações que são essenciais para a compreensão da Profecia dos Tempos do Fim. Essas sete coisas são as bases para a construção da fundação forte que nós queremos:

1) A Sequência de Eventos Principais dos Tempos do Fim

2) O Destino dos Três Componentes da Humanidade

3) O Objetivo e a Duração da Grande Tribulação

4) O Objetivo do Arrebatamento

5) As condições que cercam a Segunda Vinda

6) O Objetivo e a Duração do Milênio

7) A Eternidade

Uma vez aprendido, esses sete tópicos ajudarão a evitar os erros que têm lançado outros para fora do caminho e darão a capacidade de colocar todos os versos proféticos da Bíblia em seu contexto apropriado.

 

1) A Sequência de Eventos Principais do Fim dos Tempos

Primeiro é saber o que acontece e quando.

O estudo da profecia fica realmente confuso se não soubermos a sequência na qual grandes eventos dos Tempos do Fim ocorrerão. A melhor maneira de descobrir é fazer o que o mundo dos negócios às vezes chama de exercício de agenda.

Trata-se de ir até o fim de um processo e identificar o resultado final. Então você lista todas as coisas que precisam acontecer para produzir esse resultado. Daí você os coloca em ordem inversa, voltando até o presente. É mais simples do que parece, e muito mais simples em profecia do que nos negócios, porque há muito menos eventos para organizar.

Vamos listar os eventos principais primeiro, depois vamos organizá-los.

Quase todos sabem sobre a 2 ª Vinda e a Eternidade, e muitos também já ouviram falar do Arrebatamento da Igreja e da Grande Tribulação. Mas há também o Reino Milenar, a 70ª Semana de Daniel, e as Batalhas de Ezequiel 38-39, Salmo 83 e Isaías 17; um total de nove grandes eventos ainda estão por vir.

Vamos organizá-los, começando com o resultado final e trabalhando de volta para o começo.

Como acontece com a maioria das listas, a ordem em que alguns eventos irão ocorrer é óbvia, enquanto outros são menos, e no começo alguns não parecem se encaixar em qualquer lugar mesmo. Iremos ordenar as mais óbvias primeiro.

Todos nós pensamos na Eternidade como o resultado final, e assim a partir do final significa que começamos lá. Mas o principal último evento descrito em detalhe na Bíblia é a Era do Reino ou Milênio. É o Reino de 1000 anos do Senhor na Terra, que se distingue e precede a Eternidade. O último capítulo do Apocalipse descreve árvores em ambos os lados do Rio da Vida com frutos diferentes a cada mês. Isso significa que o tempo ainda existe, e eternidade, por definição, é a ausência de tempo. Falaremos mais sobre isso mais tarde.

Vejamos como fica a agenda inversa:

  • A Eternidade não pode acontecer até que o Milênio acabe.
  • O Milênio, obviamente, não pode começar até depois da Segunda Vinda, porque é quando o Senhor retorna para estabelecê-lo.
  • De acordo com Mat. 24:29-30 a Segunda Vinda não vai acontecer até o final da Grande Tribulação.
  • E isso não pode acontecer até o Anticristo estar no Templo em Israel declarando-se Deus. (2 Ts. 2:4). Esse é o evento que Jesus advertiu Israel a procurar como a salva de abertura da Grande Tribulação. Ele chamou de "A Abominação da Desolação" em Mat. 24:15-21. Daniel 9:27 indica que isso vai acontecer no meio do último período de sete anos: a 70ª Semana de Daniel.
  • Mas a Abominação não pode acontecer até que haja um Templo. Não houve um Templo em Israel desde 70 AD e não haverá um até que os Judeus oficialmente decidam que precisam de um. Eles não precisarão de um até que Deus restabeleça seu relacionamento da Antiga Aliança, porque o único propósito do Templo é para adorá-Lo de acordo com exigências da Antiga Aliança. Isso vai sinalizar o início da 70ª semana de Daniel.
  • A 70ª Semana não pode começar até que a Batalha de Ezequiel 38-39 seja vencida, porque Deus vai usar essa batalha para despertar Israel e restabelecer a sua aliança com eles. Em Romanos 11:25 Paulo disse que Israel foi endurecido em parte até o que número total de gentios tenha entrado, uma referência ao Arrebatamento da Igreja, após o qual Israel será salvo.
  • Isso significa que o Arrebatamento tem que acontecer antes da Batalha de Ezequiel 38.

Agora, quando colocamos a Sequência dos Principais Eventos na sua devida ordem, fica parecido com isto:

  • O arrebatamento da Igreja,
  • A Batalha de Ezequiel 38,
  • A 70ª Semana de Daniel começa,
  • A Grande Tribulação,
  • A 2ª Vinda,
  • O Milênio,
  • A Eternidade

Para aqueles que leem as Escrituras como estão escritas (método literal), apenas dois dos eventos nesta sequência estão sujeitos a debate quanto à cronologia. Estes são o Arrebatamento da Igreja e a Batalha de Ezequiel 38, os dois primeiros em nossa lista.

Então, vamos descobrir por que eles têm que estar onde estão colocados na sequência.

Mantendo a mentalidade regressiva vamos começar com a batalha de Ezequiel e voltaremos até o Arrebatamento.

"E eu porei a minha glória entre os gentios e todos os gentios verão o meu juízo, que eu tiver executado, e a minha mão, que sobre elas tiver descarregado. E saberão os da casa de Israel que eu sou o Senhor seu Deus, desde aquele dia em diante. Então saberão que eu sou o Senhor seu Deus, vendo que eu os fiz ir em cativeiro entre os gentios, e os ajuntarei para voltarem a sua terra, e não mais deixarei lá nenhum deles. Nem lhes esconderei mais a minha face, pois derramarei o meu espírito sobre a casa de Israel, diz o Senhor Deus." (Ez 39:21-22, 28-29)

O Templo e a Batalha de Ezequiel

O Senhor declarou em termos inequívocos, que Ele vai usar a batalha de Ezequiel para "acordar espiritualmente" Seu povo e chamá-los para Israel de todo o mundo. Isto irá resultar no restabelecimento de seu relacionamento da Antiga Aliança, revivendo as longamente adormecida profecia das "70 Semanas" de Daniel para seus sete anos finais e exigindo que um templo seja construído. Sem ele não há nenhuma maneira de eles guardarem a Sua aliança.

Isto foi provado uma vez antes na história durante o cativeiro babilônico.

Quando Nabucodonosor destruiu o Primeiro Templo, Israel deixou de existir. Mas logo que Ciro o Persa derrotou Babilônia e libertou os judeus, eles voltaram para Israel e começaram a construir um Templo antes de qualquer outra coisa. Sem um Templo não há sacrifício pelo pecado, e sem que o sacrifício, os judeus não podem se aproximar de Deus.

Tanto o Antigo quanto o Novo Testamento se referem a um Templo em Israel no fim dos tempos. A única razão para um Templo é para executar as ordenanças da Antiga Aliança. Mas hoje a construção de um causaria um alvoroço tal que ninguém no seu perfeito juízo consideraria isso.

Apenas uma exigência unificada do povo de Israel acompanhada por uma silenciosa aceitação por seus vizinhos muçulmanos, tornaria a construção de um Templo ao menos imaginável.

A Batalha de Ezequiel tornará possível duas situações: uma nação judaica reavivada com a presença de Deus em sua vida nacional e uma força de ataque muçulmana totalmente derrotada e sem condições de resistir.

Com isso as condições perfeitas finalmente existiriam para começar a construir o Templo. Por estas razões, a Batalha de Ezequiel tem que ocorrer no limiar da 70ª Semana de Daniel.

O Arrebatamento

Agora, por que o Arrebatamento da Igreja deverá se antes da Batalha de Ezequiel?

"Porque não quero, irmãos, que ignoreis este segredo (para que não presumais de vós mesmos): que o endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado." (Rom 11:25)

De acordo com Ezequiel 37:7-10 (Vale de Ossos Secos), Israel renasceria primeiro na incredulidade.

Paulo disse que eles permanecerão parcialmente separados de Deus até que a Igreja gentílica atinja o seu completamento total (número pré-determinado) e chegue ao seu destino.

Nota: A palavra grega πληρωμα(pleroma) traduzida como "plenitude" em Romanos 11:25 era um termo náutico normalmente utilizado para descrever o número total de tripulantes e de carga necessários para cumprir a missão de um navio. A embarcação não poderia navegar até que essa exigência fosse cumprida. A palavra traduzida "entrado" significa chegar a um local designado.

πληρωμα pleroma (Léxico Grego Strong)
1) aquilo que é (tem sido) preenchido
1a) um navio, na medida em que está cheio (i.e. tripulado) com marinheiros, remadores, e soldados
1b) no NT, o corpo dos crentes, que está cheio da presença, poder, ação, riquezas de Deus e de Cristo
2) aquilo que enche ou com o qual algo é preenchido
2a) aquelas coisas com as quais um navio está cheio, bens e mercadorias, marinheiros, remadores, soldados
2b) consumação ou plenitude do tempo
3) plenitude, abundância
4) cumprimento, realização

Então o véu será puxado para trás enquanto e Deus se revelará a eles novamente.

Como vimos acima, Ele usará a Batalha de Ezequiel para começar essa renovação da Antiga Aliança com eles, fazendo, mais tarde, a transição de Israel da Antiga Aliança para a Nova no final da Grande Tribulação.

"Mas sobre a casa de Davi, e sobre os habitantes de Jerusalém, derramarei o Espírito de graça e de súplicas; e olharão para mim, a quem traspassaram; e pranteá-lo-ão sobre ele, como quem pranteia pelo filho unigênito; e chorarão amargamente por ele, como se chora amargamente pelo primogênito." (Zc 12:10).

Lembre-se, se eles não voltassem ao Antigo Concerto primeiro, não seria necessário um Templo. Ele os está retomando de onde pararam.

"E, havendo-se eles calado, tomou Tiago a palavra, dizendo: Homens irmãos, ouvi-me: Simão relatou como primeiramente Deus visitou os gentios, para tomar deles um povo para o seu nome. E com isto concordam as palavras dos profetas; como está escrito. Depois disto voltarei,e reedificarei o tabernáculo de Davi, que está caído, levantá-lo-ei das suas ruínas, e tornarei a edificá-lo. Para que o restante dos homens busque ao Senhor, e todos os gentios, sobre os quais o meu nome é invocado, diz o Senhor, que faz todas estas coisas, conhecidas são a Deus, desde o princípio do mundo, todas as suas obras.'" (Atos 15:13-18)

Isso foi cerca de 20 anos após a cruz.

A polêmica era se os gentios tinham que se tornar judeus antes de se tornarem cristãos. E se não, o que seria de Israel?

Tiago, o irmão do Senhor, explicou aos Apóstolos e outros presentes no Concílio de Jerusalém que Israel estava sendo temporariamente posto de lado enquanto Deus focalizava na Igreja.

Depois de ter tomado esse "povo para o Seu nome" (os cristãos) dentre os gentios, Ele voltaria e reconstruiria Seu Templo.

A palavras grega λαμβανω(lambano) traduzidas por 'tomar' significa 'levar alguma coisa para longe ou remover do seu lugar', então a passagem implica que Ele levaria a Igreja a algum lugar e então voltaria para reconstruir o Templo, restaurar Israel, e dar ao que sobrou da humanidade uma última chance de O buscarem.

λαμβανω lambano (Léxico Grego Strong)
forma prolongada de um verbo primário, que é usado apenas como um substituto em certos tempos
1) pegar
1a) pegar com a mão, agarrar, alguma pessoa ou coisa a fim de usá-la
1a1) pegar algo para ser carregado
1a2) levar sobre si mesmo
1b) pegar a fim de levar
1b1) sem a noção de violência, i.e., remover, levar
1c) pegar o que me pertence, levar para mim, tornar próprio
1c1) reinvindicar, procurar, para si mesmo
1c1a) associar consigo mesmo como companhia, auxiliar
1c2) daquele que quando pega não larga, confiscar, agarrar, apreender
1c3) pegar pelo astúcia (nossa captura, usado de caçadores, pescadores, etc.), lograr alguém pela fraude
1c4) pegar para si mesmo, agarrar, tomar posse de, i.e., apropriar-se
1c5) capturar, alcançar, lutar para obter
1c6) pegar um coisa esperada, coletar, recolher (tributo)
1d) pegar
1d1) admitir, receber
1d2) receber o que é oferecido
1d3) não recusar ou rejeitar
1d4) receber uma pessoa, tornar-se acessível a ela
1d41) tomar em consideração o poder, nível, ou circunstâncias externas de alguém, e tomando estas coisas em conta fazer alguma injustiça ou negligenciar alguma coisa
1e) pegar, escolher, selecionar
1f) iniciar, provar algo, fazer um julgamento de, experimentar
2) receber (o que é dado), ganhar, conseguir, obter, ter de volta

Essas três profecias da Bíblia deixam claro que, à medida que o Fim dos Tempos se aproximar, Deus vai começar a preparar Israel para ser Seu mais uma vez. Mas Ele não estará focado exclusivamente neles até que tenha terminado a construção da Igreja e nos levado ao nosso lugar designado.

"Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também." (João 14:2-3)

Ele não prometeu voltar para estar conosco aqui onde estamos, mas para nos levar para lá, onde Ele está. Depois disso Ele cuidará do reavivamento de Israel e da construção de seu Templo.

Por toda a Escritura, o Senhor parece estar envolvido ou com Israel ou com a Igreja, mas nunca com os dois ao mesmo tempo.

Tiago mostra isso em seu pronunciamento a respeito da Igreja em Atos 15. Todos os líderes da igreja primitiva sabia agora que assim que Deus alcançasse Seus objetivos com a igreja, Ele voltaria para Israel, e esse seria um sinal do fim da Era da Igreja.

Existem dois pontos críticos para lembrar aqui:

1) A Igreja não pôs fim à Era da Lei, mas apenas a interrompeu 7 anos antes da sua conclusão agendada. Esses sete anos, a chamada 70ª Semana de Daniel, têm de ser cumpridos para completar a Antiga Aliança.

2) A Antiga e a Nova Alianças, como praticadas em Israel e na Igreja, são teologicamente incompatíveis e, portanto, as duas só podem ocorrer na Terra, ao mesmo tempo, enquanto Israel estiver fora da aliança. Para que Israel volte para o Senhor, a Igreja tem que sair.

Por esta razão, o renascimento de Israel em 1948 e a reunificação de Jerusalém em 1967 são vistos como os sinais mais importantes de todos de que o Fim dos Tempos está sobre nós.

Além disso, há dois eventos que ainda não colocamos na sequência, e isso porque eles não são fáceis de encaixar ali: As Batalhas do Salmo 83 e de Isaías 17.

Quando Israel vencer as duas batalhas todos os seus inimigos na porta ao lado serão derrotados e eles entrarão em um breve período de paz que preparará o terreno para a Batalha de Ezequiel (Ezequiel 38:11).

Elas são chamados de 'batalhas' em vez de 'guerras', o que significa que serão de curta duração e poderão acontecer dentro de um período relativamente curto de tempo. Elas podem vir antes ou após o Arrebatamento, mas têm que acontecer antes que a Batalha de Ezequiel 38 ocorra.

 

2) O Destino dos Gentios (as Nações), de Israel e a da Igreja

Mesmo os assim chamados peritos interpretam mal a profecia quando não param para considerar a quem o Senhor, ou um de Seus profetas, está se dirigindo. Só porque alguma coisa está nos Evangelhos não significa necessariamente que ela seja para a Igreja, ou estando em Isaías que seja somente para Israel. Conhecer o destinatário de uma profecia é fundamental para entendê-la, e há três possibilidades.

Eu vou te mostrar o que quero dizer.

"Na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz, e pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades." (Efésios 2:15-16)

"Portai-vos de modo que não deis escândalo nem aos judeus, nem aos gregos (gentios), nem à igreja de Deus." (1 Coríntios 10:32)

"Porque todos sois filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus. Porque todos quantos fostes batizados em Cristo já vos revestistes de Cristo. Nisto não há judeu nem grego; não há servo nem livre; não há macho nem fêmea; porque todos vós sois um em Cristo Jesus." (Gálatas 3:26-28)

Da Criação até a Cruz, a raça humana passou a ser dividida em três grupos distintos.

Desde a Criação havia uma raça de seres humanos, a família do homem, mais tarde chamada de gentios.

Então, em Gênesis 12, Deus chamou Abraão para construir uma grande nação. Ele e seus descendentes foram chamados primeiro de Hebreus (Gênesis 14:13), e mais tarde de judeus (Esdras 4:12).

"Então veio um, que escapara, e o contou a Abrão, o hebreu; ele habitava junto dos carvalhais de Manre, o amorreu, irmão de Escol, e irmão de Aner; eles eram confederados de Abrão." (Gn 14:13)

"Saiba o rei que os judeus, que subiram de ti, vieram a nós em Jerusalém, e reedificam aquela rebelde e malvada cidade, e vão restaurando os seus muros, e reparando os seus fundamentos." (Ed 4:12)

A partir desse momento, a população mundial era constituída de Judeus ou Gentios.

Mas na cruz, Deus criou a Igreja, tomada dentre os judeus e gentios, mas não compartilhando o destino de nenhum deles.

Agora eram três, e todos na Terra pertencem a de um desses grupos.

Em suas epístolas, Paulo sempre teve o cuidado de distinguir a Igreja dos judeus e gentios, na verdade chamou a Igreja de uma 'nova raça de humanos' (veja os versículos citados por Paulo logo acima).

Destino dos Gentios e Judeus

1) Gentios convertidos antes de Cristo e depois do Arrebatamento

"E aos filhos dos estrangeiros, que se unirem ao SENHOR, para o servirem, e para amarem o nome do SENHOR, e para serem seus servos, todos os que guardarem o sábado, não o profanando, e os que abraçarem a minha aliança, Também os levarei ao meu santo monte, e os alegrarei na minha casa de oração; os seus holocaustos e os seus sacrifícios serão aceitos no meu altar; porque a minha casa será chamada casa de oração para todos os povos. Assim diz o Senhor DEUS, que congrega os dispersos de Israel: Ainda ajuntarei outros aos que já se lhe ajuntaram." (Is 56:6-8)

De acordo com Isaías 56:6-8, os gentios que se converteram ao judaísmo antes da cruz tornaram-se parte de Israel e compartilham o seu destino, contanto que morram na fé de um Redentor vindouro. Já os gentios que encontraram seu Senhor após o arrebatamento, são chamados crentes da tribulação. Ou eles serão martirizados por sua fé, caso em que seus espíritos irão servir a Deus no Seu templo (Apo. 7:13-17) e serão unidos a corpos da ressurreição no tempo da 2ª Vinda (Apo. 20:04), ou sobreviverão à Grande Tribulação para ajudar a repovoar as nações da terra na Era do Reino (Milênio). Os gentios crentes sobreviventes serão as ovelhas no julgamento das ovelhas e das cabras que veremos mais tarde.

2) Situação dos Judeus antes de Cristo

"E, saindo dos sepulcros, depois da ressurreição dele (Jesus), entraram na cidade santa, e apareceram a muitos. E o centurião e os que com ele guardavam a Jesus, vendo o terremoto, e as coisas que haviam sucedido, tiveram grande temor, e disseram: Verdadeiramente este era Filho de Deus." (Mt 27:52-53)

O versículo acima parece nos mostrar que, assim como alguns judeus ressuscitaram (literalmente, como Lázaro) depois de Cristo, os judeus do passado que morreram na fé de um redentor vindouro antes de Jesus ir à cruz foram levados ao Céu com Ele depois de Sua ressurreição. Eles também vão receber corpos ressurretos na Segunda Vinda:

"E naquele tempo se levantará Miguel, o grande príncipe, que se levanta a favor dos filhos do teu povo, e haverá um tempo de angústia, qual nunca houve, desde que houve nação até àquele tempo; mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que for achado escrito no livro.E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno.Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento; e os que a muitos ensinam a justiça, como as estrelas sempre e eternamente." (Daniel 12:1-3)

3) Judeus convertidos depois do Arrebatamento

Já os Judeus que receberem Jesus como seu Messias após a igreja desaparecer serão escondidos no deserto da Jordânia (Petra) durante a Grande Tribulação (Apo. 12:14). Os dois grupos irão habitar em Israel durante o Milênio (Ezequiel 43:6-7).

"E foram dadas à mulher duas asas de grande águia, para que voasse para o deserto, ao seu lugar, onde é sustentada por um tempo, e tempos, e metade de um tempo, fora da vista da serpente." (Apo 12:14)

"E ouvi alguém que falava comigo de dentro da casa, e um homem se pôs em pé junto de mim. E disse-me: Filho do homem, este é o lugar do meu trono, e o lugar das plantas dos meus pés, onde habitarei no meio dos filhos de Israel para sempre; e os da casa de Israel não contaminarão mais o meu nome santo, nem eles nem os seus reis, com suas prostituições e com os cadáveres dos seus reis, nos seus altos." (Ez 43:6-7)

3) Judeus e Gentios convertidos a Cristo

É claro que judeus e gentios que entregam seus corações para Jesus durante a era da Igreja tornam-se parte da Igreja e depois do arrebatamento ou ressurreição popularão a Nova Jerusalém (Apo. 21). Muitos de nós fomos ensinados a chamá-la de Céu, mas na verdade é uma entidade separada. (Será explicado melhor no item Milênio).

4) Judeus e Gentios não convertidos a Cristo

Sejam judeus ou gentios, aqueles que não se encaixam em uma das situações acima durante a sua vida serão trazidos de volta à vida para serem julgados no juízo do Grande Trono Branco de Apocalipse 20:11-15. Ele ocorre no fim do Milênio. Naquele tempo, eles serão condenados ao lago de fogo eterno (Apo. 20:14).

