Documentário: O Veneno está na Mesa

Filed Under (Sinais Proféticos, Vídeos) by Geração Maranata on 21-08-2011

Tag: ,

Por Geração Maranata

 

Brasil é o primeiro consumidor de agrotóxicos do mundo

O Brasil é, desde 2008, o país que mais consome agrotóxicos no planeta!

O documentário "O veneno está na mesa", do cineasta Silvio Tendler, revelou que o Brasil é o campeão mundial no uso de agrotóxicos. São mais de 5 litros anuais por habitante, entre fertilizantes, inseticidas e herbicidas.

Muitos desses herbicidas, fungicidas e pesticidas que consumimos estão proibidos em quase todo o mundo pelo risco ambiental. O perigo é tanto para os trabalhadores, que manipulam os venenos, quanto para toda a população do campo e das cidades, que consomem os produtos agrícolas com agrotóxicos. Só quem lucra com isso são as transnacionais fabricantes do veneno.

A sessão de lançamento de "O veneno está na mesa" foi aclamada por cerca de 800 pessoas que lotaram o teatro Casa Grande, no Rio de Janeiro. O novo documentário explora as mazelas humanas e ambientais decorrentes do fato de o Brasil ser o maior consumidor mundial de agrotóxicos.

Realizado com o apoio da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, da Fiocruz, o filme recupera as origens da revolução verde para apresentar a lógica insustentável do modelo agrícola que deu ao país esse título difícil de ostentar. Aqui o destaque vai para grandes multinacionais da química, que viram na agricultura o mercado perfeito para substituir o uso bélico do agente laranja, napalm e outros.

A atualidade urgente do tema é retratada a partir de um recorte de reportagens exibidas recentemente em emissoras nacionais e regionais de TV e de rádio. Do Rio Grande do Sul ao Ceará, passando pelo Mato Grosso e Espírito Santo, o que se vê é que o discurso das safras recordes ou da sustentação da balança comercial não mais dá conta de esconder seu lado nefasto. Os principais especialistas em saúde ambiental e toxicologia trazem casos e dados dos prejuízos causados por um modelo de agricultura que não cresce sem agrotóxicos, e que hoje, em claros sinais de saturação, usa mais agrotóxicos do que cresce. Contudo, está no ar uma nova investida de marketing que diz que é esse “o Brasil que cresce forte e saudável”.

Mas a agricultura orgânica não daria conta de alimentar a população, dizem. Se a agricultura orgânica for entendida como aquela em que se tira a química e pronto, isto é fato, conforme resume Ana Maria Primavesi, referência mundial em manejo ecológico dos solos. Porém, se o solo for vivo e alimentado para sustentar grande diversidade de organismos, este produzirá plantas saudáveis, em quantidade, ao mesmo tempo que dispensará os agrotóxicos. A conclusão de Primavesi, que também é produtora, é confirmada na prática pelo depoimento do agricultor do interior paulista que tira 15 toneladas de alimentos por ano de cada um dos 20 hectares que cultiva sem venenos e adubos químicos. Do Rio Grande do Sul vem o exemplo do produtor familiar que recriou sua própria semente de milho crioulo após ter perdido as variedades tradicionais que cultivava, substituídas pelas híbridas.

Esse caminho cada vez mais confirma sua viabilidade. Faltam agora as políticas certas que farão crescer a agricultura que vai tirar o veneno da mesa.

Assista ao Documentário:

[jwplayer mediaid=”3432″]

"A ideia do filme é mostrar como estamos nos alimentando mal por conta de um modelo agrário perverso, baseado no agronegócio. É tempo de mudar!"

 

Nota:

O agrotóxico está envenenando a comida do brasileiro e quais são as consequências ?

O que se sabe é que os agrotóxicos apresentam: efeitos estrogênicos (hormônio feminino), cancerígenos e mutagênicos (mutação genética), entre outros.

Falarei mais a respeito desse assunto específico em outro post a ser publicado.