Ambas as promessas se realizam: Israel não é a Igreja nem a Igreja é Israel e ambos os grupos são distintos das nações Gentílicas.

  • No Antigo Testamento, Deus prometeu a Israel que voltaria um dia para habitar no meio deles na sua terra para sempre (Ezequiel 43:6-7).
  • No Novo Testamento, Jesus prometeu à Igreja que voltará e nos levará para estar com Ele na casa de Seu Pai (João 14:1-3).

Grande parte da confusão em torno da Profecia do Fim dos Tempos resulta quer da incapacidade de compreender, quer a recusa em aceitar esta verdade.

Por exemplo, muitos cristãos hoje acreditam que a Igreja substituiu Israel no plano de Deus (Teologia da Substituição) e herdou todas as bênçãos de Israel. Israel já não serve a qualquer propósito no mundo, eles pensam, então, quando Deus fala sobre Israel, no Novo Testamento, Ele realmente quer dizer a Igreja. Portanto, eles não compreendem a Doutrina da Eleição, o Sermão do Monte, a Grande Tribulação, e outros ensinos do Novo Testamento que têm a ver com Israel.

Além disso, muitos gentios se sentam nos bancos aos domingos e acham que estão na igreja, embora não tenham nascido de novo. Eles pensam que estão salvos porque tentam viver uma vida boa, ou dar dinheiro, ou pertencer a uma denominação em particular. Eles estão erroneamente convencidos de que as bênçãos da Igreja são deles.

 

3) O Propósito e o Comprimento da Grande Tribulação

"Ah! porque aquele dia é tão grande, que não houve outro semelhante; e é tempo de angústia para Jacó; ele, porém, será salvo dela. Porque eu sou contigo, diz o Senhor, para te salvar; porquanto darei fim a todas as nações entre as quais te espalhei; a ti, porém, não darei fim, mas castigar-te-ei com medida, e de todo não te terei por inocente." (Jeremias 30:7,11).

Jesus disse que a Grande Tribulação seria o período de julgamento mais intenso que o mundo já viu, maior do que as guerras mundiais, e ainda maior do que o dilúvio de Noé. Ele disse que se fosse deixado seguir o seu curso, nem um único ser humano sobreviveria. Mas por causa do Seu povo Ele iria interrompê-lo em seu tempo determinado.

"E, se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma carne se salvaria; mas por causa dos escolhidos serão abreviados aqueles dias." (Mateus 24:22).

O propósito da Grande Tribulação é duplo.

A explicação está na passagem de Jeremias acima, onde ela é chamada por seu nome do Antigo Testamento, o 'Tempo da Angústia de Jacó'. Deus vai usá-la para destruir completamente as nações entre as quais Seu povo foi espalhado, e para disciplinar Israel, purificando-os para morar com Ele na Terra Prometida. A Igreja, tendo sido purificada na cruz, não requer nem destruição nem disciplina e não tem parte na Grande Tribulação.

"Não importa onde você colocar o Arrebatamento no Cenário Final dos Tempos, se você acredita na obra toda-suficiente do Senhor na cruz, sabe então que a Igreja tem de ser protegida dos julgamentos do Tempo do Fim, não purificada por eles. Se você não acredita que a obra do Senhor foi suficiente, mas que os julgamentos são necessários para terminar o que Ele apenas começou, então você tem problemas muito maiores do que descobrir quando o arrebatamento ocorrerá."

A duração da Grande Tribulação é variadamente dada como 3 anos e meio (Daniel 12:7), 42 meses (Apo. 11:2), ou 1.260 dias (Apo. 12:6).

Se você usar um calendário (judaico) de 12 meses de 30 dias, para um total de 360 ​​dias em um ano, estas três medidas todas acabam por ter o mesmo comprimento.

Alguns comentaristas afirmam que em Mat. 24:22 Jesus disse que este tempo seria interrompido, e a tradução em Inglês parece dar a entender isso, mas tem que ser uma interpretação errada da intenção do Senhor. Digo isso porque, enquanto Daniel 12 foi escrito várias centenas de anos antes de o Senhor falar sobre o assunto, João escreveu o Apocalipse 60 anos depois da ressurreição. Então, sua duração ficou clara no depoimento prestado, tanto antes do tempo do Senhor quanto depois dele. Se Ele disse que a Grande Tribulação vai ser interrompida, então, Ele contradisse tanto Daniel quanto João, algo que a Bíblia não pode fazer. Mais provavelmente a intenção de Mat. 24:22 é explicar que se o Senhor não voltasse para pôr fim à Grande Tribulação na hora marcada, ninguém sobreviveria, mas por causa dos seus eleitos Ele voltará para pôr fim a ela.

As referências aos 3 anos e meio, 42 meses, 1.260 dias nos levam a acreditar que o calendário original da Terra consistia de 12 meses com 30 dias cada e, na verdade, parece que antes de cerca de 700 aC, toda a Terra usava esse calendário. Desde então uma série de calendários diferentes surgiram, aparentemente para compensar as mudanças que ocorreram na órbita da Terra por volta daquele tempo. (O calendário usado pelos países ocidentais (o gregoriano), hoje, tem apenas cerca de 400 anos de idade.)

Além disso, Daniel 9:27 adverte que uma abominação que causa desolação ocorrerá na metade dos últimos sete anos, ou 3 anos e meio do final. Em Mat. 24:21 Jesus identificou este evento como o início oficial da Grande Tribulação. Paulo confirma isso e acrescenta detalhes ao descrever o anticristo no Templo proclamando-se Deus (2 Tes. 2:4). Isso confirma o comprimento da Grande Tribulação como sendo 3 anos e meio.

A 'Abominação Que Causa Desolação' é uma profanação do Templo em particular que aconteceu apenas uma vez na história. Em 168 aC. o rei da Síria, Antíoco Epifânio, capturou o Templo e o converteu em um centro de adoração pagã. Ele ergueu uma estátua de Zeus com a sua própria face sobre ela no Lugar Santo, proclamando-se, assim, ser Deus, e exigiu que os judeus a adorassem sob pena de morte. Foi chamado de 'Abominação que causa Desolação' porque tornou o Templo inadequado para o uso e provocou a revolta de 3 anos e meio dos Macabeus. A recaptura e limpeza do Templo pelos judeus em 165 AC é celebrada na festa de oito dias de Hanukkah.

Para resumir, Daniel falou de uma abominação que causa desolação que marcaria a metade dos últimos sete anos. Um evento chamado de 'Abominação que causa Desolação' em 1º Macabeus ocorreu em 168 AC, mais de 300 anos depois. Mas, 200 anos depois disso, Jesus disse a seus discípulos que o povo de Israel deve ficar atento a uma futura 'Abominação que causa Desolação' e referiu-se à profecia de Daniel ao fazê-lo (Mat. 24.15-21). Ele disse que ela dará início à Grande Tribulação. Paulo também descreveu um evento futuro semelhante ao de 168 AC dizendo que o "Dia do Senhor" não poderia precedê-lo (2 Tes. 2:3-4).

Portanto, a abominação que causa desolação que teve lugar em 168 aC, foi apenas um cumprimento parcial da profecia de Daniel. Jesus se referiu a ela para que as pessoas no fim dos tempos sejam capazes de reconhecer o cumprimento quando eles a virem. Eles vão saber ao olhar para um homem de pé no Templo chamando a si mesmo de Deus e exigindo que sua imagem seja adorada. Jesus disse aos que vivem na Judeia (Israel) que quando o virem fujam para se esconder de imediato, pois a Grande Tribulação terá começado.

4) A finalidade do Arrebatamento

"Porque eles mesmos anunciam de nós qual a entrada que tivemos para convosco, e como dos ídolos vos convertestes a Deus, para servir o Deus vivo e verdadeiro, e esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dentre os mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura." (1 Tes. 1:9-10)

A palavra grega traduzida "da" na passagem acima é "apo (απο)". Literalmente, ela significa "manter o sujeito (nós) à distância do tempo, do lugar ou de qualquer relação com o evento em referência", neste caso da ira vindoura. Este versículo é um dos vários que explicam o propósito do arrebatamento da igreja, e ele é para nos colocar em segurança fora do caminho antes de Deus visitar a sua ira sobre a Terra.

απο – apo (Léxico Grego Strong)
partícula primária; preposição
1) de separação
1a) de separação local, depois de verbos de movimento de um lugar i.e. de partir, de fugir
1b) de separação de uma parte do todo
1b1) quando de um todo alguma parte é tomada
1c) de qualquer tipo de separação de uma coisa de outra pelo qual a união ou comunhão dos dois é destruída
1d) de um estado de separação. Distância
1d1) física, de distância de lugar
1d2) tempo, de distância de tempo
2) de origem
2a) do lugar de onde algo está, vem, acontece, é tomado
2b) de origem de uma causa

Quando é que a ira de Deus vem?

"E os reis da terra, e os grandes, e os ricos, e os tribunos, e os poderosos, e todo o servo, e todo o livre, se esconderam nas cavernas e nas rochas das montanhas; e diziam aos montes e aos rochedos: "Caí sobre nós, e escondei-nos do rosto daquele que está assentado sobre o trono, e da ira do Cordeiro; porque é vindo o grande dia da sua ira; e quem poderá subsistir?" (Apo. 6:15-17)

Depois de Apocalipse 3 a Igreja não é vista novamente na Terra até que voltamos com o Senhor em Apocalipse 21:2, conforme previsto em Apocalipse 17:14.

"E eu, João, vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que de Deus descia do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido." (Apo 21:2)

"Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão os que estão com ele, chamados, e eleitos, e fiéis. (Apo 17:14)"

Em Apocalipse 4, João vê uma porta aberta no céu e é dito para ele "Venha até aqui!" Imediatamente ele se encontra no espírito, em pé diante do trono de Deus no final dos tempos. Ele foi transportado para o tempo do arrebatamento.  Lá ele vê os 24 anciãos, assentados em seu próprios tronos ao redor do trono de Deus. Eles estão todos vestidos de branco, com coroas de ouro em suas cabeças. Eles se curvam diante do Senhor e colocam as suas coroas aos seus pés dando-Lhe honra e glória.

No capítulo 5 eles (os Anciãos) chamam a si mesmos de Reis e Sacerdotes enquanto cantam louvores a Deus. Por seus títulos, roupas, coroas, tronos, e atividades eles representam a Igreja recém-arrebatada.

Há quatro visualizações do Trono de Deus no Antigo Testamento:

Isaías 6:1-4 e Ezequiel 1 e 10 que não incluem esses 24 anciãos; a de Daniel 7:9-10, uma visão do fim dos tempos, sugere vários tronos, mas não oferece nenhum detalhe.

Porém o livro do Apocalipse os 24 anciãos são mencionadas 12 vezes. Algum grupo chegou no Céu que não estava lá nos tempos do Antigo Testamento, e 12 é o número de governo. É a Igreja que vem para governar e reinar com Cristo.

Assim, a Igreja é arrebatada no capítulo 4; é apresentada no céu no capítulo 5 e no capítulo 6 a Ira de Deus é derramada na Terra.

A primeira carta de Paulo aos Tessalonicenses foi escrita em 51 dC e contem a primeira menção clara de um arrebatamento jamais dada. Nem Jesus nem os discípulos jamais o ensinaram. Sua existência foi mantida em segredo até então, assim como seu tempo exato é segredo até hoje.

Muitos dos erros cometidos sobre o momento do arrebatamento vêm de tentativas fúteis de encontrar passagens do Evangelho que o ensinem, como veremos no tópico 'Segunda Vinda'.

Achamos que o Arrebatamento talvez seja o componente mais importante da Profecia do Final dos Tempos, e para nós ele é.

Então, por que Jesus nunca o mencionou?

1 Coríntios 2:6-10 nos dá a resposta. "

Todavia falamos sabedoria entre os perfeitos; não, porém, a sabedoria deste mundo, nem dos príncipes deste mundo, que se aniquilam; mas falamos a sabedoria de Deus, oculta em mistério, a qual Deus ordenou antes dos séculos para nossa glória; a qual nenhum dos príncipes deste mundo conheceu; porque, se a conhecessem, nunca crucificariam ao Senhor da glória. Mas, como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu,e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam. Mas Deus no-las revelou pelo seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus."

A frase "príncipes deste mundo" refere-se a Satanás e companhia. Se eles tivessem conhecido a abundância impressionante de bênçãos que o Senhor derramará sobre aqueles que aceitam a Sua morte como pagamento pelos seus pecados, eles teriam feito tudo ao seu alcance para impedir que O crucificassem. Pense nisso. Somos chamados Reis e Sacerdotes, recebendo riqueza e influência incalculáveis, feitos herdeiros com Cristo dos bens de Deus, algo que Satanás nunca poderia alcançar e nunca poderíamos merecer, e é tudo nosso só porque acreditamos. Esta constatação veio a Satanás depois que já era tarde demais para impedi-lo e transformou o que deveria ter sido sua maior vitória em uma derrota agonizante.

"E, despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo." (Colossenses 2:15)

Mas como tudo no plano de Deus, você vai encontrar pistas do Arrebatamento mesmo no Antigo Testamento. Veja esta passagem de Isaías 26:19-21:

"Os teus mortos e também o meu cadáver (o de Isaías) viverão e ressuscitarão; despertai e exultai, os que habitais no pó, porque o teu orvalho será como o orvalho das ervas, e a terra lançará de si os mortos. Vai, pois, povo meu, entra nos teus quartos, e fecha as tuas portas sobre ti; esconde-te só por um momento, até que passe a ira. Porque eis que o Senhor sairá do seu lugar, para castigar os moradores da terra, por causa da sua iniquidade, e a terra descobrirá o seu sangue, e não encobrirá mais os seus mortos."

Observe como os pronomes mudam da segunda pessoa quando Deus fala de Seu povo para terceira pessoa quando Ele fala do povo da Terra. Isso significa que os dois grupos são diferentes. A um é dito para esconder porque o outro vai ser punido.

Nota: a palavra hebraica traduzida como "vai" na frase "Vai povo meu" é traduzida como "vem" em algumas traduções, lembrando o comando a João em Apocalipse 4, "Sobe aqui!" Mas a palavra tem um outro significado primário e é o meu favorito. Significa desaparecer. "Desapareça, pavo meu!" Sim, nós vamos.

Léxico Hebraico Strong:
ילך yalak – palavra 'Vai" usada em Isaías 19:20
1) ir, andar, vir
1a1) ir, andar, vir, partir, prosseguir, mover, ir embora
1a2) morrer, viver, maneira de viver (fig.)
1b) guiar, trazer, levar embora, carregar, fazer andar
כחד kachad – Palavra Desaparecer com o sentido de se Esconder (Não foi essa a palavra usada no texto de Isaías, o autor quis demonstrar que a palavra "Esconder" em Hebraico pode ter outro significado)
1) esconder, ocultar, cortar fora, derrubar, tornar desolado, chutar
1a1) ser escondido
1a2) ser apagado, ser destruído, ser eliminado
1b) (Piel) cobrir, esconder
1c1) esconder
1c2) desaparecer, aniquilar

Agora leia duas das revelações mais conhecidas de Paulo sobre o Arrebatamento.

"Dizemo-vos, pois, isto, pela palavra do Senhor: que nós, os que ficarmos vivos para a vinda do Senhor, não precederemos os que dormem. Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor." (1 Tes. 4:15-17)

"MAS, irmãos, acerca dos tempos e das estações, não necessitais de que se vos escreva; porque vós mesmos sabeis muito bem que o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão. Mas vós, irmãos, já não estais em trevas, para que aquele dia vos surpreenda como um ladrão; porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas." (1 Tes. 5:1-5)

"Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo." (1 Tes. 5:9)

Aqui está outra mudança dos pronomes.

Usando a terceira pessoa, Paulo descreve incrédulos pegos de surpresa, pensando que haviam entrado em um período de paz enquanto a destruição repentinamente chove sobre eles, cortando toda a esperança de escapar. Em seguida, Paulo muda para a segunda pessoa, dizendo que os crentes não devem ser pegos de surpresa enquanto o fim se aproxima, e, finalmente, para a primeira pessoa quanto ele nos inclui com ele, não estando destinados à ira.

Agora observe cuidadosamente enquanto colocamos os escritos de Isaías sobre os de Paulo.

"Os teus mortos e também o meu cadáver viverão e ressuscitarão; despertai e exultai, os que habitais no pó, porque o teu orvalho será como o orvalho das ervas, e a terra lançará de si os mortos." (Os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro.)

"Vai, pois, povo meu, entra nos teus quartos, e fecha as tuas portas sobre ti; esconde-te só por um momento, até que passe a ira." (Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares.)

"Porque eis que o Senhor sairá do seu lugar, para castigar os moradores da terra, por causa da sua iniquidade." (Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão.)

Embora a Bíblia contenha 66 livros e 40 escritores envolvidos, há um só Autor e a Sua mensagem é consistente desde Gênesis até o Apocalipse.

Foi assim que Paulo pode abrir sua passagem sobre o arrebatamento, dizendo: "… pela palavra do Senhor …". O Senhor nunca mencionou o arrebatamento nos Evangelhos. Paulo com certeza havia lido Isaías.

Além dessas, existem várias outras passagens onde nosso Senhor promete proteger-nos dos juízos vindouros.

Muitas pessoas dizem que a palavra arrebatamento não aparece em nenhuma dessas passagens.  Elas sabem que 'Arrebatamento' é uma palavra de origem latina, não hebraica ou grega, as línguas da Bíblia.

Nota: A primeira tradução da Bíblia foi para o latim (Vulgata) e o termo arrebatamento vem de lá.

A palavra Arrebatamento tem seu equivalente em grego como harpazo, que se encontra no texto grego de 1 Tes. 4:15-17. Quando traduzidas para o Português, ambas as palavras significam "ser apanhado, ou arrebatado." Há uma situação semelhante com a palavra Lúcifer, também de origem latina. Ela também não aparece em nenhum dos textos originais, mas ninguém seria ingênuo o suficiente para negar a existência de Satanás em uma base tão débil.

αρπαζω harpazo
1) pegar, levar pela força, arrebatar
2) agarrar, reivindicar para si mesmo ansiosamente
3) arrebatar

 

5) Condições Que Envolvem a 2ª Vinda

Uns dois dias antes de ser preso, Jesus teve uma conversa privada com quatro de seus discípulos, Seu círculo íntimo. Eles eram Pedro e André, Tiago e João, dois pares de irmãos. O objetivo da conversa era responder a perguntas que eles Lhe havia feito sobre a 2ª Vinda e do Fim dos Tempos. Eles ficaram confusos porque, segundo a profecia de Daniel 9:24-27 esses eventos estavam a apenas sete anos de distância e, ainda assim, Jesus tinha acabado de dizer-lhes que o Templo e todos os edifícios circundantes seriam demolidos tão completamente que nem uma pedra seria deixada de pé sobre a outra. Ele havia dito à multidão a mesma coisa no chamado Domingo de Ramos e disse que isso iria acontecer porque a nação não tinha reconhecido o tempo de Sua vinda para eles.

"E te derrubarão, a ti e aos teus filhos que dentro de ti estiverem, e não deixarão em ti pedra sobre pedra, pois que não conheceste o tempo da tua visitação." (Lc 19:44).

Sua resposta às perguntas dos discípulos está contida em Mat. 24-25, Marcos 13 e Lucas 21.

Os teólogos a chamam de Sermão do Monte porque a conversa teve lugar no Monte das Oliveiras. Para este estudo, apenas vamos resumi-lo, concentrando-nos nas peças que nos ajudam a identificar o que o Senhor tem a dizer sobre as condições em torno da 2ª Vinda.

No relato de Mateus, o mais detalhado, Jesus incluiu diversas referências geográficas e de tempo específicas na sua resposta. Ele fez isso para que seus leitores não se confundam sobre quem e quando Ele estava falando. Ele nos comandou a compreender a passagem de Mat. 24:15, Ele queria ter certeza de que entendemos direito. Vamos usar essas referências para obter uma clara compreensão de Seu público alvo e do calendário de eventos.

"Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo; quem lê, atenda;" (Mt 24:15)

A resposta às suas perguntas começa em Mat. 24:4 com uma visão geral.

Ele disse que falsos messias iriam enganar a muitos e que haveriam guerras e rumores de guerra, mas isso não estaria sinalizando o fim. Ele os caracterizou, juntamente com fomes e terremotos em vários lugares, como o princípio das dores. Dores de parto dizem a uma gestante que o trabalho de parto está chegando, mas não dizem exatamente quando ele vai ocorrer. É o mesmo com esses sinais.

Ele disse que eles (os judeus) serão perseguidos e condenados à morte e odiados por todas as nações, fazendo com que muitos se afastem da fé e até mesmo traiam uns aos outros, mas aqueles que permanecerem firmes até o fim serão salvos. Então Ele terminou Seu resumo em Mat. 24:14, dizendo que o evangelho seria pregado em todas as nações e, em seguida, viria o fim.

De acordo com Apo. 14:6-7, essa profecia será cumprida por um anjo logo após a Grande Tribulação começar:  "E vi outro anjo voar pelo meio do céu, e tinha o evangelho eterno, para o proclamar aos que habitam sobre a terra, e a toda a nação, e tribo, e língua, e povo. Dizendo com grande voz: Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas."

"Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo; quem lê, atenda; então, os que estiverem na Judeia, fujam para os montes." (Mateus 24:15-16)

Esses dois versos nos dão as primeiras pistas específicas quanto ao público pretendido e quanto ao tempo da Sua resposta.

O Lugar Santo é o Templo judaico e, como aprendemos na Parte 2, a abominação que causa desolação é uma profanação específica que o torna impróprio para uso posterior.

O último Templo existente em Israel foi destruído em 70 dC, antes que essa profecia pudesse ser cumprida. A própria nação deixou de existir cerca de 135 dC e não reapareceu até 1948. Mas, como ainda não há Templo ali, a profecia ainda está por se cumprir.

Também é direcionada para aqueles que estão na Judeia, o nome bíblico para Israel. O Senhor estava advertindo as pessoas em Israel que estarão vivas quando um Templo estiver sendo construído lá para vigiarem por isso e, quando o virem, fugirem imediatamente.

"E orai para que a vossa fuga não aconteça no inverno nem no sábado; porque haverá então grande aflição, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem tampouco há de haver." (Mateus 24:20-21)

As montanhas da Judeia são traiçoeiras no inverno, e os judeus são proibidos pela Lei de andar mais de mil passos no sábado, por qualquer motivo. Isso confirma que o aviso destina-se ao povo de Israel dos últimos dias, de volta em seu relacionamento da Antiga Aliança, no início da Grande Tribulação, 3 anos e meio antes da Segunda Vinda. A Igreja já terá ido embora.

Então, em Mateus 24:29 Ele disse que "logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas." Quando virem esses sinais eles saberão que a Grande Tribulação terminou.

Mat. 24:30 mostra as pessoas na Terra vendo o Sinal do Filho do Homem no céu, e depois seu retorno visível para a Terra com poder e grande glória. Isso fará com que todos os povos da Terra lamentem. Agora é tarde demais para que eles sejam salvos e eles percebem isso intuitivamente. Essa é a Segunda Vinda do Senhor.

"Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória."

Mat. 24:36 começa com "… daquele dia e hora ninguém sabe …" Que dia? Que hora? De acordo com Mat. 24:37 e 39 é o dia e a hora da Segunda Vinda.

Lembre-se de ficar no contexto. Esse foi o assunto de Jesus desde o versículo 30.

Acredito que a razão de Ele dizer: "dia e hora" foi para que soubéssemos com certeza que Ele estava falando sobre o dia e hora exatos de Sua Vinda, e não o tempo geral. O momento específico da 2ª Vinda está envolto em mistério. Nada menos que quatro vezes dentro de um período de 27 versos Jesus disse que o povo vivo na Terra no momento, não saberá com antecedência o dia e a hora da sua vinda (Mat. 24:36, 42-44, 50, Mat. 25:13). Na verdade a única vez que Ele usou a frase dia e hora foi em conjunto com Sua 2ª Vinda.

Isso dá suporte à ideia de que a Segunda Vinda ocorrerá, provavelmente, na Festa das Trombetas. Ela era chamada de a festa onde ninguém sabe o dia nem a hora porque acontecia em uma lua nova, que é muito difícil de ver no céu noturno. Acrescente a isso o fato de que imediatamente após a Grande Tribulação a Lua vai ficar inteiramente escura (Mateus 24:29) e se torna uma tarefa difícil, quase impossível.

Mat. 25 começa com a frase "Então, …" ou "Naquele tempo,…", que é o momento imediatamente após a 2ª Vinda, e contém três ilustrações que o Senhor usou para descrever julgamentos que Ele vai realizar depois que retornar. Eu vou apenas destacar o que elas revelam sobre a identidade de seus destinatários.

A Parábola das 10 Virgens

A primeira é a Parábola das 10 Virgens (Mateus 25:1-13). É uma história a cerca de 10 mulheres jovens à espera de um noivo que virá. Todas têm lâmpadas a óleo, mas por terem esperado um longo tempo, cinco ficam sem óleo e estão tentando comprar mais quando ele chega. Não tendo óleo elas são impedidas de entrar para o banquete do casamento. Esta parábola é por vezes utilizada para ilustrar a situação precária de "apóstatas" na Igreja, mas mesmo se você desconsiderar o problema com o tempo quase tudo nessa interpretação é errado.

Primeiro, se o óleo está sendo usado simbolicamente aqui, como eu acredito que está, então o princípio da consistência expositiva exige que ele represente o Espírito Santo. Este princípio diz que quando as coisas são usadas simbolicamente na Bíblia, o uso simbólico é consistente. Por exemplo levedura (fermento) sempre simboliza o pecado, e óleo sempre simboliza o Espírito Santo. A Igreja pode perder o Espírito Santo, ou esgotar o Seu estoque? Efésios 1:13 e 2 Coríntios 1:21-22 ambos dizem que o Espírito Santo foi selado dentro de nós como uma garantia da nossa herança, e que isso aconteceu apenas porque acreditamos na mensagem do Evangelho. Não há nada que alguém em qualquer lugar possa fazer para mudar isso.

Mas essa garantia não é indicada para os crentes da Tribulação. Na verdade Apo. 16:15 especificamente adverte-os a permanecerem acordados e manterem sua justiça, simbolizada por manter suas roupas com eles. (A roupa é frequentemente usada para representar a justiça, como em Isaías 61:10).

Apo. 16:15 implica que os crentes da Tribulação são responsáveis ​​por permanecerem firmes em sua fé para não perderem a sua salvação. Mat. 25:8 concorda, dizendo-nos que todas as 10 virgens tinham óleo em suas lâmpadas no início, mas as cinco tolas não tinham o suficiente para levá-las até o fim. Lembre-se, todas as 10 virgens são pegas dormindo quando Ele volta. É o óleo que distingue um grupo do outro, e não seu comportamento.

Em segundo lugar, essas 10 mulheres são chamadas virgens ou damas de honra, mas nunca de Noiva. Por outro lado, a Igreja é a Noiva, e nunca é chamada de dama de honra! E quando você já ouviu falar de uma noiva ter que implorar com o noivo para ser admitida em seu próprio banquete de casamento?

Terceiro, parece que essas jovens estão tentando entrar no Mitzvah Seudas (festa de casamento) um banquete que sucede a cerimônia de casamento. Se assim for, nenhuma delas conseguiu chegar à cerimônia de casamento propriamente dita, com ou sem óleo, então nenhuma delas pode ser a noiva. Na verdade não há menção da noiva em qualquer lugar desta parábola.

Logo presumimos que estas virgens não podem ser a Igreja. Eles representam os sobreviventes da Tribulação tentando entrar no Reino Milenar. Cinco foram salvas no tempo entre o arrebatamento e o fim da Grande Tribulação (representado pelo óleo), mantiveram-se firmes, e são bem-vindas a entrar. As cinco sem óleo quando ele chegou não permaneceram firmes e perderam seu lugar.

Esta parábola ensina que a volta do Senhor sinaliza o prazo após o qual até mesmo o pedido para ser salvo e receber o Espírito Santo será negado. A porta para o Reino será fechada e o Senhor irá negar conhecer quem chegou tarde demais.

A Parábola dos Talentos

Em Mateus 25:14, no início da parábola dos talentos, a palavra "também" significa que ele está dando uma outra ilustração do mesmo período de tempo como a parábola das 10 virgens, o dia da Sua Vinda.

Embora o uso do talento como um dom ou habilidade deriva desta parábola, um talento era uma unidade de medida grega, geralmente monetária. A chave para interpretar uma parábola é saber que tudo é simbólico de uma outra coisa, por isso, nesta parábola um talento representa algo valioso para o Senhor que ele desejava ter investido em Seu nome. Após Seu retorno, Ele pergunta àqueles a quem ele o tinha confiado que o que eles haviam realizado.

Aqueles que ensinam que os talentos são dons concedidos à Igreja para serem usados com sabedoria, produzindo um retorno mensurável, não leram o último verso da parábola. O servo que enterrou seu talento no chão e não produziu nada com ele foi jogado nas trevas exteriores, o destino dos incrédulos. Estará o Senhor ensinando uma salvação com base nas obras aqui? Nos ameaçando com a perda da nossa salvação se não produzirmos o suficiente com os dons que Ele nos deu? Claro que não.

Lendo a Bíblia, fica claro que o dinheiro não é importante para o Senhor. Mas o Salmo 138:2 diz que Ele valoriza a Sua Palavra acima de tudo. Acredito que os talentos representam a Sua Palavra. Aqueles que a semeiam nos corações de outros descobrem que ela se multiplica em novos crentes. Aqueles que a estudam descobrem que a sua própria compreensão cresce, multiplicando a sua fé.

Mas aqueles que ignoram a Sua Palavra descobrem que é como enterrá-la no chão. Longe da vista, longe do coração, até o pouco com que começaram está perdido para eles. Isso prova que ela nunca teve qualquer valor para eles e os condena como incrédulos, a serem lançados nas trevas exteriores. Eles ouviram a verdade e a ignoraram. Agora é tarde demais. Em 2 Tes. 2:10 Paulo os descreve como aqueles que perecem, porque eles se recusaram a amar a verdade para serem salvos. Alguns vão arcar com a responsabilidade maior de terem levado seus seguidores a se desviarem por sua recusa em ensinar a verdade.

Em Sua Palavra, o Senhor estabeleceu cada ação que Ele tomaria sobre seu plano para o Planeta Terra. "Certamente o Senhor Deus não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas", disse Ele (Amós 3:7). Ele fez isso para que o homem nunca tivesse que ficar imaginando o que Ele estava fazendo. E sobre o Fim dos Tempos Ele tinha mais a dizer do que sobre qualquer outro assunto. Ninguém pode alegar ignorância. Mais uma vez o ponto é que alguns que sobreviverem à Grande Tribulação serão recebidos no Reino e alguns não, e a fé é o fator determinante.

O Julgamento das Ovelhas e dos Bodes

Mat. 25:31 não deixa dúvidas quanto ao seu tempo. Ele começa "Quando o Filho do Homem vier …" e segue falando sobre o Senhor estabelecendo o seu trono na Terra, depois de Seu retorno para o julgamento das nações, na verdade, um juízo dos gentios sobreviventes da tribulação. O Senhor não julga as nações no sentido eterno, apenas indivíduos. A palavra grega aqui é ethnos, e significa "povo de todo tipo." Eles vão ser julgados pelo modo como trataram "Seus irmãos" durante a Grande Tribulação. É chamado de Julgamento das Ovelhas e dos Bodes, com as ovelhas sendo aqueles que ajudaram seus irmãos através dos tempos horríveis que acabaram de passar e cabras sendo aqueles que não o fizeram.

Alguns dizem que seus irmãos são crentes, sejam judeus ou gentios, e outros dizem que eles são especificamente judeus, mas o ponto mais importante é que esses sobreviventes da Tribulação não estão sendo julgados por suas obras. Suas obras estão sendo citadas como prova de sua fé, como em Tiago 2:18. Ajudar a um crente, especialmente um judeu, durante a Grande Tribulação requererá ainda mais coragem do que na Alemanha de Hitler e, de acordo com alguns, será uma ofensa punível com a morte. Apenas um seguidor de Jesus, certo de seu destino eterno, se atreveria a fazê-lo ou mesmo a querê-lo. Aqueles que ajudaram a "Seus irmãos" terão demonstrado a sua fé por suas obras e serão conduzidos vivos ao Reino. Aqueles que se recusaram a ajudar terão condenado a si mesmos à escuridão por esta prova da sua falta de fé.

Todos as três ilustrações ensinam a mesma lição.

Os sobreviventes crentes viverão no Reino. Alguns terão confiado exclusivamente no dom da fé do Espírito Santo, como na Parábola das 10 Virgens. Outros terão multiplicado sua fé através do estudo e partilha da Sua Palavra, como na Parábola dos Talentos. Outros ainda terão colocado a sua fé em ação, arriscando suas vidas no negócio. Eles são as ovelhas do Julgamento das Ovelhas e dos Bodes. Mas, tal como tem sido ao longo da história, todos serão salvos pela fé.

Onde está o Arrebatamento?

O Julgamento das Ovelhas e dos Bodes é, na verdade, uma expansão de Mat. 24:40-41 "será levado um, e deixado o outro…"

Por causa do problema de tempo, estes versos não podem estar descrevendo o Arrebatamento. Mas há mais. A palavra grega traduzida 'tomado' nos versículos 40 e 41 significa "recebido." Capitães escolhendo os lados em um jogo de futebol de areia apontam para alguém e dizem: "Vou levá-lo." Significa, "Venha até aqui. Você está no meu time." Nenhum problema até agora, o Senhor está levando alguns, mas não outros.

παραλαμβνω paralambano
1) tomar a, levar consigo, associá-lo consigo
1a) um associado, companheiro
1b) metáf.
1b1) aceitar ou reconhecer que alguém é tal como ele professa ser
1b2) não rejeitar, não recusar obediência
2) receber algo transmitido
2a) ofício a ser cumprido ou desempenhádo
2b) receber com a mente
2b1) por transmissão oral: dos autores de quem a tradição procede
2b2) pela narração a outros, pela instrução de mestres (usado para discípulos)

Mas o significado primário da palavra traduzida 'deixado' é "mandar embora", como um marido se divorciando iria "mandar embora" sua esposa. Naqueles dias, mulheres não tinham direitos e, exceto em circunstâncias muito incomuns, nem propriedade. A casa do casal era propriedade do marido, geralmente construída em terras de sua família. Se ele se divorciou de sua esposa, mandou-a ir morar em outro lugar, excluindo-a de sua presença. Incrédulos não serão mandado embora desta maneira no arrebatamento. Eles serão deixados no lugar em que estão para suportar os julgamentos.

αφιημι aphiemi
1) enviar para outro lugar
1a) mandar ir embora ou partir
1a1) de um marido que divorcia sua esposa
1b) enviar, deixar, expelir
1c) deixar ir, abandonar, não interferir
1c1) negligenciar
1c2) deixar, não discutir agora, (um tópico)
1c2a) de professores, escritores e oradores
1c3) omitir, negligenciar
1d) deixar ir, deixar de lado uma dívida, perdoar, remitir
1e) desistir, não guardar mais
2) permitir, deixar, não interferir, dar uma coisa para uma pessoa
3) partir, deixar alguém
3a) a fim de ir para outro lugar
3b) deixar alguém
3c) deixar alguém e abandoná-lo aos seus próprios anseios de modo que todas as reivindicações são abandonadas
3d) desertar sem razão
3e) partir deixando algo para trás
3f) deixar alguém ao não tomá-lo como companheiro
3g) deixar ao falecer, ficar atrás de alguém
3h) partir de modo que o que é deixado para trás possa ficar,
3i) abandonar, deixar destituído

Esta passagem não está descrevendo o Arrebatamento.

O momento, o contexto, e a disposição das partes estão todos errados. É um resumo do Julgamento das Ovelhas e dos Bodes. Os levados (recebidos) viverão no Reino em seus corpos naturais e ajudarão a repovoar a Terra, enquanto os deixados (mandados embora) serão colocados nas Trevas Exteriores, para sempre banidos da presença de Deus.

E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. (Mateus 24:37). Nos dias de Noé as pessoas da Terra poderiam ser separadas em três grupos. Havia os descrentes que pereceram no dilúvio, Noé e sua família, que foram preservados através do Dilúvio, e Enoque que foi levado da Terra antes do Dilúvio. (Enoque foi trasladado em Gênesis 5. Isso significa que Deus o levou vivo para o céu. O Dilúvio veio em Gênesis 6.)

No tempo da 2ª Vinda, o povo da terra também se dividirá em três grupos. O mundo incrédulo irá perecer nos juízos dos Tempos do Fim, Israel será preservado através dos julgamentos, e A Igreja será tomada da Terra antes dos julgamentos.

Há algumas semelhanças interessantes entre Enoque e a Igreja. Seu nome significa "ensino", uma das principais funções da Igreja. A tradição judaica diz que Enoque nasceu no dia 6 de Sivan. 6 de Sivan é o dia no calendário hebraico em que a Festa de Pentecostes é celebrada. É o dia em que nasceu a Igreja. Eu acho que Enoque é um bom modelo da Igreja.

Na 2ª Vinda a porta para a salvação será fechada. Os sobreviventes da Terra serão julgados e os que se tornaram fiéis serão recebidos no Reino. Os incrédulos serão levados para fora do planeta, privados da presença do Senhor para sempre. Eles queriam o Senhor fora de suas vidas, e agora eles conseguirão o que queriam.

6) A Duração e Objetivo do Milênio

Como a palavra Arrebatamento e Lucifer, Milênio é uma palavra de origem latina e não aparece em qualquer lugar nas Escrituras. Nós a obtemos de duas palavras latinas, mille, ou 1000, e annum, ou ano, a partir da tradução latina de Apo. 20:06. Mille annum, milênio, o reino de 1000 anos do Senhor na Terra, é conhecido por Israel como a Era do Reino. É o sétimo e último milênio da Idade do Homem, que começou com o nascimento de Adão. É muitas vezes confundido com a eternidade, mas, como vimos anteriormente, os dois são distintos. Um Milênio é, obviamente, um período definido de tempo, enquanto por definição Eternidade é a ausência do tempo como nós o conhecemos.

O Milênio Na Terra

Durante o Milênio, o Senhor será Rei do Céu e da Terra, a Terra sendo restaurada à condição em que estava quando Adão foi criado. Isto incluirá a restauração da paz entre o homem e os animais, trazendo de volta o Meio-Ambiente, como o de um jardim, original da Terra, com o seu clima sub-tropical de extensão mundial, eliminando o mau tempo, as tempestades assassinas, os terremotos e os extremos de calor e frio. A extensão da vida do homem começará a aumentar novamente para igual à dos patriarcas de Gênesis. Doenças e enfermidades, os subprodutos do pecado, serão bastante reduzidas. Parece que a população da Terra será sustentada pelo retorno a uma economia agrária, mas sem todos os obstáculos enfrentados por Adão, quando a maldição de Gênesis 3 for finalmente removida. O homem facilmente produzirá o suficiente para o uso de sua família, e terá prazer em fazê-lo. Nenhum trabalho será improdutivo, ou principalmente para o benefício dos outros. As crianças vão crescer sem medo e os adultos vão envelhecer em paz. (Um resumo de Isaías 2:1-5, 4:2-6, 35, 41:18-20, 60:10-22,65:17-25, Miqueias 4:1-8)

Como a Terra voltará a ser povoada em sua maioria por sobreviventes da Tribulação em seus corpos naturais, ainda haverá pecado, embora em menor grau, especialmente no começo. No chamado Templo Milenar em Israel, os sacerdotes irão realizar sacrifícios diários pelo pecado, assim como nos dias do Antigo Testamento. Mas, enquanto os crentes do Velho Testamento observavam os sacrifícios do Templo para aprender o que o Messias faria um dia fazer por eles, os crentes Milenares irão observá-los para lembrar, e para seus filhos aprenderem, o que Ele já fez. (Eze. 40-47)

O Senhor reinará supremo sobre a Terra como Rei e Sumo Sacerdote, o cabeça tanto do governo mundial como de uma religião mundial. Ele não admitirá ameaças à sua paz estabelecida, nem qualquer desvio da Sua doutrina. (Salmo 2)

No início, apenas os crentes habitarão a Terra, desfrutando do ambiente verdadeiramente utópico com que a humanidade sempre sonhou, mas que somente Deus pode criar. Eles irão em breve começar a ter filhos que, à medida que amadurecerem, terão que optar por receber o perdão do Senhor, assim como nós temos. E como acontece hoje, alguns irão rejeitá-Lo para seguir seu próprio caminho. No momento em que Satanás for libertado no final do Milênio, haverá tantos que já rejeitaram o Senhor que ele vai encontrar rapidamente um enorme exército de recrutas para a sua última tentativa de expulsar o Senhor para fora do planeta.

Mas com o fogo do céu o Senhor destruirá o exército de Satanás, lançando-o no Lago de Fogo, onde será atormentado de dia e de noite para sempre. Nunca mais ele ou qualquer de seus cúmplices será livre para afligir o povo de Deus. (Apo. 20:7-10)

Como isso aconteceu?

O que começou como uma era de paz e prosperidade inimaginável, terá terminado em guerra aberta contra o mesmo Rei que a tornou possível. Como pode ser isso?

Antes do Milênio, o homem tinha três desculpas para sua incapacidade de agradar a Deus. A primeira era Satanás, cujos esquemas inteligentes levaram o homem ao erro. Mas durante todo o Milênio, Satanás estará preso na escuridão.

a segundo era a má influência dos incrédulos. Mas quando o Milênio começar, a Terra terá sido purificada de todos os seus infiéis. Somente àqueles que haviam dado o seu coração ao Senhor será permitida a entrada no Reino.

E a terceira era a ausência de Deus do nosso meio. Por 2.600 anos, com exceção de um período de 33 anos, Deus tem estado ausente do planeta deixando o homem "cuidar de si mesmo." Mas durante todo o Milênio, o Pai, o Filho e o Espírito Santo terão habitado no meio das pessoas da Terra.

No Milênio, os habitantes da Terra viverão nas circunstâncias ideais que Adão e Eva desfrutavam no Jardim do Éden. A maldição terá desaparecido e o Senhor estará lá entre eles, todo o mundo é crente e Satanás estará preso. E, no entanto, há pecado residual suficiente no coração do homem não regenerado para que ele se rebele na primeira chance que tiver. O homem pecador não pode habitar na presença de um Deus Santo, sendo incapaz de guardar Seus mandamentos. Ele precisa de um Salvador e Redentor para reconciliá-lo com Deus e de um transplante de coração para curá-lo de sua natureza pecaminosa. O ponto inteiro do Milênio é provar, de uma vez por todas, que o coração do homem é enganoso acima de todas as coisas e além da cura (Jer. 17:9) o que torna impossível para ele viver em uma maneira que agrada a Deus.