 

Fontes:

http://www.vivapernambuco.com.br

http://www.epsjv.fiocruz.br

http://multimedia.telesurtv.net/pt/28/7/2011/43522/brasil-e-o-primeiro-consumidor-de-agrotoxicos-do-mundo/

**Geração Maranata** – Se for copiar cite a Fonte! Deus te abençoe.

Toxinas de Transgênicos são encontradas em Sangue Humano

Filed Under (Sinais Proféticos) by Geração Maranata on 10-06-2011

Tag: ,

O castelo de cartas da indústria da biotecnologia parece estar se desintegrando. Um novo estudo feito pela Universidade de Sherbrooke, no Canadá, recentemente detectou, pela primeira vez, a toxina Bt, um componente de alguns cultivos geneticamente modificados (GM), em amostras de sangue humano. Há muito tempo os porta-vozes das indústrias alegam que a toxina Bt, originária de uma bactéria de solo, conhecida como Bacillus thuringiensis, é inofensiva aos seres humanos.

Toxina de Transgênicos encontrada em Sangue Humano

Surgem novas dúvidas sobre a segurança das culturas geneticamente modificadas (transgênicos), quando pela primeira vez um estudo reporta a presença da toxina Bt, amplamente utilizada em culturas transgênicas, no sangue humano.

Os cultivos geneticamente modificados incluem genes extraídos de bactérias para torná-los resistentes ao ataque de pragas.

Estes genes tornam os cultivos tóxicos a pragas, mas seus defensores alegam que eles não representam qualquer perigo para o ambiente e a saúde humana. A berinjela geneticamente modificada, cuja liberação comercial foi suspensa há um ano, tem uma toxina derivada de uma bactéria do solo chamada Bacillus thuringiensis (Bt). (leia a notícia mais abaixo)

Até agora, cientistas e multinacionais que promovem o cultivos de transgênicos têm mantido que a toxina Bt não representa qualquer perigo para a saúde humana, pois estas são quebradas no intestino humano. Mas a presença desta toxina no sangue humano mostra que isso não é a realidade.

Cientistas da Universidade de Sherbrooke, no Canadá, detectaram a proteína inseticida Cry1Ab circulando no sangue de mulheres grávidas, bem como de mulheres não-grávidas.

Eles também detectaram a toxina no sangue fetal, o que significa que ela poderia passar para a próxima geração. O trabalho de pesquisa peer-reviewed (revisado por pares) foi aceito para publicação na revista científica "Toxicologia Reprodutiva" (Reproductive Toxicology). Fizeram parte do estudo 30 mulheres grávidas, 39 mulheres que tinham vindo para fazer Laqueadura no Centro Hospitaliar da Universidade de Sherbrooke (CHUS), em Quebec.

Nenhum deles trabalhavam com pesticidas ou viviam com um cônjuge que trabalha em contato com pesticidas.

Todas estavam consumindo uma típica dieta canadense, o que incluía alimentos transgênicos, como soja, milho e batatas. Amostras de sangue foram tomadas antes do parto para gestantes e na laqueadura para as mulheres não-grávidas. Amostragem do sangue do cordão umbilical foi feito após o nascimento.

A toxina Cry1Ab foi detectada em 93%o e 80% das amostras de sangue materno e fetal, respectivamente, e em 69% das amostras de sangue examinadas de mulheres não-grávidas. Estudos anteriores haviam encontrado vestígios da toxina Cry1Ab no conteúdo gastrointestinal de animais alimentados com milho transgênico. Isso deu origem a temores de que as toxinas podem não ser efectivamente eliminada em seres humanos e poderia haver um alto risco de exposição através do consumo de carne contaminada.

"Os dados gerados irão ajudar as agências reguladoras responsáveis pela proteção da saúde humana para que possam tomar melhores decisões", observaram os pesquisadores Aziz Aris e Samuel Leblanc.

Dada a potencial toxicidade destes poluentes ambientais e a fragilidade do feto, mais estudos são necessários, particularmente aqueles que utilizam a abordagem da transferência placentária. Eles acrescentaram que especialistas vêm alertando para as graves implicações para a Índia. O óleo de algodão é feito a partir de sementes de algodão geneticamente modificado e desta forma a toxina Bt pode já ter entrado na cadeia alimentar na Índia.