O Milênio Na Nova Jerusalém

A vida é muito diferente no Lar da Igreja Redimida. Embora os reis da Terra tragam-nos o seu esplendor, nenhum incrédulo jamais poderá colocar os pés no lugar, nem mesmo um crente em seu estado natural. Nossas mansões no céu são construídas do mais puro ouro, como são as ruas que correm diante delas, suas fundações feitas de pedras preciosas. Não há Templo na Nova Jerusalém, porque o Cordeiro de Deus habita lá e é o nosso templo. A fonte de energia que nos ilumina e aquece é a Glória de Deus, e o nosso brilho, por sua vez, fornece luz para as nações da Terra. (Apo. 21:9-27)

Nossos corpos glorificados terão sido libertados de seus grilhões dimensionais, o que nos permitirá aparecer e desaparecer à vontade, indo e vindo ao longo do tempo na velocidade do pensamento enquanto sondamos as ilimitadas delícias da Criação de Deus. Nenhum detalhe foi esquecido, no que se refere ao nosso conforto e felicidade. Não há mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor, apenas as alegrias infinitas da exploração e da descoberta. Como está escrito: "Nenhum olho viu, nem ouvido ouviu, mente nenhuma imaginou o que Deus preparou para aqueles que o amam." (1 Cor 2:9).

Nossa casa não é na Terra, mas não é no Trono de Deus também. Descendo dos céus, mas nunca pousando na Terra, nossa casa poderia ser chamado de um satélite de órbita baixa na terminologia de hoje. 2250 Km de altura, largura e profundidade, ela não caberia em Israel, muito menos em Jerusalém. Se pousássemos na Terra precisamos de um espaço equivalente à área do estado do Maine até a Flórida e até o Centro-Oeste, ou toda a Europa Ocidental da Suécia até a Itália, e a Nova Jerusalém será mais de 4000 vezes mais alta que o mais alto edifício do mundo. Quase 2/3 do tamanho da Lua, ela simplesmente não caberá em qualquer lugar na Terra.

A Igreja tem sido descrita como a Pérola de Grande Valor. Uma pérola é criada no oceano e cresce como resposta a uma irritação. É a única gema preciosa que vem de um organismo vivo. Na época da colheita, ela é removida de seu habitat natural para ser colocada em uma ambiente personalizado onde se torna um objeto de adorno.

E assim é com a Igreja. Criada dentre as nações gentílicas, a Igreja foi um importante incômodo tanto para Israel quanto para o Império Romano. Apesar de centenas de anos de perseguição terem sido dedicados à nossa destruição, ela cresceu de forma constante. Na colheita seremos levados da Terra para ser colocados em mansões que o Senhor construiu especialmente para nós, para nos tornarmos o objeto de Seu adorno.

7) A Eternidade

Eu não posso dizer muito sobre a Eternidade, exceto que há uma. A Bíblia termina no final do Milênio, mas nos ensina que cada um que já nasceu vive para sempre. A questão não é se você tem a vida eterna. A questão é onde você vai passar a eternidade. Existem apenas dois destinos possíveis e nós descrevemos a ambos. Bem-aventurança eterna na presença de Deus, ou vergonha eterna e castigo, banidos da presença de Deus. Enquanto Deus é paciente, não querendo que nenhum se perca, não é uma decisão que Ele tenha que tomar. Ele a deu a você sabendo que, sem alternativa, a sua escolha de aceitá-Lo não teria sentido. Ele te ama o suficiente para arriscar que você tome a decisão errada e o suficiente para cumprir os seus desejos se você o fizer.

Ninguém conscientemente opta por ir a um lugar de tormento eterno. Mas muitos acabarão lá. Quando o fizerem será porque se recusaram a escolher o Céu, e essa é a única alternativa.

Aqui, então, estão Sete Coisas que Você Precisa Saber Para Compreender Profecia do Final dos Tempos. Dominá-las irá permitir-lhe sucesso em evitar todas as heresias e os falsos ensinos que gira em volta nestes últimos dias. O estudo da profecia não é uma questão de salvação, mas o Senhor fez com que fossemos admoestados em várias ocasiões a compreender os sinais dos tempos de modo que não sejamos pegos de surpresa. Devemos assistir com expectativa e esperar com certeza.

Em Apocalipse 1:3 nos foram prometidas bênçãos pelo nosso estudo diligente, e em 2 Timóteo 4:8 uma coroa por aguardar a Sua vinda. Mas, o maior dom que vem do estudo da profecia é o fortalecimento da nossa fé. Nada pode ser igual a assistir a Palavra de Deus passar do abstrato ao concreto ao vermos a Profecia Bíblica cumprida diante dos nossos olhos. Se você escutar atentamente, você quase pode ouvir os passos do Messias.

 

Extraído com adaptações de www.olharprofetico.com.br (texto original de www.gracethrufaith.com)

 

Haverá um Reino Milenar depois que Cristo voltar? – Pré-Milenismo Histórico

Filed Under (Estudos Bíblicos, Milênio) by Geração Maranata on 24-07-2011

Tag: , , ,

This entry is part 2 of 4 in the series Haverá um Reino Milenar depois que Cristo voltar?

por Geração Maranata

O Milênio

“E vi descer do céu um anjo, que tinha a chave do abismo, e uma grande cadeia na sua mão. Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás, e amarrou-o por mil anos.

E lançou-o no abismo, e ali o encerrou, e pôs selo sobre ele, para que não mais engane as nações, até que os mil anos se acabem.

E depois importa que seja solto por um pouco de tempo.

E vi tronos; e assentaram-se sobre eles, e foi-lhes dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de Jesus, e pela palavra de Deus, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal em suas testas nem em suas mãos; e viveram, e reinaram com Cristo durante mil anos.

Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram. Esta é a primeira ressurreição. Bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte; mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele mil anos.

E, acabando-se os mil anos, Satanás será solto da sua prisão, E sairá a enganar as nações que estão sobre os quatro cantos da terra, Gogue e Magogue, cujo número é como a areia do mar, para as ajuntar em batalha. E subiram sobre a largura da terra, e cercaram o arraial dos santos e a cidade amada; e de Deus desceu fogo, do céu, e os devorou. E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre.” (Apo: 20:1-10)

 

“E o Senhor será rei sobre toda a Terra; naquele dia um será o Senhor e um será o seu nome” (Zc 14:9)

 

A palavra millennium vem do latim mille annus que significa mil anos. O termo grego usado na Bíblia é chiliasm (quiliasmo).  

χιλιοι chilioi
plural de afinidade incerta
1) mil

ετος etos
1) ano

No capítulo 20 de Apocalipse encontramos a única menção de um reino milenial de Cristo e as divergências giram em torno desses mil anos.

Nem todos os cristãos acreditam que Jesus Cristo voltará literalmente à Terra para estabelecer um reino de paz e segurança que durará mil anos.

Quatro correntes escatológicas tentam explicar o significado do Milênio:

Pós-Milenismo

• Pré-Milenismo Histórico

Pré-Milenismo Dispensacionalista

Amilenismo

Nesta segunda série estudaremos o ensino do Milênio segundo a visão Pré-Milenista Histórica.

O Pré-Milenismo Histórico é uma das quatro correntes que tentam responder à pergunta:

“Haverá um reino milenial depois que Cristo voltar?”

Pré-Milenismo Histórico

Os adeptos desta visão afirmam que ela é a interpretação escatológica mais antiga sobre o Milênio, por isso é também chamada de Pre-Milenismo Clássico.

Acredita-se que foi a interpretação escatológica principal nos três primeiros séculos do Cristianismo, onde personagens como Papias, Irineu, Justino Mártir, Tertuliano e outros apoiaram essa interpretação.

 

Histórico

O Pré-Milenismo foi a visão predominante nos primeiros três séculos da Igreja.

Os que aderiam a esta visão incluía Papias (60-130dC), Justino Mártir (100-165dC), Irineu (130-202), Tertuliano (160-330dC), Orígenes (cerca de 185-254), Hipólito, Metódio, Comandiano, Lactanius e outros.

De acordo com alguns documentos, como o apócrifo ‘Epístola de Barnabé’, nos primeiros séculos da Igreja os cristãos aguardavam a volta de Jesus para estabelecer o Milênio de paz e justiça na Terra, ou seja, eles criam no Pré-Milenismo, porém depois de um período de Tribulação. Depois do reinado de mil anos é que seria estabelecido o Reino Eterno.

O motivo de os cristãos da época acreditarem na volta de Jesus depois de um período de tribulação era porque entendiam que já estavam vivendo esse período, que já durava muitos anos; então as muitas perseguições e sofrimentos eram considerados normais. Os líderes dessa época procuravam preparar os cristãos para uma época ainda pior que estaria por vir.

A visão do Milênio seria uma época de grande abundância, prosperidade e harmonia na criação. Papias, bispo de Hierápolis da Frígia, início do segundo século, cria dessa forma.

Porém, com o tempo, a crença de um Milênio literal já não era unânime. A partir do quarto século, muita coisa iria mudar e traria declínio à visão Pré-Milenista.

Vários fatores contribuíram para a mudança de visão:

1) Com o fim das perseguições, devido a cristianização promovida pelo Imperador Romano Constantino, a visão Amilenista tomou força. Esta continua sendo a posição da Igreja Católica Romana até os dias de hoje e foi defendida também pela maior parte dos reformadores protestantes.

2) A partir do século III d.C. teólogos de Alexandria (cidade localizada no Egito, hum!) introduziram outro ensino sobre o Milênio. Orígenes e Clemente sugeriram um ensino simbólico ou alegórico a respeito dos mil anos. A Igreja, exausta de tantas perseguições, havia esperado ardorosamente, mas em vão, pelo imediato retorno de Jesus, acabou deixando-se influenciar e abandonou a posição Pré-Milenista.

A proteção de Constantino ajudou na idéia de que o Milênio já havia começado. O que inicialmente foi considerado heresia, gradualmente, foi sendo aceito, especialmente através da influência de Agostinho, bispo de Hipona (396-430 d.C.) e Jerônimo (347-420 d.C.) . Agostinho rejeitava o Pré-Milenismo, tachando-o de literal e carnal demais, e espiritualizou o conceito.

3) A introdução da interpretação alegórica das Escrituras foi o fator decisivo para o declínio Pré-Milenista, pois esse ensino traz consigo um desprezo por tudo que é terreno e visível.

O Velho Testamento era, até meados do segundo século depois de Cristo, a única Bíblia da Igreja. O VT fala muito de um Reino na Terra, por isso alguns pais do segundo século (como Clemente e Orígenes) começaram a transformar essas passagens em alegorias para evitar os conflitos que uma interpretação mais literal poderia trazer. O Velho Testamento passou a ser visto, cada vez mais, não como uma parte importante do plano de Deus, mas apenas como uma história simbólica cheia de figuras das verdades espirituais e invisíveis.

4) A influência da filosofia grega e o gnosticismo também contribuíram e muito para o declínio da visão Pré-Milenista e pôs fim na esperança de um Reino Milenar. Um dos ensinos que parece ter contaminado muito o Cristianismo foi o conceito grego de que a matéria é má por natureza e que por isso é preciso se livrar desse corpo e desse mundo material para poder alcançar a perfeição, que no caso do Cristianismo seria o Céu que é totalmente espiritual e transcendental.

5) Outro fator foi o distanciamento entre a Igreja e os judeus. Embora os primeiros cristãos fossem todos judeus, depois da abertura para os gentios, a Igreja foi aos poucos se desligando de suas raízes originais. Houve várias causas para isso, uma das quais foi a destruição de Jerusalém em 70 d.C. O método de interpretação alegórica também contribuiu, fazendo com que os cristãos desprezassem a história da nação de Israel e o entendimento judaico das revelações de Deus. Isso preparou o caminho para a Igreja se considerar o novo Israel de Deus, herdeira de todas as promessas do Velho Testamento (num sentido espiritual), deixando Israel como povo e nação completamente fora.

Quais são as provas das Escrituras fornecidas pelos Pré-Milenistas Históricos para o ensino de que haverá um reinado milenar terreno após a volta de Cristo?

Para os Pré-Milenistas Históricos a Igreja é o Israel de Deus, mencionado por Paulo em Gl. 6:16. Não há nenhuma distinção entre Israel e Igreja hoje, e do mesmo modo não haverá no Milênio.

Para chegar a esta conclusão, fazem uso do mesmo princípio de interpretação utilizado pelos Amilenistas, em relação as profecias do Antigo Testamento. Porém acreditam que Deus restaurará a nação de Israel, pois para ela há promessas no Milênio.

Romanos 11 é usado para provar essa restauração:

“E se alguns dos ramos foram quebrados (Israel), e tu, sendo zambujeiro, foste enxertado em lugar deles (A Igreja), e feito participante da raiz e da seiva da oliveira, não te glories contra os ramos; e, se contra eles te gloriares, não és tu que sustentas a raiz, mas a raiz a ti.

Dirás, pois: Os ramos foram quebrados, para que eu fosse enxertado. Está bem; pela sua incredulidade foram quebrados, e tu estás em pé pela fé. Então não te ensoberbeças, mas teme. Porque, se Deus não poupou os ramos naturais, teme que não te poupe a ti também.

Considera, pois, a bondade e a severidade de Deus: para com os que caíram, severidade; mas para contigo, benignidade, se permaneceres na sua benignidade; de outra maneira também tu serás cortado.

E também eles, se não permanecerem na incredulidade, serão enxertados; porque poderoso é Deus para os tornar a enxertar. Porque, se tu foste cortado do natural zambujeiro e, contra a natureza, enxertado na boa oliveira, quanto mais esses, que são naturais, serão enxertados na sua própria oliveira!

Porque não quero, irmãos, que ignoreis este segredo (para que não presumais de vós mesmos): que o endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado. E assim todo o Israel será salvo, como está escrito: De Sião virá o Libertador, E desviará de Jacó as impiedades. E esta será a minha aliança com eles, Quando eu tirar os seus pecados.” (Romanos 11:17-27) (grifo meu)

O Velho Testamento e Cristo falaram a respeito do governo do Ungido. Salmos 2 é usado como respaldo bíblico:

“Eu, porém, ungi o meu Rei sobre o meu santo monte de Sião.” (Salmo 2:6)

Apesar de que o único lugar onde a Bíblia menciona tal reino milenar terreno é Apocalipse 20:1-6, os Pré-Milenistas encontram uma descrição da Segunda Vinda de Cristo em Apocalipse 19 e Apocalipse 20 descreve eventos que sucederão à Segunda Vinda

Os primeiros três versículo de Apocalipse 20, descreveriam o aprisionamento de Satanás durante o Milênio depois da volta de Cristo.

Apocalipse 20:4 retrataria o reinado dos crentes ressuscitados com Cristo sobre a terra durante o milênio.

A palavra grega 'ezasan' (eles viveram ou, vieram à vida), encontrada nos versos 4 e 5, significariam ‘ressuscitado da morte de um modo físico’.

Ainda no verso 4, seria encontrado uma descrição da ressurreição física dos crentes no início do Milênio, mais tarde seria denominada “a primeira ressurreição”; no verso 5 encontraríamos uma descrição da ressurreição física dos incrédulos no final do Milênio.

Em 1 Coríntios 15.23-26, embora os Pré-Milenistas reconheçam que esta passagem não forneça uma prova conclusiva para um Milênio terreno, porém pode-se encontrar apoio neste ensino, especialmente nos versos 23 e 24

“Cada um, porém, por sua própria ordem: Cristo, as primícias, depois (epeita) os que são de Cristo, na sua vinda. E então (eita) virá o fim (telos), quando ele entregar o Reino ao Deus e Pai…”

Nesses versículos, o Apóstolo Paulo estaria retratando o triunfo do Reino de Cristo realizado em três etapas:

- a ressurreição de Cristo;

- a Parousia, quando os crentes serão ressuscitados;

- o fim, quando Cristo entregará o Reino a Deus Pai;

Uma vez que há um intervalo significativo entre a primeira (ressurreição de Cristo) e a segunda etapa (ressurreição dos crentes), então não parece improvável que possa haver também um intervalo significativo entre a segunda e a terceira etapa.

As palavras 'então' (eita) e 'fim' (telos) deixariam lugar para um intervalo indefinido de tempo entre a Segunda Vinda e o Fim, quando Cristo completaria a subjugação de seus inimigos.

Este intervalo seria o Milênio.

Cronologia Pré-Milenista Histórica

De acordo com o Pré-Milenismo Histórico, vários eventos têm de acontecer antes que Cristo retorne:

• A evangelização das nações;

• A grande apostasia ou rebelião;

• A manifestação do anticristo;

• A grande tribulação;

• A Igreja atravessará a Tribulação final;

• A Segunda Vinda de Cristo não será um evento em duas etapas, mas uma ocorrência única;

• Quando Cristo voltar, os crentes que estiverem mortos serão ressuscitados, os crentes que estiverem ainda vivos serão transformados e então ambos os grupos serão juntamente elevados para encontrar com o Senhor nos ares;

• Após este encontro nos ares, os crentes acompanharão Cristo que descerá à Terra;

• Após Cristo ter descido à Terra, o anticristo será exterminado e seu Reino opressor chegará ao fim. Neste momento ou antes disso, a grande maioria dos judeus que estiverem vivos se arrependerá de seus pecados, crerá em Cristo como seu Messias e será salvo;

• Cristo estabelecerá seu Reino Milenar – um Reino que durará aproximadamente mil anos;

• Jesus governará visivelmente sobre todo o mundo, e seu povo redimido reinará juntamente com ele.

• Os redimidos incluem tanto judeus como gentios. Embora em sua maioria os judeus tenham se convertido recentemente, após a conversão dos gentios, eles não formarão um grupo separado, uma vez que haverá apenas um povo de Deus.

• Aqueles que reinarão com Cristo, durante o Milênio, incluem tanto crentes que acabam de ser ressuscitados da morte como crentes que ainda estavam vivos quando da volta de Cristo;

• As nações incrédulas, que ainda estiverem sobre a terra nessa época, serão governadas por Cristo com vara de ferro.

• Não deve-se confundir o Milênio com Estado Eterno, porque o pecado e a morte ainda existirão.

• Entretanto, o mal será amplamente restringido e a justiça prevalecerá na Terra como nunca antes aconteceu.

• Este será um tempo de justiça social, política e econômica, e de grande paz e prosperidade.

• A natureza refletirá as bênçãos desta era uma vez que a terra será extraordinariamente produtiva e o deserto florescerá como a rosa.

• Perto do fim do Milênio, porém, Satanás, que estava preso durante este período, será solto e sairá a enganar as nações mais uma vez.

• Ele congregará as nações rebeldes para a Batalha de Gogue e Magogue, e as levará para atacar o “acampamento dos santos”.

• Descerá fogo do céu sobre as nações rebeldes e Satanás será lançado no Lago de Fogo.

• Com o fim do Milênio, haverá a ressurreição dos incrédulos que morreram.

• Acontecerá o julgamento do Grande Trono Branco, no qual todos os homens, tanto crentes como incrédulos, serão julgados. Aqueles cujos nomes forem encontrados escritos no Livro da Vida ingressarão na vida eterna, enquanto aqueles cujos nomes não forem encontrados naquele livro serão lançados no Lago de Fogo.

• Depois disto, o Estado Eterno é instaurado: os incrédulos passam a eternidade no inferno, enquanto que o povo redimido de Deus vive para sempre na nova terra que foi purgada de todo mal.

 

Principais Argumentos contra o Pré-Milenismo Histórico

• Apocalipse 20 não fornece prova incontestável para um reinado milenar terreno que se seguirá à Segunda Vinda.

• O livro de 1 Coríntios 15.23,24 não fornece evidência clara um Reino milenar terreno.

• O retorno do Cristo glorificado e dos crentes glorificados, para uma terra onde ainda existe pecado e morte, violaria a finalidade da glorificação.

• O reinado milenar terreno não concorda com o ensino escatológico do Novo Testamento, uma vez que não pertence nem a era presente nem a era porvir.

• Os Pré-Milenistas se utilizam apenas da literatura apocalíptica para provar a literalidade do milênio, visto que o Velho Testamento não possui nenhum texto que relata um período literal de mil anos.

 

Conclusão

Este ponto de vista foi abandonado pela maior parte do Cristianismo, que passou a adotar a interpretação Amilenista e mais tarde Pós-Milenista.

Depois do século XIX surgiu a interpretação conhecida como Pré-Milenismo Dispensacionalista, porém difere em várias partes do Pré-Milenismo Histórico.

Alguns proponentes dessa interpretação escatológica: George Ladd, J. Barton Payne, Alexander Reese, Millard Erickson e outros.

 

Fontes de Pesquisas:

Livro ‘A Bíblia e o Futuro’ de Anthony Hoekema

http://br.dir.groups.yahoo.com/group/solascripturatt/message/6453

http://idac.info/pos_melenismo_amilenismo_e_pre_milenismo.html

http://www.revistaimpacto.com.br/divergencias-historicas-sobre-a-escatologia

Autor: ** Geração Maranata ** Se for copiar favor informar a Fonte!

Haverá um Reino Milenar depois que Cristo voltar? – Pós-Milenismo

Filed Under (Milênio) by Geração Maranata on 09-06-2011

Tag: , , ,

This entry is part 1 of 4 in the series Haverá um Reino Milenar depois que Cristo voltar?

por Geração Maranata

O Milênio

“E vi descer do céu um anjo, que tinha a chave do abismo, e uma grande cadeia na sua mão. Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás, e amarrou-o por mil anos.

E lançou-o no abismo, e ali o encerrou, e pôs selo sobre ele, para que não mais engane as nações, até que os mil anos se acabem.

E depois importa que seja solto por um pouco de tempo.

E vi tronos; e assentaram-se sobre eles, e foi-lhes dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados pelo testemunho de Jesus, e pela palavra de Deus, e que não adoraram a besta, nem a sua imagem, e não receberam o sinal em suas testas nem em suas mãos; e viveram, e reinaram com Cristo durante mil anos.

Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram. Esta é a primeira ressurreição.  Bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte; mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele mil anos.

E, acabando-se os mil anos, Satanás será solto da sua prisão, E sairá a enganar as nações que estão sobre os quatro cantos da terra, Gogue e Magogue, cujo número é como a areia do mar, para as ajuntar em batalha. E subiram sobre a largura da terra, e cercaram o arraial dos santos e a cidade amada; e de Deus desceu fogo, do céu, e os devorou.  E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre.” (Apo: 20:1-10)

 

"Ora nos dias desses reis, o Deus do céu suscitará um reino que jamais será destruído e cuja realeza não será deixada a outro povo. Ele pulverizará e aniquilará todos esses reinos, e subsistirá para sempre" (Dn 2:44)

“E o Senhor será rei sobre toda a Terra; naquele dia um será o Senhor e um será o seu nome” (Zc 14:9)

 

 

A palavra millennium vem do latim mille annus que significa mil anos. O termo grego usado na Bíblia é chiliasm (quiliasmo).  

χιλιοι chilioi
plural de afinidade incerta
1) mil

ετος etos
1) ano

No capítulo 20 de Apocalipse encontramos a única menção de um Reino Milenar de Cristo e as divergências giram em torno desses mil anos.

Nem todos os cristãos acreditam que Jesus Cristo voltará literalmente à Terra para estabelecer um Reino de paz e segurança que durará mil anos.

Quatro correntes escatológicas tentam explicar o significado do Milênio:

Nessa primeira série de estudos iremos abordar o ensino do Milênio segundo a visão Pós-Milenista.

O Pós-Milenismo é uma das quatro correntes que tentam responder à pergunta:

“Haverá um Reino Milenar depois que Cristo voltar?”

 

Pós-Milenismo

O Pós-Milenismo defende que o Reino de Cristo está se estabelecendo na Terra desde a ascensão de Jesus e que a era atual é o Milênio (não necessariamente de mil anos), não entendem o Milênio de forma literal, ou seja, período de mil anos, mas vêem o Milênio como um grande período de paz.

Segundo essa visão, a maioria das pessoas se converterá a Cristo o que resultará na cristianização da sociedade mundial.

Os Pós-Milenistas acreditam que o Reino se estenderá gradualmente através da pregação do Evangelho, da conversão final da maioria das pessoas, não necessariamente de todas, e do aumento da justiça, da prosperidade e do progresso em todos os âmbitos da vida, à medida que a maioria crescente de crentes se esforçarem para ganhar o mundo para Cristo.  Todos se converterão inclusive os judeus, antes da volta de Cristo, o que denota um certo Universalismo (*).

(*) O ensinamento Universalismo afirma que todos os homens serão salvos pela misericórdia de Deus.

Cristo governará nos corações dos homens, sendo isso o Reino de Deus. Não será um governo político. Texto base Jo 14:16:

"E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre."

Como o nome indica e segundo essa visão, Cristo voltará a terra "depois dos mil anos".

Depois de o Cristianismo ter dominado o mundo por muito tempo, Cristo voltará.

Como no Amilenismo, haverá uma ressurreição geral, a destruição desta criação atual e a entrada no Estado Eterno.

Os Pós-Milenistas diferem dos Pré-Milenistas e dos Amilenistas porque são otimistas em sua crença de que esta vitória se realizará sem a necessidade de uma volta cataclísmica de Cristo para impor justiça, mas que ela será o resultado da aplicação fiel do processo atual.

 

Histórico

Esta interpretação escatológica foi desenvolvida no século XVIII e ganhou seguidores principalmente entre as igrejas reformadas.

O Pós-Milenismo só se desenvolveu como um sistema distinto da escatologia depois da Reforma.

Antes disso, consistia de vários elementos que depois foram incluídos na mistura teológica do Pós-Milenismo Moderno.

Pode ser dividido em dois tipos:

Pós-Milenismo Antigo – Fazem parte deste grupo os Puritanos e alguns escritores modernos. Esse grupo espera uma grande obra futura de Deus entre os judeus, que levará à conversão de muitos, senão de todos eles. Alguns, dentro da mesma linha, esperam um grande e poderoso reavivamento na igreja no final dos tempos, antes da vinda de Cristo, quando o evangelho uma vez mais frutificará tanto quanto no tempo dos apóstolos ou da grande Reforma Protestante do século XVI.  A Igreja crescerá espantosamente ao ponto da “terra se encher do conhecimento do Senhor como as águas cobrem o mar” (Hc 2:4).

Pós-Milenismo Radical – surgiu mais recentemente, e parte dele é algumas vezes conhecido como "Reconstrucionismo Cristão" ou “Teologia do Domínio”. Este Pós-Milenismo mais radical espera não somente um futuro glorioso para a igreja, mas que tudo da sociedade e da vida humana esteja algum dia debaixo do domínio de cristãos, e que esta sociedade “cristianizada” será o cumprimento das promessas da Escritura com respeito ao Reino de Cristo.

(*) Leia o que é Reconstrucionismo Cristão aqui.

 

O Pós-Milenismo enfatiza o 'Evangelho Social'

Esta forma mais recente de Pós-Milenismo espera que a realização principal de Deus será neste presente mundo, e que a mesma chegará não somente pela pregação do evangelho e o crescimento da igreja, mas pela “ação” e envolvimento cristão nas diferentes áreas da vida.

Muitos que são desta convicção insistiriam que é essencial que os cristãos estejam envolvidos e eventualmente “tomem” as várias áreas da sociedade, reivindicando-as assim para Cristo e, como dizem, “coroem Cristo como rei em toda área”.

A maioria dos Pós-Milenistas são também Preteristas, ou seja, crêem que toda a primeira parte de Mateus 24:1-35, e a maior parte do livro de Apocalipse já se cumpriu. As profecias foram cumpridas na destruição de Jerusalém pelo exército romano em 70 d.C. As profecias com respeito ao Anticristo e a grande tribulação já tiveram o seu cumprimento. A visão que eles têm da igreja e do futuro da sociedade impede uma crença numa tribulação no final dos tempos e numa revelação do Anticristo.

Os Pós-Milenistas quase sempre são chamados de Teonomistas (“Teonomia” significa “lei de Deus”). Eles crêem que a lei de Deus, incluindo as leis civis do Antigo Testamento, será a base para esta futura sociedade cristianizada, este Reino de Cristo aqui sobre a Terra. Não o evangelho, mas a lei será a força principal neste Reino, pois embora nem todos serão convertidos, mas todos se encontrarão debaixo da lei de Deus e sob o “domínio” da lei.

O Pós-Milenismo foi a última grande posição teológica criada acerca do Reino Milenar.

Durante o século XVIII e XIX, o Pós-Milenismo foi a principal concepção acerca do Milênio, quando as missões estavam em franca expansão. Homens como Jonathan Edwards, Charles Hodge e Loraine Boetner foram defensores do Pós-Milenismo. Muitos missionários foram influenciados por esta interpretação, bem como muitos hinos foram escritos inspirados por esta visão.

Até a década de 1960 o Pós-Milenismo foi praticamente extinto.

Porém, nos últimos 25 anos houve um ressurgimento do Pós-Milenismo em algumas áreas conservadoras através do movimento chamado "Reconstrucionismo Cristão".

Essa linha escatológica tem alcançado mais adeptos nos círculos contemporâneos, apesar de que as duas grandes guerras mundiais quase destruíram esse ponto de vista escatológico pela afirmação de que estamos vivenciando o Milênio.

 

Similaridades do Pós-Milenismo com as outras correntes escatológicas:

Amilenismo – Não vê um Reino futuro de Israel. Diferença: crê que a Igreja chegará a dominar o mundo e o poder da Igreja será o governo. Depois Jesus voltará a Terra para julgar os vivos e mortos, e então virá o Estado Eterno.

Pré-Milenismo – Crê em um período de glórias terrenas para a Igreja, como um novo Israel. Diferença: esse período será depois da Segunda Vinda de Cristo, e não antes, como no Pós-Milenista.

 

Principais Defensores:

Loraine Boettner (principal proponente)

Agostinho

A. Hodge

Charles Hodge

A. H. Strong

B.B. Warfield

Joaquim de Fiore

Daniel Whitby

James Snowden

Cronologia escatológica:

  • Cristo vem após o milênio.
  • O milênio consiste em o mundo atual tornando-se gradualmente milenário pela ação da Igreja.
  • O bem e o mal continuam juntos, crescendo lado a lado, como na parábola do joio e do trigo (Mateus 13.24-30).
  • O crescimento do evangelho transformará o mundo, derrotará o mal, fará o bem reinar e inaugurará o Milênio.
  • Com um conhecimento maior de Deus, os homens viverão como Adão deveria ter vivido.
  • No fim deste período edênico (um novo Éden), os crentes se tornarão frouxos e Satanás sairá para enganá-los.
  • No fim do reino milenário de justiça, Cristo voltará, impedindo novo desastre, como o acontecido no Éden.
  • Ele vencerá Satanás.
  • Ele ressuscitará todos os mortos.
  • Ele realizará o juízo final.
  • Os perdidos serão enviados à condenação.
  • Os salvos entrarão no céu.

 

Fontes pesquisadas:

Livro: Profecias de A a Z (Thomas Ice & Timothy Demy)

www.monergismo.com

www.wikipedia.org

www.pulpitocristao.com

www.reconstrucionismo.blogspot.com

Autor: **Geração Maranata** Se for copiar cite a Fonte!

As alianças Bíblicas e a Escatologia – Aliança Davídica

Filed Under (Alianças Bíblicas) by Geração Maranata on 24-05-2011

Tag: ,

This entry is part 3 of 5 in the series As alianças Bíblicas e a Escatologia

por Geração Maranata

Aliança Davídica

A Aliança Davídica é uma aliança de Deus feita com o rei Davi. É a última aliança no Antigo Testamento e extensão da Aliança Abraâmica.

A promessa feita constitui-se em Reino Eterno, Casa ou Dinastia Eterna, Descendência Eterna e Trono Eterno.

Quando se fala em reinado aponta-se para Jesus, pois Cristo é o cumprimento final das duas Alianças: Abraâmica e Davídica.

“Eu sou a raiz e a geração de Davi, a resplandecente estrela da manhã” (Apo. 22:16).

Davi foi “um homem segundo o coração de Deus” (1 Samuel 13:14), Deus se agradou de Davi de tal maneira que lhe fez uma promessa que nunca tinha feito a nenhum homem: Teu trono (Davi) será firme para sempre” (2 Samuel 7:16), ou seja a Casa de Davi existirá para sempre, jamais terminará.

Várias vezes nos livros de Salmos, Amós, Isaías, Miquéias, Jeremias e Zacarias, e em um período de 500 anos Deus sempre lembrou a promessa: “Seu trono (Davi) não terá fim”.

 

A promessa feita por Deus a Davi é apresentada em 2 Samuel 7:12-16:

“Quando teus dias se cumprirem e descansares com teus pais, então, farei levantar depois de ti o teu descendente, que procederá de ti, e estabelece¬rei o seu Reino. Este edificará uma casa ao meu nome, e eu estabelecerei para sempre o Trono do seu Reino. Eu lhe serei por pai, e ele me será por filho; se vier a transgredir, castigá-lo-ei com varas de homens e com açoi¬tes de filhos de homens. Mas a minha misericórdia se não apartará dele, como a retirei de Saul, a quem tirei de diante de ti. Porém a tua casa e o teu Reino serão firmados para sempre diante de ti; teu Trono será estabele¬cido para sempre.”

 

E também:

“Fiz Aliança com o meu escolhido e jurei a Davi, meu servo: Para sempre estabelecerei a tua posteridade e firmarei o teu Trono de geração em gera¬ção” (Sl 89.3,4).

“Como não se pode contar o exército dos céus, nem medir-se a areia do mar, assim tornarei incontável a descendência de Davi, meu servo, e os levitas que ministram diante de mim… Assim diz o SENHOR: Se a minha Aliança com o dia e com a noite não permanecer, e eu não mantiver as leis fixas dos céus e da terra, também rejeitarei a descendência de Jacó e de Davi, meu servo…” (Jr 33.22,25,26).

A Aliança Davídica é uma Aliança Incondicional feita entre Deus e o rei Davi (2 Samuel 7:4-17; 1 Crônicas 17:10-15).

Esta Aliança am­plia a Aliança Abraâmica (com relação à semente) e se concentra em um descendente da tribo de Judá: o rei Davi.

Cristo é o cumprimento fi­nal desta Aliança.

A Aliança Davídica é impor­tante para a profecia bíblica porque ainda não foi totalmente cumprida, o que só acontecerá no Reino Milenar de Cristo.

 

Características da Aliança

As características essenciais dessa Aliança, no campo escatológico, ficam clara em três palavras encontradas em 2 Samuel 7.16:

Casa – Faz referência aos descen­dentes físicos de Davi. A promessa é que não serão substituídos com­pletamente por outra família. A linhagem de Davi será sempre a família real.

Reino – Refere-se ao Reino político de Davi sobre Israel. ‘Reinar para sempre’ significa que a autoridade e o governo de Davi sobre Israel jamais serão tomados ou transferidos a outra família, e durará eternamente.

Trono – Não se trata de Trono material, mas a dignidade e o poder que eram soberanos e supremos em Davi como Rei. O direito de reinar sempre pertenceu à descendência de Davi.

 

Caráter Incondicional da Aliança

O elemento Condicional na Aliança era se os descendentes de Davi ocupariam continuamente o Trono ou não.

A desobediência trouxe castigo, mas jamais anularia a Aliança.

Se a descendência de Davi tivesse obedecido, o Trono de Davi jamais teria vagado até a vinda do Descendente por excelência (Jesus); no entanto, por terem sido desobedientes, o Trono foi derrubado, e permanecerá “um tabernáculo caído”, “uma casa desolada”, até ser reconstruída e restaurada pelo Descendente Excelente (Jesus).

No salmo 89 Davi previu que seu Reino seria derrubado:

“Mas tu rejeitaste e aborreceste; tu te indignaste contra o teu ungido. Abominaste a Aliança do teu servo; profanaste a sua coroa, lançando-a por terra. Derrubaste todos os seus muros; arruinaste as suas fortificações. Todos os que passam pelo caminho o despojam; é um opróbrio para os seus vizinhos. Exaltaste a destra dos seus adversários; fizeste com que todos os seus inimigos se regozijassem. Também embotaste o fio da sua espada, e não o sustentaste na peleja. Fizeste cessar a sua glória, e deitaste por terra o seu trono. Abreviaste os dias da sua mocidade; cobriste-o de vergonha. (v. 38-45)

Essa previsão foi feita antes da realização do que lhe tinha sido prometido:

“Achei a Davi, meu servo; com santo óleo o ungi. Com o qual a minha mão ficará firme, e o meu braço o fortalecerá.  O inimigo não o importunará, nem o filho da perversidade o afligirá. E eu derrubarei os seus inimigos perante a sua face, e ferirei aos que o odeiam. E a minha fidelidade e a minha benignidade estarão com ele; e em meu nome será exaltado o seu poder. Porei também a sua mão no mar, e a sua direita nos rios.

Ele me chamará, dizendo: Tu és meu pai, meu Deus, e a rocha da minha salvação.  Também o farei meu primogênito mais elevado do que os reis da terra.  A minha benignidade lhe conservarei eu para sempre, e a minha aliança lhe será firme, e conservarei para sempre a sua semente, e o seu trono como os dias do céu.” (v. 20-29).

Davi também previu que, por fim, a promessa seria cumprida (em Cristo) e louvou o Senhor pela sua fidelidade:

“Até quando, SENHOR? Acaso te esconderás para sempre? Arderá a tua ira como fogo?  Lembra-te de quão breves são os meus dias; por que criarias debalde todos os filhos dos homens? Que homem há, que viva, e não veja a morte? Livrará ele a sua alma do poder da sepultura? Senhor, onde estão as tuas antigas benignidades que juraste a Davi pela tua verdade?  Lembra-te, Senhor, do opróbrio dos teus servos; como eu trago no meu peito o opróbrio de todos os povos poderosos, com o qual, SENHOR, os teus inimigos têm difamado, com o qual têm difamado as pisadas do teu ungido. Bendito seja o SENHOR para sempre. Amém, e Amém.” (v. 46-52)

Várias razões apóiam a posição de que a Aliança Davídica é Incondicional.

1) Primeiro, como as outras Alianças de Israel, ela é chamada Eterna em 2 Samuel 7:13,16; 23:5; Isaías 55:3 e Ezequiel 37:25. A única maneira pela qual ela pode ser eterna é se for Incondicional e baseada na fidelidade de Deus para sua execução.

2) A Aliança Davídica também am­pliou as promessas da “Descendência” da Aliança Abraâmica, que é Incondicional, compartilhando assim o caráter da Aliança original (Abrâamica).

3) A Aliança Davídica foi reafirmada por Deus, mesmo após repetidos atos de desobediência por parte da nação. Cristo, o Filho de Davi, veio oferecer o Reino de Davi após gerações de apostasia. Essas reafirmações não se fariam nem poderiam ser feitas se a Aliança fosse Condicional.

 

A Aliança Davídica não é Alegórica

1)     Há várias razões para crer­mos que o ‘Trono’ e o ‘Reino’ de Davi devem ser entendi­dos literalmente, entre elas podemos citar:

  • Eles foram prometidos solenemente, confirmados por juramento e logo não podem ser alterados nem quebrados;
  • Se as previsões de Davi estiverem erradas, então também ele não era profeta;
  • Salomão estava convicto de que a Aliança se referia a um Trono e Reino literais. (2Cr 6:14-16);
  • Salomão afir­mou que a Aliança foi cumprida nele, pois ele era filho de Davi e se assentou no Trono de Davi, assim Jesus, Filho de Davi, fará no Reino Milenal;
  • A linguagem usada, quando se fala em Trono e Reino de Davi, é literal, como se vê em Jeremias 17:25 e 22:4;
  • O Trono e o Reino são: promessa e herança, e o descendente e herdeiro é Jesus Cristo;
  • Ao negar que a Aliança Davídica é lieral, tira-se do herdeiro Jesus a herança a Ele prometida;
  • Não há como interpretar que o Trono de Davi é o Trono do Pai no céu;
  • Se o Trono de Davi é o Trono do Pai no céu, então ele sempre existiu;
  • Se as Alianças forem “simbólicas” ou “típicas”, então a credibilidade e o significado delas seriam deixadas à livre interpretação de homens, e o próprio Davi se tornaria “símbolo” ou “tipo”;
  • Deus é fiel em Suas promessas e não enganaria ninguém usuando figuras de linguagem em Suas Alianças;
  • O Trono e o Reino que foram derrubados serão restaurados futuramente;

 

2)     Davi entendia que a Aliança era literal e se cumpriria literalmente:

No Salmo 72, Davi descreve um reinado de um Filho superior a Salomão.

No Salmo 132, Deus promete a Davi que um dos seus descendentes se assentaria no seu ‘Trono’, essa mesma frase, Pedro, em Atos 2.30,31, atribuiu a Jesus:

“Sendo, pois, ele profeta, e sabendo que Deus lhe havia prometido com juramento que do fruto de seus lombos, segundo a carne, levantaria o Cristo, para o assentar sobre o seu trono, nesta previsão, disse da ressurreição de Cristo, que a sua alma não foi deixada no inferno, nem a sua carne viu a corrupção.”

Em 2 Samuel 23:5, Davi em seu leito de morte disse: “Pois estabeleceu comigo uma Aliança eterna, em tudo bem definida e segura. Não me fará ele prosperar toda a minha salvação e toda a minha esperança?”

Isaías 55:3 Deus confirmou o que Davi disse, chamando a Aliança de “perpétua”, que consiste nas fiéis misericórdias prometidas a Davi: “Inclinai os vossos ouvidos, e vinde a mim; ouvi, e a vossa alma viverá; porque convosco farei uma aliança perpétua, dando-vos as firmes beneficências de Davi”

 

3)     A nação de Israel cria em uma interpretação literal da Aliança Davídica:

O conceito que os judeus tinham do Reino, naquela época, era resumido sob cinco características: terreno, nacional, messiânico, moral e futuro.

  • Terreno – Quando Israel se viu subjugado por um governo estrangeiro, a esperança de um Reino terreno se intensificou ainda mais, porque esse Reino seria estabelecido na terra e traria libertação ao povo de Israel.
  • Nacional – O Reino esperado tinha relação específi­ca com Israel, sendo prometido apenas para aquela nação.
  • Moral – Israel seria purificado como nação.
  • Messiânico e Futuro – Como o Reino ainda não existia, os judeus entenderam que viria na época da primeira vinda de Cristo. A crença de Israel a respeito desse Reino eram esperanças ainda não realizadas.

 

4)     O Novo Testamento revela uma interpretação literal da Aliança:

  • No Novo Testamento há 59 referências a Davi. Em nenhuma dessas referências há ligação da atual atividade de Cristo com o Trono de Davi. Não é apresentado nenhum ensinamento de que o Trono do Pai no céu deva ser identificado com o Trono de Davi.  Cristo está sentado no Trono do Pai, mas isso não é a mesmo que estar sentado no Trono de Davi.
  • Em todas as pregações a respeito do Reino fei­tas pelo apóstolo João (Mt 3.2), por Cristo (Mt 4.17), pelos doze apóstolos (Mt 10.5-7), pelos setenta (Lc 10.1-12), em nenhuma delas o Reino oferecido a Israel é al­guma coisa além de um Reino literal terreno.
  • Mesmo após a rejeição des­sa oferta por Israel e o anúncio do mistério do Reino (Mt 13), Cristo prevê tal Reino literal terreno (Mt 25.1-13,31-46). O Novo Testamento nunca relaciona o Reino prometido a Davi à passagem terrena de Cristo.
  • O anjo, que anunciou o que lhe havia sido entregue por Deus, disse a Maria:
  • “Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem chamarás pelo nome de Jesus. Este será grande e será chamado Filho do Altíssimo; Deus, o Senhor, lhe dará o Trono de Davi, seu pai; ele reinará para sempre sobre a Casa de Jacó, e o seu Reinado não terá fim” (Lc 1.31-33; grifo do autor).