"Reguladores indianos devem ser imediatamente chamadas para execução de estudos toxicológicos para saber a extensão da contaminação do sangue humano com toxinas Bt provenientes de óleo de algodão, e também verificar os impactos na saúde a longo prazo", disse Devinder Sharma, um ativista anti-transgênicos.

Fonte: http://indiatoday.intoday.in

 

Berinjela Geneticamente Modificada pode danificar o fígado

O consumo da berinjela geneticamente modificada pode deixá-lo doente. Se ingerido regularmente, pode prejudicar o sistema imunológico, causar danos no fígado e levar a distúrbios reprodutivos…

Continue lendo (ative o Google Translate): http://indiatoday.intoday.in/site/story/bt-brinjal-can-damage-liver-&-hit-immunity-of-a-human-being./1/126821.html

 

Transgênicos e o Meio Ambiente

Os impactos que podem vir a ocorrer com a liberação de organismos transgênicos no meio ambiente são inúmeros, devido à diversidade e peculiaridade de cada ecossistema.

Existe um enorme perigo que as plantas transgênicas cruzem com suas primas selvagens e, por possuírem dentro de si genes de outros organismos que lhes confere maior resistência, eliminem por competição, outras plantas, acarretando assim numa perda de biodiversidade.

Os transgênicos podem afetar os ecossistemas na medida que, junto com as pragas e ervas daninhas que buscam eliminar, também prejudicam populações benéficas à agricultura, como abelhas, pássaros, minhocas e outros animais ou espécies de plantas.

Entomologistas (o que estuda os insetos) da Universidade de Cornell, EUA, mostraram que o pólen de milho transgênico mata as famosas borboletas monarca, que não prejudicam tais plantações (Folha de S.P., 20/05/99): “Este resultado têm potencialmente implicações profundas para a conservação desta espécie” escreve Linda Raylor, coordenadora do estudo.

O Greenpeace e etmologistas da Universidade de Exeter também fizeram um levantamento de outras dezenas de espécies de borboletas e besouros que podem se expor aos efeitos tóxicos do milho Bt desenvolvido por todas as multinacionais do ramo.

Uma outra conseqüência negativa possível é que o uso intensivo de antibióticos e pesticidas 'Antibiotic Resistance in Genetically Modified Plants in Greenpeace Briefing 05/99', resultante desta tecnologia, torne as pragas, bactérias e vírus mais resistentes a essas substâncias. Uma vez estes organismos resistentes introduzidos no meio ambiente, seus danos são irreversíveis porque será impossível controla-los ou remove-los.

(grifo meu)

 

Milho transgênico ameaça as Borboletas Monarcas

Experimentos conduzidos em laboratório demonstraram que larvas da borboleta monarca cultivadas em folhas de serralha pulverizadas com o pólen do milho Bt alimentavam-se menos, cresciam mais lentamente e apresentavam maior índice de mortalidade do que aquelas cultivadas em folhas pulverizadas com o pólen não-transgênico ou em folhas sem pólen.Os resultados obtidos no ano de 1999, inicialmente refutados por Wraight et al. (2000), foram posteriormente confirmados e estendidos por Jesse e Obrycky

(2000), os primeiros a evidenciar que o pólen do milho Bt naturalmente depositado

em serralhas causava significante mortalidade das larvas da borboleta monarca.

O número de borboletas monarca no México, onde estes insetos migratórios passam seus invernos, declinou para o mais baixo já registrado.

Embora a queda nos últimos dois anos seja pequena e esteja sendo atribuída principalmente a fatores climáticos, biólogos e observadores do inseto estão alarmados pela significativa tendência de declínio no tamanho das colônias. Nos anos 1990, as borboletas monarca ocupavam uma média de cerca de 9 hectares de florestas a cada inverno (estima-se que as colônias de monarca reúnam mais de 60 milhões de insetos por hectare), mas ao longo dos últimos 10 anos este tamanho caiu para menos de 5 hectares, segundo números registrados por pesquisadores da Universidade do Kansas (EUA).

As borboletas monarca são encontradas em muitas partes do Canadá, mas as maiores populações estão nas áreas ao Sul de Ontário e Quebec. As borboletas que migram para o sul no outono são as chamadas “geração matusalém”, insetos de longa vida que viajam mais de 2.500 km até o México, onde passam o inverno em colônias densas sob as árvores.