A mensagem do anjo centralizava-se em três palavras-chave da Aliança original de Davi: o Trono, a Casa e o Reino.

 

A Aliança não foi cumprida ao longo da história

A teoria amilenista sustenta que a Aliança Davídica foi cumprida historicamente. O argumento usado foi o cumprimento no império de Salomão. O reinado de Salomão e a terra do Reino, cumpriram a Aliança de tal modo que nenhum cumprimento futuro deve ser esperado (I Reis 4.21):

“E dominava Salomão sobre todos os reinos desde o rio até à terra dos filisteus, e até ao termo do Egito; os quais traziam presentes, e serviram a Salomão todos os dias da sua vida.”

Refutando:

Tomando esse texto como base, entende-se que a Aliança foi cumprida literalmente. Então os Amilenistas acabam entrando em contradição quando dizem que a Aliança tem seu cumprimento espiritual pela Igreja.

Porém, a Aliança não foi cumprida por Salomão:

  • A terra não foi possuída permanentemente como foi prometido a Abraão.
  • “Desde o rio do Egito” (Gn 15.18) e “até à fronteira do Egito” (1 Rs 4.21) não são equivalentes geograficamente.
  • Salomão não ocupou toda essa terra; simplesmente coletou tributos, como superioridade temporária e não eterna.
  • Depois de Salomão, Deus ainda continuou prometendo a posse da terra o que demonstra que Salomão não cumpriu a Aliança de Abraão.

Visto que essa Aliança não foi cumprida literalmente na história de Israel, deve haver cumprimento futuro literal da Aliança em virtude do seu caráter Incondicional.

 

Implicações Escatológicas

A Aliança Davídica é de suma importância para o entendimento dos acontecimentos futuros.

Entendendo que o cumprimento literal da Aliança Davídica se dará ainda no futuro, a nação de Israel passa a ter um importante papel escatológico:

  • Israel deve ser preservado como nação – O Trono e o Reino prometidos em Aliança a Davi estão ligados à nação judaica e por isso requer a preservação da nação. Isso foi realizado, visto que Israel voltou a ser uma nação desde 1948. Mesmo com vários países que não aceitam o Estado de Israel e que inclusive odeiam ao ponto de querer sua destruição, Israel permanece de pé e isso não é por acaso, pois sem nação não há como restaurar o Reino de Davi.
  • Jesus, ‘Filho de Davi’ deve voltar à terra, de forma corporal e literal, para reinar sobre o Reino prometido de Davi. A alegação de que Cristo está assentado no Trono do Pai reinando sobre um Reino espiritu­al, a Igreja, não cumpre as promessas da Aliança.
  • Um Reino terreno literal será constituído e Jesus reinará sobre ele.
  • Esse Reino será eterno, pois o “Trono”, “Casa”, e “Reino” foram prometidos a Davi para toda a eternidade, não haverá fim do Reino do Messias sobre o Reino de Davi a partir do Trono de Davi.

 

Como a Casa de Davi seria novamente estabelecida?

500 anos se passaram desde que Deus havia feito a promessa a Davi.  O profeta Amós disse que a Casa de Davi estava caída, mas seria levantada novamente:

“Naquele dia tornarei a levantar o tabernáculo caído de Davi, e repararei as suas brechas, e tornarei a levantar as suas ruínas, e o edificarei como nos dias da antiguidade; Para que possuam o restante de Edom, e todos os gentios que são chamados pelo meu nome, diz o SENHOR, que faz essas coisas.” (Am 9:11-12)

Na época de Amós a monarquia Davídica era vil e desonrada.  Porém a Casa de Davi seria levantada, não por Davi, mas por seu Descendente por Excelência (Jesus):

“Um menino nos nasceu, e o principado esta sobre os seus ombros….deste principado jamais terá fim sobre o trono de Davi” (Isaías 9:6,7)

“ E tu Belém Efrata (cidade de Davi) de ti sairá o que será o Senhor a Israel ” (Miquéias 5:2,4).  Que descendente de Davi nasceu em Belém ?

“Naquele dia a casa de Davi será como DEUS” (Zacarias 12:8).

Somente um herdeiro de Davi que nasceria de uma virgem, seria humano, mas seria também “Emanuel” (Deus conosco), o poderoso de Deus, o Pai eterno, o Príncipe da Paz. (Isaías 7:13,14; 9:6,7; 11:1; Jeremias 23:5; Ezequiel 34:23;37:24; Oséias 3:4,5).

Na plenitude dos tempos, o anjo Gabriel foi enviado a Maria, em Nazaré, que era da Casa de Davi:

“Maria …eis que conceberás e darás a luz um filho, e por-lhe-ás o nome de JESUS, este será grande, e será chamado filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o TRONO DE DAVI seu pai, e REINARÁ ETERNAMENTE…E O SEU REINO NÃO TERÁ FIM” (Lucas 1:30-33)

A profecia de Amós se cumpriu (em parte) por Jesus, Ele já levantou a Casa de Davi, pois assumiu o título de Rei, os gentios já têm buscado ao Senhor, porém com a Volta do Senhor Jesus, esta profecia se cumprirá totalmente, com o Reino Milenar.

 

CONCLUSÃO

A Casa de Davi já está levantada e isto foi realizado por Jesus Cristo seu herdeiro legal.

A Casa de Davi não é a Igreja, apesar desta estar ligada diretamente a Cristo, por isso há quem sustenta que fazemos parte da casa de Davi, ou seja, da linhagem real, uma vez que somos herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo, e Ele nos comprou com seu sangue e nos constituiu como rei e sacerdotes e portanto, a Igreja passaria ser a ‘Casa de Davi Espiritual".

Porém este pensamento abriria muitos precedentes e confusão, e um caminho da dedução é perigoso, pois como a casa de Davi é Deus "Naquele dia o SENHOR protegerá os habitantes de Jerusalém; e o mais fraco dentre eles naquele dia será como Davi, e a casa de Davi será como Deus, como o anjo do SENHOR diante deles." (Zac. 12:8), ou seja o próprio Senhor Jesus, nós já nos desqualificamos neste ponto, pois somos criaturas, servos, filhos, obra das mãos de Deus.

 

Notas de Pesquisas:

www.wikipedia.org

Manual de Escatologia – Dwight Pentecost

www.ebdweb.com.br/2008/02/18/a-casa-de-davi

www.cacp.org.br

Ninguém sabe o dia ou a hora

Filed Under (Arrebatamento) by Geração Maranata on 18-05-2011

Tag: ,

Adaptado de Jack Kelley

As pessoas costumam usar duas frases para desencorajar a especulação sobre quando o Arrebatamento deverá ocorrer:

"Como um ladrão à noite" e "Ninguém sabe o dia ou a hora".

O dia ou a hora do Arrebatamento não podem ser conhecidos antecipadamente por qualquer pessoa sobre a Terra, pois pode ser que não estejam estabelecidos para ocorrer em um dia específico ou uma hora específica.

É muito provável que ele esteja estabelecido para ocorrer quando um número específico de crentes nascidos de novo seja alcançado, suposição baseada em Romanos 11:25:

"Porque não quero, irmãos, que ignoreis este segredo (para que não presumais de vós mesmos): que o endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado."

Existem duas palavras Gregas neste verso que dão suporte crítico a um entendimento apropriado.

A primeira é traduzida como "plenitude". Este é um termo náutico que descreve o número predeterminado de marinheiros necessário para operar um navio. Até que um navio tivesse o número total de membros da tripulação, ele não poderia navegar. É por isso que os capitães de navios às vezes embebedavam homens insuspeitos e os raptavam tarde da noite, e então zarpavam imediatamente.

E a segunda, traduzida como "entrar" é também um termo náutico que descreve a chegada de um navio ao seu destino.

Ao usar esses termos, Paulo estava dizendo que o endurecimento do coração de Israel não será totalmente removido até que a Igreja atinja seu número predeterminado e tenha sido levada para o céu.

Não há nada de arbitrário sobre a atitude de Deus aqui. Ele já predeterminou o número e irá levar a Igreja ao seu destino assim que o número seja alcançado.

Ninguém sobre a terra sabe qual é o número total ou a contagem atual. Tudo o que podemos saber é que seremos Arrebatados quando o número total de Gentios tiver entrado e isso pode literalmente acontecer em qualquer dia. Então desapareceremos, as viseiras sairão de Israel e a 70ª semana começará.

Agora, de volta ao tópico. O que essas duas frases significam?  Será que sua intenção é desencorajar a especulação sobre a cronologia do Arrebatamento?

Como Um Ladrão

Retiradas as duplicidades, essa frase aparece 4 vezes no Novo Testamento. Estudemos cada uma delas e vejamos o que estão nos dizendo.

"Mas, irmãos, acerca dos tempos e das estações, não necessitais de que se vos escreva; porque vós mesmos sabeis muito bem que o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão. Mas vós, irmãos, já não estais em trevas, para que aquele dia vos surpreenda como um ladrão." (1 Tes. 5:1-4)

Esta é a única vez que Paulo usa a frase. Está claro que ele falava do Dia do Senhor, e que conquanto ele venha de surpresa para o descrentes, os eventos que levarão até ele não devem nos surpreender. Ele não faz menção do Arrebatamento aqui.

"Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão." (2 Pedro 3:10)

Esta é a única vez que Pedro usa a frase, e novamente a referência são os Juízos dos Tempos do Fim, não o Arrebatamento.

"Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, e guarda-o, e arrepende-te. E, se não vigiares, virei sobre ti como um ladrão, e não saberás a que hora sobre ti virei." (Apo. 3:3)

"Eis que venho como ladrão. Bem-aventurado aquele que vigia, e guarda as suas roupas, para que não ande nú, e não se vejam as suas vergonhas." (Apo. 16:15)

João utilizou a frase duas vezes, ambas citando o Senhor. Em Apo. 3:3 Ele criticava a Igreja de Sardes. Ele lhes lembrava que haviam se desviado de Sua palavra e deveriam acordar e voltar para ela. De outra forma não saberão quando Ele virá para eles. Note o palavreado. No arrebatamento Ele vem por nós, não para nós, e nós O encontraremos no ar. No verso 4 vemos que nem todos em Sardes estão dormindo. Existem uns poucos entre eles que estarão prontos para o Arrebatamento e andarão com Ele em mantos brancos.

Em Apo. 16:15 o mundo está bem dentro da Grande Tribulação, então a advertência do Senhor é para os crentes da Tribulação que serão responsáveis por manterem-se salvos durante o mais aterrorizante e perigoso tempo que o mundo já conheceu. Quando utilizadas simbolicamente, como aqui, vestimentas sempre representam justiça, e os crentes da tribulação serão responsáveis por manter a sua.

"Eis que venho como ladrão. Bem-aventurado aquele que vigia, e guarda as suas roupas, para que não ande nu, e não se vejam as suas vergonhas." (Apo. 16:15)

 

O Dia e a Hora

Agora veremos a outra frase popular, "Ninguém sabe o dia ou a hora".

"Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai. E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem." (Mat. 24:36-37)

Depois da Grande Tribulação haverá vários sinais nos céus. O sol e a lua ficarão escuros e as estrelas cairão do céu:

"E, logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas." (Mat. 24:29)

Então o sinal do Filho do Homem aparecerá e todas as nações lamentarão. Depois disso eles O verão vindo nas nuvens com poder e grande glória, tendo arrebanhado Seus eleitos de todo o Céu para se juntarem a Ele:

"Então aparecerá no céu o sinal do Filho do homem; e todas as tribos da terra se lamentarão, e verão o Filho do homem, vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória. E ele enviará os seus anjos com rijo clamor de trombeta, os quais ajuntarão os seus escolhidos desde os quatro ventos, de uma à outra extremidade dos céus." (Mat. 24:30-31).

Isto é confirmado em Apo. 19:11-14.

"E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga e peleja com justiça. E os seus olhos eram como chama de fogo; e sobre a sua cabeça havia muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo. E estava vestido de uma veste salpicada de sangue; e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus. E seguiam-no os exércitos no céu em cavalos brancos, e vestidos de linho fino, branco e puro."

Tanto do contexto quanto da própria passagem fica claro que o Senhor estava se referindo ao dia e a hora da 2ª Vinda, quando Ele estará vindo conosco, não por nós.

"Vigiai, pois, porque não sabeis a que hora há de vir o vosso Senhor. Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa. Por isso, estai vós apercebidos também; porque o Filho do homem há de vir à hora em que não penseis." (Mat. 24:42-44)

Poucos versos depois, o Senhor repetiu o mesmo pensamento, novamente no contexto da 2ª Vinda.

"Virá o senhor daquele servo num dia em que o não espera, e à hora em que ele não sabe, e separá-lo-á, e destinará a sua parte com os hipócritas; ali haverá pranto e ranger de dentes." (Mat. 24:50-51)

E ainda poucos versos depois. Não há como isto possa se referir ao Arrebatamento porque as coisas que Ele descreveu não serão feitas aos descrentes no Arrebatamento. Ele está falando dos juízos que sucedem a 2ª Vinda.

"Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir." (Mat. 25:13)

Pela quarta vez, em 28 versos, o Senhor disse que os crentes que estiverem na Terra no tempo da 2ª Vinda, não saberão o dia ou a hora do Seu retorno. Esta em conformidade com o contexto da parábola das 10 Virgens.

"Então o reino dos céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro do esposo. E cinco delas eram prudentes, e cinco loucas. As loucas, tomando as suas lâmpadas, não levaram azeite consigo. Mas as prudentes levaram azeite em suas vasilhas, com as suas lâmpadas. E, tardando o esposo, tosquenejaram todas, e adormeceram. Mas à meia-noite ouviu-se um clamor: Aí vem o esposo, saí-lhe ao encontro. Então todas aquelas virgens se levantaram, e prepararam as suas lâmpadas. E as loucas disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas se apagam. Mas as prudentes responderam, dizendo: Não seja caso que nos falte a nós e a vós, ide antes aos que o vendem, e comprai-o para vós. E, tendo elas ido comprá-lo, chegou o esposo, e as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas, e fechou-se a porta. E depois chegaram também as outras virgens, dizendo: Senhor, Senhor, abre-nos. E ele, respondendo, disse: Em verdade vos digo que vos não conheço. Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir." (Mt 25:1-13)

Esta parábola não se refere à Igreja.  A Igreja é a Noiva, não uma dama de companhia (virgem), só há uma noiva e não 10, e o banquete vem depois das núpcias e não antes.

Não há como uma noiva recém casada ser excluída de seu próprio banquete de núpcias por um esposo que diz não conhecê-la. A parábola é a respeito dos sobreviventes da tribulação, 5 dos quais são salvos e entram no Reino e 5 que não são e não entram.

Qual É O Ponto?

"Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda." (2 Tim. 4:8)

Por mais que se procure nas Escrituras, não encontraremos uma das frases ("Como um ladrão à noite" e "Ninguém sabe o dia ou a hora") relacionada com o Arrebatamento.

Também não encontraremos nenhum verso proibindo ou mesmo desencorajando a especulação sobre a cronologia.

Ao contrário, o Senhor repreendeu os líderes religiosos do Seu tempo por não esperá-Lo, e ao fazê-lo nos encorajou a ficarmos alertas também. Ele criticou os Fariseus por não serem capazes de ler os sinais dos tempos:

"E, chegando-se os fariseus e os saduceus, para o tentarem, pediram-lhe que lhes mostrasse algum sinal do céu. Mas ele, respondendo, disse-lhes: Quando é chegada a tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o céu está rubro. E, pela manhã: Hoje haverá tempestade, porque o céu está de um vermelho sombrio. Hipócritas, sabeis discernir a face do céu, e não conheceis os sinais dos tempos? Uma geração má e adúltera pede um sinal, e nenhum sinal lhe será dado, senão o sinal do profeta Jonas. E, deixando-os, retirou-se." (Mat 16:1-3)

Por Exemplo, nos mandou entender a profecia das 70 Semanas de Daniel:

"Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo; quem lê, atenda." (Mat. 24:15)

Paulo nos advertiu a não deixarmos os eventos que levem ao Dia do Senhor nos pegarem de surpresa:

"Mas vós, irmãos, já não estais em trevas, para que aquele dia vos surpreenda como um ladrão." (1 Tes. 5:4)

Como vemos acima, o Senhor prometeu que dará uma coroa àqueles que amarem a Sua vinda. Quantas razões mais precisamos?

Então, de onde veio essa idéia?

Parece que parte dela pode ser atribuída aos teólogos que mal-interpretaram as parábolas da 2ª Vinda em Mat. 24 e 25. Aparentemente eles não perceberam que quando o Senhor forjou a frase "Ninguém sabe o dia ou a hora" Ele falava sobre a Sua 2ª Vinda, não o Arrebatamento. Então é o desobediente que é pego de surpresa nessas parábolas, não o fiel.

Parte dela é também devida ao fato de que por gerações os lideres de igrejas desencorajaram ativamente o estudo da profecia por medo de que focalizar na volta do Senhor deixaria os membros menos entusiasmados a respeito de financiar seus prédios e outros programas terrenos. Eles desenvolveram interpretações que alegorizam tudo, fazendo parecer um conto de fadas em que ninguém realmente acredita. Esses são os escarnecedores de que Pedro nos advertiu, que dizem, "Onde está a promessa da sua vinda?" (2 Pedro 3:4)

Mas ainda tem mais. Mesmo entre os crentes pré-tribulacionistas, existe um medo do arrebatamento por causa de falsas doutrinas a que foram expostos.

A Hipótese do "arrebatamento parcial" sustenta que somente os verdadeiramente merecedores serão levados, enquanto o resto da Igreja será deixada para trás para purificar seus atos durante parte ou todos os juízos dos Tempos do Fim.

Outros dizem que crentes que não são também "vitoriosos" serão lançados nas Trevas Exteriores no arrebatamento e excluídos do Milênio. Essas opiniões corroem nossa segurança ao concluir que não saberemos se somos bons o bastante até ser tarde demais, e nos deixam temerosos de que não nos qualificaremos.

Existem também os "Cristãos Seculares" que não querem que a sua 'boa vida' termine antes de terem a chance de experimentá-la por inteiro. Sim, eles querem que o Senhor venha, só não ainda, não agora.

E finalmente há aqueles que sabem que se o Senhor viesse hoje, membros de sua família e círculo de amigos seriam deixados para trás. Eles não querem que o Senhor venha até que saibam que todos os que amam serão levados também.

Por todas essas razões e mais, ser confrontado com a idéia de que o Arrebatamento poderia estar muito próximo não é uma coisa reconfortante para muitos dos crentes.

Sugerir cronologias faz tudo parecer muito real, então eles não gostam disso. Quando dizem, "Ninguém sabe o dia ou a hora", querem dizer, "Não quero ouvir sobre isso".

Fique Quieto. Você Vai Assustá-los

Pessoas bem intencionadas incorretamente dizem que falar sobre os Tempos do Fim confunde os crentes, então não deveríamos fazê-lo. E se ficarmos todos alvoroçados e não acontecer? Eles perguntam.

Não é segredo que a igreja é povoada por várias pessoas que têm zelo sem conhecimento e que são facilmente iludidas por qualquer coisa que prometa tornar sua vida mais fácil (como o evangelho da prosperidade) ou os ajude a escapar de vez (arrebatamento-mania).

Em 1988 um livro intitulado '88 Razões Para o Arrebatamento Ocorrer' disparou um arrebatamento-mania. Agora um grupo de pessoas acreditam que o arrebatamento será no mês de maio-2011. E várias outras surgirão, porém com algumas horas de estudo essas previsões provam ser falsas teorias.

Paulo chamou os Bereanos de nobres porque eles vasculhavam as Escrituras diariamente para verificar o que ele pregava (Atos 17:11).

E esta é a resposta Bíblica correta a essas alegações. Não é tirar versos fora do contexto para silenciá-los. Isso só introduz outro falso ensinamento. E pior, encoraja a Igreja a voltar a dormir.

Quando ouvimos alguém sugerir ou mesmo insistir sobre este momento ou aquele outro, nossa resposta não deveria ser condenar a pessoa automaticamente por "estabelecer datas". Deveria ser "examinar cada dia nas Escrituras se estas coisas são assim" antes de tomar uma decisão a respeito.

É mais preferível ver a Igreja engajada em uma vívida discussão sobre a proximidade dos eventos dos tempos do fim do que nos ver atirar o velho "Ninguém sabe o dia ou a hora" enquanto enfiamos nossas cabeças de volta na areia.

Que assunto é um tópico mais importante para discussão hoje em dia? Além disso, as pessoas não caem quando as datas vêm e vão porque, se estão salvas, não podem cair. Se elas caírem, não estavam salvas para começar.

O Senhor não perde oportunidades para salvar as pessoas por causa dos erros que o homem comete. Ele conhecia aqueles que são Seus antes de estabelecer os fundamentos da Terra, e prometeu não perder um de nós sequer.

Por favor Igreja. Vamos voltar ao nosso trabalho. A Bíblia nos adverte que haverá falsos mestres e diz que eles serão responsabilizados. Mas ela também nos admoesta a fazer o nosso dever de casa para que conheçamos um(falso mestre) quando o virmos.

Fonte: www.olharprofetico.com (extraído: www.gracethrufaith.com)

 

 

Ponto de Vista Amilenista

Filed Under (Milênio) by Geração Maranata on 08-05-2011

Tag: , , ,

post atualizado em 08/05/2011

Amilenismo – crença de que não haverá um Reino literal de Cristo por 1000 anos.

O autor do artigo a seguir, apresenta uma defesa à Teoria Amilenista.

Reafirmamos que posicionamentos escatológicos não devem ser motivos para divisão, são apenas visões diferentes da profecia bíblica.  Nunca devemos esquecer que adoramos ao mesmo Deus e temos a mesma bendita esperança (Tito 2:13).

Com base nesse conceito, procuramos publicar artigos com todas as teorias escatológicas, ora defendendo, ora refutando.

O estudante de escatologia poderá ler e confrontar todas essas correntes escatológicas.

 

Amilenismo

por Rev. Ronald Hanko

A palavra Amilenismo significa literalmente “nenhum milênio”. Estritamente falando, não é o caso do amilenismo não ensinar  nenhum milênio de forma alguma. A verdade é que o amilenismo não crê num milênio literal e futuro.

O Amilenismo ensina que o milênio de Apocalipse 20 é  toda a era do Novo Testamento, desde a primeira vinda de Cristo até o fim do mundo. Portanto, os mil anos de Apocalipse 20 devem ser entendidos simbolicamente, e não literalmente.

Este ensino é baseado, primeiro, no fato que os números na Escritura, incluindo o número mil, são frequentemente simbólicos ao invés de literais. Um bom exemplo é o  Salmo 50:10, onde a Escritura certamente não quer dizer literalmente e somente “mil montanhas”, mas todas as montanhas.

Visto que a prisão de Satanás é uma das principais características deste período de mil anos (Apocalipse 20:1-3), o Amilenismo ensina que Satanás está preso por toda a era do Novo Testamento. Ele não está completamente preso, mas preso somente “para que mais não engane as nações” (Apocalipse 20:3). Ele está preso, em outras palavras, para que não possa impedir o evangelho de ser pregado e resultar na conversão das nações gentílicas.  Que Satanás estava preso no tempo da primeira vinda de Cristo é claro a partir de Mateus  12:29. Ali, numa referência óbvia à Satanás, Jesus usa a mesma palavra grega para amarrar que aparece em Apocalipse 20:2. Ele diz aos fariseus que “o homem valente [Satanás]” deve ser amarrado. No contexto desta declaração, Jesus está falando da vinda do reino através da reunião dos gentios, mediante a pregação do evangelho (Mateus 12:14-21, 28-30). Mateus 12:29 interpreta Apocalipse 20:2 e mostra que o resultado da prisão de Satanás é o sucesso do evangelho entre as nações no Novo Testamento.

O Amilenismo, portanto, não espera um milênio ainda porvir, mas crê que está no meio do milênio agora, e que, quando o milênio terminar, o fim do mundo terá chegado. Esta era do Novo Testamento é a última era do mundo.

Os Amilenistas não esperam um rapto mil anos antes do fim, nem uma vinda de Cristo mil anos antes do fim, nem esperam que a grande tribulação ocorra mil anos antes do fim do mundo. Antes, eles ensinam que todos estes eventos ocorrerão no fim e serão seguidos pelo estado eterno.

Por isso, o Amilenismo ensina que a “trombeta” de 1Coríntios 15:51,52 é a  última, e que seguindo o rapto (1Tessalonicenses 4:16,17), os eleitos estarão para sempre com o Senhor na glória celestial. Da mesma forma, no ensino amilenista a grande tribulação de Mateus 24:29 é  imediatamente seguida pela trombeta que anuncia a vinda de Cristo na aparição real de Cristo sobre as nuvens e a assembléia dos seus eleitos.

O Amilenismo não ensina um período de paz e prosperidade sem precedentes para a igreja antes do fim, mas toma seriamente a verdade bíblica de que a grande tribulação da Igreja precederá o final de todas as coisas – que naqueles últimos dias “sobrevirão tempos difíceis” (2Timóteo 3:1), tempos nos quais “os homens perversos e impostores irão de mal a pior” (v. 13).

Por causa disto, alguns acusam o amilenismo de pessimismo. Contudo, ele não é pessimista. Os Amilenistas crêem que Cristo reina, e que com poder soberano faz com que todas as coisas, mesmo as tristes, cooperem juntamente para o bem dos seus amados.

 

Argumentos a favor do Amilenismo

por Wayne Grudem

1. Quando olhamos para a totalidade da Bíblia, somente uma passagem (Apocalipse 20:1-6) parece ensinar o Reino Milenar terreno e futuro de Cristo, e essa passagem em si mesma é obscura. Não é sábio basear tão importante doutrina em uma passagem de interpretação incerta e amplamente controvertida.

Mas, como os Amilenistas entendem Apocalipse 20:1-6?

A interpretação Amilenista vê essa passagem como referindo-se à presente era da Igreja. A passagem é esta:

"E vi descer do céu um anjo, que tinha a chave do abismo e uma grande cadeia na sua mão. Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o Diabo e Satanás, e o amarrou por mil anos. Lançou-o no abismo, o qual fechou e selou sobre ele, para que não enganasse mais as nações até que os mil anos se completassem. Depois disto é necessário que ele seja solto por um pouco de tempo. Então vi uns tronos; e aos que se assentaram sobre eles foi dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados por causa do testemunho de Jesus e da palavra de Deus, e que não adoraram a besta nem a sua imagem, e não receberam o sinal na fronte nem nas mãos; e reviveram, e reinaram com Cristo durante mil anos. Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se completassem. Esta é a primeira ressurreição.Bem-aventurado e santo é aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte; mas serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com ele durante os mil anos."

De acordo com a interpretação Amilenista, a prisão de Satanás nos versículos 1 e 2 é a prisão que ocorreu durante o ministério terreno de Jesus. Ele falou sobre amarrar o valente a fim de poder saquear a casa (Mateus 12:29 – “Ou, como pode alguém entrar na casa do valente, e roubar-lhe os bens, se primeiro não amarrar o valente? e então lhe saquear a casa”) e disse que o Espírito de Deus estava presente naquele tempo em poder para triunfar sobre as forças demoníacas: “Mas se é pelo Espírito de Deus que eu expulso demônios, então chegou a vocês o Reino de Deus” (Mateus 12:28). Semelhantemente, com respeito à destruição do poder de Satanás, Jesus disse durante o Seu ministério: "Eu vi Satanás caindo do céu como relâmpago” (Lucas 10:18).

O Amilenista argumenta que essa prisão de Satanás em Apocalipse 20:1-3 tem um propósito específico: “para assim impedi-lo de enganar as nações” (v. 3). Isso, então, é o que aconteceu quando Jesus veio e o evangelho começou a ser proclamado não simplesmente aos judeus, mas, após o Pentecoste, a todas as nações do mundo. De fato, a atividade missionária mundial da igreja e a presença da igreja na maioria das nações do mundo ou em todas elas mostra que o poder que Satanás tinha no Antigo Testamento de “enganar as nações” e mantê-las nas trevas acabou.

Na visão amilenista, argumenta-se que, como João viu as “almas” e não os corpos físicos no versículo 4, essa cena deve estar ocorrendo no céu. Quando o texto diz que “eles ressuscitaram”, não quer dizer que ressuscitaram fisicamente. Isso possivelmente significa que eles simplesmente “viveram”, já que o verbo no aoristo ezesan pode facilmente ser interpretado como a afirmação de um evento que ocorreu por um longo período de tempo. Alguns intérpretes amilenistas, no entanto, tomam o verbo ezesan como significando que “eles vieram à vida” no sentido de vir a uma existência celestial na presença de Cristo e começar a reinar com Ele do céu.

Conforme essa visão, a expressão “primeira ressurreição” (v. 5) refere-se a ir para o céu para estar com o Senhor. Essa não é uma ressurreição corporal, mas uma ida à presença do Senhor no céu. De modo semelhante, quando o versículo 5 diz que “o restante dos mortos não voltou a viver até se completarem os mil anos”, isso é entendido como se eles não tivessem vindo à presença de Deus para juízo até o final dos mil anos. Assim, tanto no versículo 4 quanto no 5, a expressão “voltou a viver” significa ir para a presença de Deus. (Outra posição amilenista da “primeira ressurreição” é a que se refere à ressurreição de Cristo e à participação dos crentes na ressurreição de Cristo por meio da união com Ele).

2. O segundo argumento muitas vezes propostos em favor do Amilenismo é o fato de que a Escritura ensina somente uma ressurreição, tanto os crentes como os descrentes serão levantados da morte, não duas ressurreições (a ressurreição de crentes antes de o milênio começar e a ressurreição de descrentes para o juízo após o fim do milênio). Esse é uma argumento importante, porque a posição pré-milenista requer duas ressurreições separada por um período de mil anos.

Evidência a favor de uma única ressurreição é encontrada em versículos como João 5:28-29, nos quais Jesus diz: “Não fiquem admirados com isto, pois está chegando a hora em que todos os que estiverem nos túmulos ouvirão a sua voz e sairão; os que fizeram o bem ressuscitarão para a vida, e os que fizeram o mal ressuscitarão para serem condenados”. Aqui Jesus fala de uma única “hora” em que tantos crentes como descrentes mortos sairão de suas tumbas (ver também Daniel 12:2; Atos 24:15).

“E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno” (Daniel 12:2)

“Tendo esperança em Deus, como estes mesmos também esperam, de que há de haver ressurreição tanto dos justos como dos injustos” (Atos 24:15)

3. A idéia de crentes glorificados e de pecadores vivendo na terra juntos é muito difícil de aceitar. Berkhof diz: “É impossível entender como uma parte da velha terra e da humanidade pecadora poderá coexistir com uma parte da nova terra e de uma humanidade já glorificada. Como poderão os santos em corpos glorificados ter comunhão com pecadores na carne? Como poderão os santos glorificados viver nesta atmosfera sobrecarregada de pecado e em cenário de morte e decadência?” .

4. Se Cristo vem em glória para reinar sobre a terra, então como as pessoas ainda poderiam persistir no pecado? Uma vez que Jesus esteja realmente presente em Seu corpo ressurreto e reinando como rei sobre a terra, não parece altamente improvável que pessoas ainda O rejeitem e que o mal e a rebelião ainda cresçam na terra até o ponto de finalmente Satanás reunir as nações para a batalha contra Cristo?

5. Em conclusão, os amilenistas dizem que a Escritura parece indicar que todos os eventos mais importantes que ainda estão por acontecer antes do estado eterno ocorrerão de uma só vez. Cristo vai retornar, haverá uma só ressurreição de crentes e descrentes, o juízo final acontecerá, e o novo céu e a nova terra serão estabelecidos. Então, entraremos imediatamente para o estado eterno, sem qualquer milênio futuro.

 

Para saber mais:

http://a-milenismo.blogspot.com/

Ebook: www.scribd.com/doc/18337731/Introducao-Amilenismo-Livromilenio-Boettnner

www.monergismo.com.br

 

As alianças Bíblicas e a Escatologia – Israel e a Igreja

Filed Under (Alianças Bíblicas) by Geração Maranata on 18-04-2011

Tag: , ,

This entry is part 4 of 5 in the series As alianças Bíblicas e a Escatologia

por Geração Maranata

Uma refutação à Tese Amilenista, Pós-milenistas e Aliancistas sobre o papel da Igreja e Israel no contexto da Escatologia.

(Leia também "As Alianças Bíblicas e a Escatologia – Aliança Abraâmica")

 

"Amilenistas, Pós-milenistas e teólogos aliancistas normalmente crêem que a Igreja se apossou de todas as promessas, enquanto a nação de Israel foi posta de lado.”

De acordo com o texto acima, os que defendem essa tese estão em confronto direto com inumeráveis profecias !

O apóstolo Paulo percebendo a arrogância dos cristãos novos de Roma – ele sendo um judeu – conhecedor profundo da Lei, Salmos e Profetas e profecias, entra em confronto com aquela nova mentalidade que nascia em Roma e que já continha o embrião do anti-semitismo e anti-sionismo, e por esse motivo Paulo traz a mente uma reflexão sobre como a natureza reage a enxertos:

“Ora, se a transgressão deles redundou em riqueza para o mundo, e o seu abatimento, em riqueza para os gentios, quanto mais a sua plenitude!

Dirijo-me a vós outros, que sois gentios! Visto, pois, que eu sou apóstolo dos gentios, glorifico o meu ministério,

para ver se, de algum modo, posso incitar à emulação os do meu povo e salvar alguns deles.

Porque, se o fato de terem sido eles rejeitados trouxe reconciliação ao mundo, que será o seu restabelecimento, senão vida dentre os mortos?

E, se forem santas as primícias da massa, igualmente o será a sua totalidade; se for santa a raiz, também os ramos o serão.

Se, porém, alguns dos ramos foram quebrados, e tu, sendo oliveira brava, foste enxertado em meio deles e te tornaste participante da

raiz e da seiva da oliveira, não te glories contra os ramos; porém, se te gloriares, sabe que não és tu que sustentas a raiz, mas a raiz, a ti.

Dirás, pois: Alguns ramos foram quebrados, para que eu fosse enxertado.

Bem! Pela sua incredulidade, foram quebrados; tu, porém, mediante a fé, estás firme. Não te ensoberbeças, mas teme.

Porque, se Deus não poupou os ramos naturais, também não te poupará.

Considerai, pois, a bondade e a severidade de Deus: para com os que caíram, severidade; mas, para contigo, a bondade de Deus,

se nela permaneceres; doutra sorte, também tu serás cortado.

Eles também, se não permanecerem na incredulidade, serão enxertados; pois Deus é poderoso para os enxertar de novo.

Pois, se foste cortado da que, por natureza, era oliveira brava e, contra a natureza, enxertado em boa oliveira,

quanto mais não serão enxertados na sua própria oliveira aqueles que são ramos naturais!

Porque não quero, irmãos, que ignoreis este mistério (para que não sejais presumidos em vós mesmos):

que veio endurecimento em parte a Israel, até que haja entrado a plenitude dos gentios” (Romanos 11:12-25)

 

Alguns foram quebrados, com propósito de que outros fossem enxertados e por esse motivo escrevendo aos Efésos Paulo os convida novamente a uma relexão:

"Portanto, lembrai-vos de que, outrora, vós, gentios na carne, chamados incircuncisão por aqueles que se intitulam circuncisos, na carne, por mãos humanas,

naquele tempo, estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança e sem Deus no mundo.

Mas, agora, em Cristo Jesus, vós, que antes estáveis longe, fostes aproximados pelo sangue de Cristo.

Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos fez um; e, tendo derribado a parede da separação que estava no meio, a inimizade,

aboliu, na sua carne, a lei dos mandamentos na forma de ordenanças, para que dos dois criasse, em si mesmo, um novo homem, fazendo a paz,

e reconciliasse ambos em um só corpo com Deus, por intermédio da cruz, destruindo por ela a inimizade.

E, vindo, evangelizou paz a vós outros que estáveis longe e paz também aos que estavam perto;

porque, por ele, ambos temos acesso ao Pai em um Espírito." (Efésios 2:11-18)

 

Jesus disse em João 15:1-2:

"Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor. Todo ramo que, estando em mim, não der fruto, ele o corta; e todo o que dá fruto limpa, para que produza mais fruto ainda."

Alguns ramos foram cortados – por causa da incredulidade – porque não creram e desconheciam as Escrituras que apontavam profeticamente para Jesus, mas os gentios foram enxertados mediante a fé, que é produzida nos corações por obra do Divino Espírito Santo, pois conforme a carta aos Éfesos todos eram ignorantes da Lei, dos profetas e das alianças.

Ainda na época de Neemias, quando imbuido de reconstruir os muros de Jerusalém ele deu ordens dizendo:

"Acharam escrito na Lei que o SENHOR ordenara por intermédio de Moisés que os filhos de Israel habitassem em cabanas, durante a festa do sétimo mês;

que publicassem e fizessem passar pregão por todas as suas cidades e em Jerusalém, dizendo: Saí ao monte e trazei ramos de oliveiras, ramos de zambujeiros, ramos de murtas, ramos de palmeiras e ramos de árvores frondosas, para fazer cabanas, como está escrito.

Saiu, pois, o povo, trouxeram os ramos e fizeram para si cabanas, cada um no seu terraço, e nos seus pátios, e nos átrios da Casa de Deus, e na praça da Porta das Águas, e na praça da Porta de Efraim.

Toda a congregação dos que tinham voltado do cativeiro fez cabanas e nelas habitou; porque nunca fizeram assim os filhos de Israel, desde os dias de Josué, filho de Num, até àquele dia; e houve mui grande alegria." (Neemias 8:14-17)

 

Moisés, figura de Cristo, inspirado pelo Espítiro Santo, registrou na Lei do Senhor o que séculos mais tarde Neemias, então governador e reconstrutor de Jerusalém, ordenou aos filhos de Israel,  pós-cativeiro Babilônico.

Anos mais tarde os Profetas Zacarias e Ageu encorajam a Zorobabel reconstruir o Templo de Jerusalém. O Templo, entre outras importâncias, significava um ícone nacional de Israel para que todas as nações ao redor soubessem dos feitos Divinos e poderosos, pois quando os utensílios foram trazidos novamente para Jerusalém, Deus causou terror e espanto contra ladrões e assaltantes que espreitavam viajantes com objetos valiosos a fim de assaltá-los e roubá-los.

Ageu 2:21 fala a Zorobabel, governador de Judá: "Farei abalar o céu e a terra;"

Deus revelou a Ageu que no futuro haveria outra Casa (Templo) e virão à ela a glória das nações:

Ageu 2:7 "Farei abalar todas as nações, e as coisas preciosas de todas as nações virão, e encherei de glória esta casa, diz o SENHOR dos Exércitos."

Ageu 2:9 "A glória desta última casa será maior do que a da primeira, diz o SENHOR dos Exércitos; e, neste lugar, darei a paz, diz o SENHOR dos Exércitos."

Porém ao Profeta Zacarias Deus revelou o que há de vir no futuro e todas nações que deverão obedecer, sob pena de sofrer alterações climáticas que prejudicará o plantio e a colheita.

Zacarias 14:16-17 "Todos os que restarem de todas as nações que vieram contra Jerusalém subirão de ano em ano para adorar o Rei, o SENHOR dos Exércitos, e para celebrar a Festa dos Tabernáculos. Se alguma das famílias da terra não subir a Jerusalém, para adorar o Rei, o SENHOR dos Exércitos, não virá sobre ela a chuva."

 

Podemos ler nessas poucas passagens, como os planos de Deus com Israel e Sua misericórdia para com todos os povos são imutáveis.

O fato de a Lei prever a Festa das Cabanas ou Tabernáculos tem implicações proféticas profundas e que revela implicitamente Jesus Cristo, a Videira Verdadeira; os ramos cortados – judeus que não creram nEle e estão perdidos; a oliveira brava, as murtas, os jambujeiros, as palmeiras, etc (todos representando gentios) enxertados na videira verdadeira e por fim a declaração magistral de Paulo em Romanos 11:15 "Porque, se o fato de terem sido eles rejeitados trouxe reconciliação ao mundo, que será o seu restabelecimento, senão vida dentre os mortos?"

Por fim deparamos com o futuro profético de que não somente a Nação de Israel já está no processo de restauração total, como também o Templo Milenial revelado a Ageu e o Governo Mundial de Jesus que se dará a partir de Jerusalém.

O rio que haverá de brotar do Seu trono: Zacarias 14:8 "Naquele dia, também sucederá que correrão de Jerusalém águas vivas, metade delas para o mar oriental, e a outra metade, até ao mar ocidental; no verão e no inverno, sucederá isto.", o Espírito Santo dá a entender claramente a dependência de Israel (que brotará vida no Mar Morto) como também das águas que desembocarão no Mar Mediterreo (as naus que representam todas nações gentílicas).

Depois de quase três milênios de desobediências, perseguições, destruições, humilhações, cativeiros, mortes dor e pranto nacional, qual a nação que poderá dizer:

"Naquele dia, se dirá: Eis que este é o nosso Deus, em quem esperávamos, e ele nos salvará; este é o SENHOR, a quem aguardávamos; na sua salvação exultaremos e nos alegraremos." Isaías 25:9

E o mesmo Deus lhes dirá:

"Por breve momento te deixei, mas com grandes misericórdias torno a acolher-te;" Isaías 54:7

"Já não esconderei deles o rosto, pois derramarei o meu Espírito sobre a casa de Israel, diz o SENHOR Deus." Ezequiel 39:29
 

É evidente que a mensagem é para Israel uma vez que Jesus prometeu à Sua Igreja :

"Ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até à consumação do século." Mateus 28:20

Enquanto que para Israel até hoje a revelação a Oséias e Moisés foi:

"Porque os filhos de Israel ficarão por muitos dias sem rei, sem príncipe, sem sacrifício, sem coluna, sem estola sacerdotal ou ídolos do lar." Oséias 3:4

"Esconderei, pois, certamente, o rosto naquele dia, por todo o mal que tiverem feito, por se haverem tornado a outros deuses." Deuteronômio 31:18

 

Mediante a textos tão explícitos e assombrosos da Palavra de Deus, referentes à Restauração de Israel, o Reinado e Domínio de Jesus Cristo sobre o mundo, Sua Igreja co-regente, (Apoc.2:26 ), não há sustentação bíblica que dá respaldo às essas teses teológicas: Amilenista, Pós-Milenista e Aliancista da ” Teologia da Substituição” que na verdade é a vereda que conduz à Apostasia.

Paulo lamenta por seus patrícios que rejeitaram Jesus, mas aponta o futuro da nação e sua conversão nacional como outrora Deus revelou a Ezequiel (Ez 39:29 ) e Zacarias (Zc 12:10)

"Esta é a minha aliança com eles, quando eu tirar os seus pecados.

Quanto ao evangelho, são eles inimigos por vossa causa; quanto, porém, à eleição, amados por causa dos patriarcas;

porque os dons e a vocação de Deus são irrevogáveis.

Porque assim como vós também, outrora, fostes desobedientes a Deus, mas, agora, alcançastes misericórdia, à vista da desobediência deles,

assim também estes, agora, foram desobedientes, para que, igualmente, eles alcancem misericórdia, à vista da que vos foi concedida.

Porque Deus a todos encerrou na desobediência, a fim de usar de misericórdia para com todos." Romanos 11:27-32

O Mistério que esteve oculto (A Igreja), já estava representada pelo Castiçal de Sete Ramos ao lado das Tribos de Israel (Nos Doze pães da proposição) desde o Tabernáculo e que, paralelos, olhavam o incensário antes do Santo dos Santos, onde estava a Arca do Concerto:

"A saber, que os gentios são co-herdeiros, membros do mesmo corpo e co-participantes da promessa em Cristo Jesus por meio do evangelho;" Efésios 3:6

Apocalipse 21:2,12-14:

"Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo.

Tinha grande e alta muralha, doze portas, e, junto às portas, doze anjos, e, sobre elas, nomes inscritos, que são os nomes das doze tribos dos filhos de Israel.

Três portas se achavam a leste, três, ao norte, três, ao sul, e três, a oeste.

A muralha da cidade tinha doze fundamentos, e estavam sobre estes os doze nomes dos doze apóstolos do Cordeiro."

 

Israel, simbolo da ”Esposa de Deus”

Igreja, símbolo da ”Noiva do Cordeiro”

Sempre juntos, mas distintos:

Para Israel:

"Porque o teu Criador é o teu marido; o SENHOR dos Exércitos é o seu nome; e o Santo de Israel é o teu Redentor; ele é chamado o Deus de toda a terra." (Isaías 54:5)

Para Igreja:

"Para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito." (Efésios 5:27)

"O meu amado fala e me diz: Levanta-te, querida minha, formosa minha, e vem." (Cantares 2:10)

 

Grande é este mistério, mas eu me refiro a Cristo e à igreja. (Ef 5:32)

Maranata !

Este artigo é de autoria de José Nunes Rodrigues Filho (PIB em Florianópolis–SC) – Professor de Velho Testamento e Escatologia e colaborador do blog Geração Maranata.

Se for copiar cite a fonte!

Quando uma profecia é cumprida na história? Futurismo

Filed Under (Quando uma profecia é cumprida na história?) by Geração Maranata on 10-03-2011

Tag: , , , , ,

This entry is part 3 of 4 in the series Quando uma profecia é cumprida na história?

por Geração Maranata

Há quatro pontos de vista sobre possíveis interpretações do tempo na profecia bíblica:

Presente (Historicismo)

Passado (Preterismo)

Futuro (Futurismo)

Atemporal (Idealismo)

Nesta última série será abordado o Futurismo.

O Futurismo é uma das quatro possíveis interpretações do tempo na profecia bíblica. Ele tenta responder à pergunta:

“Quando uma profecia é cumprida na história?”

 

Futurismo

Os Futuristas defendem a tese de que todos os eventos proféti­cos só ocorrerão depois de encerrada a “Era da Igreja”, a qual ainda estamos vivendo.

As profecias do Livro do Apocalipse, do Livro de Daniel, o discurso no Monte das Oliveiras e o termo “Ovelhas e Bodes” ocorrerão no futuro, durante a Grande Tribulação, na 2ª vinda de Jesus Cristo e no Milênio.  O cumprimento é literal, físico, apocalíptico e global.

O Futurismo era a tese adotada na Igreja primitiva, que acreditava nos eventos futuros.

Dos quatro pontos de vista é o único que apóia o pré-tribulacionismo, onde o Arrebatamento está relacionado com o momento histórico em que ocorrerá a Tribulação.

O Preterismo declara que a Tribulação já ocorreu.

Uma das vertentes do Historicismo declara que a Tribulação começou no século IV com os eventos relacionados com a cristianização do Im­pério Romano iniciada por Constantino e que ela continuará até a Segunda Vinda.

O Idealismo nega que seja possível estabelecer uma data para qualquer desses eventos.

 

Grupos

 

Os Futuristas podem se dividir em dois grupos:

- Futuristas extremos – Acreditam que todo o Apocalipse refere-se à vinda do Senhor Jesus Cristo.

- Futuristas simples – Aceitam que os três primeiros capítulos do livro já foram cumpridos; o restante se refere à aparição vindoura de Cristo.

A maioria dos Pentecostais tem uma visão futurista . Crêem que tudo ou quase tudo após o capítulo quatro do Apocalipse será cumprido num espaço de tempo de sete anos, após o término da Dispensação da Igreja (ou Era da Igreja, ou Tempo dos Gentios).

Os futuristas que buscam interpretar o Apocalipse, também se dividem quando abordam o Milênio (Ap 20). [artigo a ser publicado]

Visão Histórica do Futurismo

Embora não tão consistente como o Futurismo moderno, a Igreja Primitiva pode ser classificada como Futurista, mais do que qualquer das outras três possibilidades (Preterismo, Historicismo e Idealismo).  Com poucas exceções, a Igreja Primitiva acreditava que os eventos da tribulação, do milênio e a segunda vinda aconteceriam em algum tempo no futuro.

A teoria amilenista iniciou no século III e foi difundida com a cristianização do Império Romano através do Imperador Constantino no século IV, a partir daí o Futurismo começou a ser deixado de lado.

No início do século IV para o V a influência de Jerônimo e Agostinho, contrários ao Futurismo, fez com que essa teoria ficasse neutralizada durante a era de mil anos da Idade Média.

Porém, durante esse tempo, o Futurismo permaneceu em grupos que não aceitavam a autoridade católica romana.

A Reforma trouxe um retorno ao estudo das origens da Igreja Primitiva. No Norte da Europa alguns escritores, de dentro da Igreja Católica Romana ajudaram na renovação do estudo da profecia de uma perspectiva Futurista, seguidos por escritores das Igrejas Reformadas Protestantes.

 

Apocalíptica Medieval

Os que criticam a visão Futurista tomam por base que essa teoria é nova, tendo surgido no século XIX com Darby e os Irmãos Plymouth.

Isso não consiste em verdade, pois apesar de não haver muitos manuscritos, não quer dizer que o Futurismo não existisse como uma visão profética.

Antes da invenção da imprensa, quando tudo era escrito à mão, milhões de manuscritos de cartas e estudos teológicos e sermões desapareceram naturalmente pela ação do tempo, somente sendo conservados aqueles que foram copiados e recopiados e foram cuidadosamente guardados.

Igreja Romana queimou milhões de escritos de pregadores. Por exemplo, os Valdenses foram praticamente aniquilados e tiveram queimados seus dois grandes prédios armazenadores de livros e outros manuscritos, milhares de cópias de Bíblia, de livros de Teologia, e sermões.

Portanto, em geral, o silêncio de documentos sobre alguma doutrina não tem o poder de desmenti-la. Só a Bíblia põe de pé ou derruba qualquer doutrina.

Porém, tem havido descobertas da apocalíptica medieval em diferentes graus de futurismo.

 

Ephraem, o Sírio (306-373 dC)

Compositor de hinos e Teólogo do século IV d.C, ensinou claramente que os crentes serão arrebatados ao céu antes da Tribulação. Ele era de Nisibis, na borda oriental do Império Romano (cerca de 100 quilômetros noroeste de Nínive). Ephraem foi um bem conhecido e prolífico escritor Sírio e testemunha de início do Cristianismo.
Segue-se parte do sermão de Ephraem chamado "Sobre os últimos tempos, o Anticristo, e o fim do mundo." Tal sermão é reconhecido como estando entre os mais interessantes de textos apocalípticos do início da Idade Média. O sermão descreve os acontecimentos dos últimos dias, começando com o Arrebatamento, a Grande Tribulação de 3 1 / 2 anos de duração sob o domínio do Anticristo, seguido da segunda vinda de Cristo. A tradução do latim (há quatro manuscritos conhecidos) deste sermão inclui o seguinte segmento:

"Porque todos os santos e os eleitos de Deus são reunidos antes da tribulação que está para vir, e são levados ao Senhor para que não vejam a confusão que está a oprimir o mundo por causa de nossos pecados"

(Traduzido por Hélio de M.S. a partir da tradução do texto latino para o inglês, [Christiania, 1890, pp. 208-20], feita por CameronRhoades, professor de Latim no Tyndale Theological Seminary, em Fort. Worth, TX).

Em outro livro de Ephraem  “O Livro da Caverna dos Tesouros”, escrita em cerca de 370 d.C., ele expressou sua crença de que a 69ª. de Daniel terminou com a rejeição e crucificação de Jesus, o Messias. (O Livro da Caverna de Tesouros, p. 235) Este ensino dispensacionalista também apóia o Arrebatamento Pré-Tribulação.

 

Ressurgimento do Futurismo

O Futurismo ressurgiu no final da Idade Média e foi inialmente implementada pelos Jesuítas, como uma posição apologética à visão profética do Historicismo.  Os Jesuítas estipularam que as profecias relativas ao aparecimento do Anticristo não tinham nada a haver com o Papa Romano daquele tempo, mas com o aparecimento do homem do pecado no fim dos tempos, como era o ponto de vista da Igreja primitiva. (Obs: Os Futuristas de hoje não negam a probabilidade de que o Papado possa estar envolvido com o aparecimento do Anticristo no fim dos tempos.)

Devido à visão Historicista na Idade Média até a Reforma, se levantaram vários escritores que publicaram artigos apoiando a visão Futurista.

O jesuíta Francisco Ribera (1537-1591) foi um dos primeiros a reviver uma forma rudimentar de Futurismo em torno de 1580.

Devido à dominância do Historicismo, o Futurismo não progrediu até a Reforma Protestante em 1820.

No final de 1820, o Futurismo começou a ganhar adeptos e crescer nas Ilhas Britânicas, muitas vezes motivado por um interesse reavivado no plano de Deus para Israel, durante o qual ele ganhou um dos seus mais influentes proponente: John Nelson Darby.

Através de Darby e outros expositores, o Futurismo espalhou-se para a América e em todo o mundo evangélico.

Nos próximos cem anos viu-se, pela primeira vez, o pleno desenvolvimento do Futurismo consistente. Isso levou, por sua vez, para a formulação do dispensacionalismo e uma compreensão mais clara do arrebatamento da igreja.

 

Personalidades

Francisco Ribeira (1537-1591)

Espanhol, teólogo e padre jesuíta teria desenvolvido, de forma rudimentar, o conceito de Futurismo como o conhecemos hoje. Escreveu um comentário de 500 páginas sobre o livro do Apocalipse (1585), seis anos antes de sua morte (1591). O comentário foi escrito sob um ponto de vista histórico porque em sua época, havia uma convicção que o catolicismo e seu Papa eram o sistema do Anticristo e o próprio Anticristo.  Isso interromperia o fogo cerrado que colocava o Papa e a Igreja Católica como o Anticristo e seu governo. Estes eventos foram colocados em um período no futuro, três anos e meio antes do retorno de Cristo (o que está de acordo com os ensinos dos pais de Igreja primitiva). Esperava-se que a conclusão que seria tirada do comentário de Ribera, que a Igreja católica daquele tempo, não poderia ser o sistema do Anticristo encabeçado pelo Papa de Roma.

Em seu comentário, Ribera cria que o arrebatamento aconteceria 45 dias antes do fim do período de três anos e meio de tribulação (um tipo de Pré-Ira). Esta era a primeira vez que a segunda vinda era dividida em duas vindas separadas, sendo que uma delas seria para a Igreja e, uma outra vinda, ao término do período da grande tribulação, juntamente com a Igreja, que já teria sido, anteriormente, arrebatada, e que voltaria com Cristo.

Robert Bellarmine (1542-1621)

Cardeal e Apologista jesuíta desenvolveu o conceito pluralista do Futurismo. Escreveu  "Conferências Polêmicas Relativas aos Pontos Disputados da Convicção Cristã Contra os hereges deste tempo”. Seu propósito era refutar a teoria histórica de figurar os 1260, 1290 ou 2300 dias de Daniel, como se fossem anos.

Manuel de Lacunza (1731-1801)

Padre jesuíta escreveu um livro com o pseudônimo ”Rabino Bem Ezra“ com o título: “A Vinda do Messias em Glória e Majestade”. Neste livro ele defende a tese de que a igreja seria arrebatada 45 dias antes do retorno de Jesus a Terra. Durante esses 45 dias Deus estaria julgando a maldade na terra. Lacunza não promoveu um arrebatamento pré-tribulacionista  antes do aparecimento do Anticristo. Seu arrebatamento aconteceria 45 dias antes do final da 70ª semana de Daniel.

Morgan Edwards (1722-1795)

Ministro Batista, escreveu sobre a doutrina pré-tribulacionista em torno de 1740. Nesta obra, Edwards expos suas visões sobre um arrebatamento pré-tribulacionista que reuniria a Igreja.  Aparentemente ele não se baseou em outros trabalhos, sua intenção era fazer oposição aos historicistas e amilenaristas. Trecho de um escrito seu:

“Eu digo, “um pouco mais”, porque os santos mortos serão ressuscitados e os [santos] vivos [serão] mudados na ocasião "a encontrar o Senhor nos ares" (I Tess. Iv.17), e isto ocorrerá cerca de três anos e meio antes do [início do] milênio, como veremos a seguir: mas será que Ele [Cristo] e eles [os salvos arrebatados] permanecerão no ar durante todo esse tempo? Não: eles vão ascender ao paraíso, ou para algumas das muitas das "mansões na casa do pai" (João XIV.2), e desaparecem durante o período de tempo antes mencionado. O propósito dessa retirada e desaparecimento será o de julgar os santos ressurretos e mudados [para corpos glorificados], porque "agora é tempo que comece o julgamento", e isto se dará "na casa de Deus" (I Ped. Iv.17.). . . (Página 7; a grafia de todas as citações de Edwards foram modernizadas.

Samuel Roffey Maitland (1792-1866)

Advogado e Bibliotecário da Igreja Anglicana, diz-se que, após ler o livro de Lacunza, passou a promover o Futurismo a partir de 1826. Começou a ensinar que o período de Tribulação seria três anos e meio.

John Nelson Darby (1800-1882)

Sacerdote irlandês, Futurista, pré-milenista, é considerado o pai do ‘Dispensacionalismo’ que, entre outros ensinamentos, argumentou que havia uma radical descontinuidade entre a igreja e Israel, defendendo dessa forma a existência de dois povos distintos pertencentes a Deus, o qual tinha planos diferentes para cada um desses povos.

Junto com essa crença de uma separação entre a igreja e Israel, os dispensacionalistas defendem que a igreja será arrebatada antes da septuagésima semana profetizada por Daniel (Dn. 9.24-27), período também conhecido como a “Grande Tribulação”.

Realizou uma tradução da Bíblia baseada nos textos hebraicos e gregos, chamada em inglês The Holy Scriptures: A New Translation from the Original Languages by J. N. Darby, também traduzida para o alemão e francês. No Brasil essa Bíblia de Estudos é chamada de ‘Bíblia de Referência Scofield’.

Edward Irving (1792-1834)

Ministro presbiteriano escocês. Estudioso das profecias bíblicas, traduziu as obras de Manuel Lacunza (padre jesuíta) para o inglês e pregava o eminente retorno de Jesus Cristo. Entre suas interpretações, ensinava que nos últimos dias haveria uma nova manifestação do Espírito Santo, o que valeu sua expulsão do presbitério de Londres em 1830.

Os seguidores de Irving organizaram a Holy Catholic Apostolic Church, com a intenção de difundir os ensinamentos de Irving entre os protestantes, católicos e ortodoxos. Visavam o re-estabelecimento do retorno do apostolado, da profecia, do selo (imposição das mãos para receber o Espírito Santo) e o dom de línguas.

Alguns acusam Irving de ‘espírita’ e ‘médium’ por causa de manifestações espirituais, conhecido hoje por movimento Pentecostal.

Defesa da Teoria Futurista

É possível desenvolver uma defesa do Futurismo a partir da Bí­blia, contrastando e comparando o Futurismo com as outras três abordagens interpretativas. Por exemplo:

1 – É possível mostrar que o Futurismo é preferível ao Preterismo, demonstrando que textos específicos da Escritura indicam que o termo "Vinda", nas passagens debatidas, refere-se a uma volta corporal de Cristo a terra, não uma ‘vinda mística’ mediada pelo exército romano, como alegam os Preteristas.

2 – Uma área que dá vantagem ao Futurismo sobre o Histo­ricismo é a demonstração de que os números que se relacionam a ‘dias, meses e anos’ devem ser aceitos literalmente. Não há base bí­blica para que dias sejam interpretados como anos.

3 – Um argumento principal que dá vantagem ao Futurismo sobre o Idealismo é o fato de que os números são importantes. Em outras palavras, por que razão Deus forneceria centenas de indicadores cronológicos e temporais na Bíblia se não tivesse a intenção de cumpri-los?

O Futurismo interpreta a Bíblia de maneira li­teral e, depois de fazê-lo, harmoniza suas conclusões num sistema teológico coerente.

Outra prova que o Futurismo defende é a compreensão de Israel como povo de Deus e o plano que Ele estabeleceu para eles. Quando vemos a Bíblia usando o termo "Israel", lembramos que Ele sempre se refere às mesmas pessoas ao longo de toda a Bíblia, então segue-se que muitas passagens que se referem a Israel nunca foram cumpridas e para que sejam cumpridas eles terão de ocorrer no futuro.

Uma passagem que ilustra este é Deuteronômio 4:25-31.

“Quando, pois, gerardes filhos, e filhos de filhos, e vos envelhecerdes na terra, e vos corromperdes, e fizerdes alguma escultura, semelhança de alguma coisa, e fizerdes o que é mau aos olhos do SENHOR teu Deus, para o provocar à ira;

Hoje tomo por testemunhas contra vós o céu e a terra, que certamente logo perecereis da terra, a qual passais o Jordão para a possuir; não prolongareis os vossos dias nela, antes sereis de todo destruídos.

E o SENHOR vos espalhará entre os povos, e ficareis poucos em número entre as nações às quais o SENHOR vos conduzirá.

E ali servireis a deuses que são obra de mãos de homens, madeira e pedra, que não vêem, nem ouvem, nem comem, nem cheiram.

Então dali buscarás ao SENHOR teu Deus, e o acharás, quando o buscares de todo o teu coração e de toda a tua alma.

Quando estiverdes em angústia, e todas estas coisas te alcançarem, então nos últimos dias voltarás para o SENHOR teu Deus, e ouvirás a sua voz.

Porquanto o SENHOR teu Deus é Deus misericordioso, e não te desamparará, nem te destruirá, nem se esquecerá da aliança que jurou a teus pais.”

 

A leitura literal do texto terá de admitir que os dois últimos eventos em negrito vermelho ainda têm de ser cumpridas por Israel da mesma forma literal em que historicamente os três primeiros eventos, em negrito azul, foram cumpridos.  Assim, a realização dos dois últimos acontecimentos na vida de Israel terá de acontecer no futuro. Este é um sólido argumento de visão Futurista da profecia, pois este tipo de argumento pode ser aplicado em toda a Bíblia. (Veja também Deut. 27-32 para uma expansão de 4:25-31).

 

CONCLUSÃO

Assim como pessoas, lugares e tempos devem ser entendidos literalmente em Gênesis 1-11, também os textos re­lacionados ao tempo do fim devem ser entendidos da mesma for­ma. Dias significam dias; anos significam anos; meses significam meses.

Assim, a única maneira pela qual o livro do Apocalipse e outras porções proféticas da Bíblia farão qualquer sentido, é se fo­rem entendidas de forma literal. Isso significa que a maior parte delas ainda não aconteceu, sendo, portanto, futuras.

Cerca de um terço da Bíblia consiste em profecia, e a maior parte dessa profecia versa sobre o futuro. Uma vez que uma abordagem coerentemente literal de toda a Bíblia, inclusive das partes proféti­cas é a maneira correta de entender a revelação de Deus ao ho­mem, a abordagem Futurista é a maneira correta de considerar a cronologia da profecia bíblica.

Proponentes:

O Futurismo tem variantes antigas e modernas; a mais comum entre os modernos evangélicos protestantes é o Dispensacionalismo.  A maioria dos cristãos acredita que Jesus voltará para cumprir o resto da profecia messiânica. Proponentes conhecidos:

  • Gleason Archer
  • Donald Barnhouse
  • Martin De Haan
  • Raymond Duck
  • Arno Clemens Gaebelein
  • Norman Geisler
  • Harry A. Ironside
  • Walter Kaiser, Jr.
  • Hal Lindsey [6]
  • Ernst Lohmeyer
  • John Fullerton MacArthur
  • J. Vernon McGee
  • Henry Madison Morris
  • William A. Newell
  • J. Dwight Pentecost
  • John Bertram Phillips
  • Francisco Ribera
  • Charles Caldwell Ryrie
  • Ray Stedman
  • Merrill Tenney
  • John Walvoord
  • Warren W. Wiersbe

Geração Maranata (se for reproduzir, informe a fonte)

Fontes:

Livro “Profecias de A a Z” de Thomas Ice & Timothy Demy

http://www.pre-trib.org

http://solascriptura-tt.org/

http://pt.wikipedia.org

http://www.verdade-viva.net

Início | Download | Links | Contato
Misso Portas Abertas JMM ANEM
Destino Final Heart Cry Jocum Missao Total Missao Total Projeto Paraguai