Estas borboletas então começam a migração de volta para o norte na primavera, para áreas próximas ao Texas, onde procriam, produzindo uma prole cuja descendência retorna ao Canadá a cada verão para repetir o ciclo. As monarcas que passam o inverno no México podem viver até oito meses, mas aquelas que migram para o norte vivem apenas algumas semanas.

O que está em risco com a queda das colônias de borboletas monarca é justamente o fenômeno da migração.

O Dr. Orley Taylor, professor de ecologia na Universidade do Kansas e diretor do Programa de Observação das Monarcas, explica que embora o clima possa afetar os números da população de ano para ano, as monarcas estão sofrendo de uma perda de habitat. Um problema é a massiva expansão de milho e soja transgênicos plantados. Estas lavouras levaram a uma aumento no uso de herbicidas, que eliminaram as plantas suculentas das quais as larvas da borboleta dependem para se alimentar.

Nota: As borboletas monarca ficaram internacionalmente famosas em 1999, quando um artigo publicado pela revista Nature demonstrou que o pólen de milho transgênico Bt, que produz toxinas letais a lagartas, matava as larvas de monarcas, consideradas “insetos não alvo” da tecnologia.

 

Cultivo de transgênicos no mundo cresceu 10% em 2010

O Brasil aumentou 19% da área plantada de transgênicos em 2010, segundo dados divulgados pelo Serviço Internacional para a Aquisição de Aplicações Agro-Biotecnológicas (ISAAA).

Com 25,4 milhões de hectares de lavouras de soja, milho e algodão transgênicos, o país se consolidou em segundo lugar no ranking mundial de países que adotam culturas transgênicas – ficando atrás apenas dos Estados Unidos, com seus 66,8 milhões de hectares.

“O Brasil foi o país que teve o maior aumento em área plantada de transgênicos em 2009, com 4 milhões de hectares”, afirmou ao iG Clive James, presidente do ISAAA. A expectativa é que o crescimento continue acelerado nos próximos anos.

“Teremos facilmente um crescimento de dois dígitos a cada ano na próxima década”, disse Anderson Galvão, diretor da Céleres Consultoria. Segundo Galvão, houve também aumento de produtividade decorrente do uso de plantações transgênicas.

Este fato contribuiu para dobrar a produção brasileira anual de grãos nos últimos 20 anos, mesmo que a área utilizada para as plantações tenha aumentado apenas 27%.

No âmbito mundial, o crescimento também ficou na casa dos dois dígitos em 2010, com 148 milhões de hectares de transgênicos plantados em 29 países – um aumento de 10% em relação a 2009.

“Nossa previsão é que em 2015 tenhamos 40 países com uma total de 200 milhões de hectares de área plantada de transgênicos”, disse James. Segundo estudo do ISAAA, também em 2015 os países em desenvolvimento passaram os desenvolvidos em área cultivada de transgênicos. “Os países da América Latina e da Ásia deverão ser os maiores responsáveis pela ampliação dos hectares globais cultivados com lavouras geneticamente modificadas nos próximos anos”, completou James.

Um fato interessante apontado no estudo é que a Suécia, em 2010, se tornou o primeiro país escandinavo a cultivar sementes transgênicas, mais especificamente de batata de alta qualidade. “A aprovação foi muito significativa porque o país é conhecido por seu cuidado com o meio ambiente”, explicou James. E completou: “O ministro da agricultura da Dinamarca afirmou ano passado que quando houver um produto apropriado ele será plantado no país. Talvez isto aconteça com a batata resistente a requeima [tipo de fungo] que deve chegar ao mercado em 2014. Este fungo causa perdas anuais de US$ 5 bilhões na Europa”.

Uma das grandes expectativas para os próximos anos é a chegada ao mercado do arroz dourado que está há cerca de 20 anos em desenvolvimento e tem alto teor de vitamina. “Ele deve ser plantados nas Filipinas em 2013, depois em Bangladesh, Indonésia e Vietnã. Mais de seis mil mortes por dia podem ser evitadas com este arroz em populações com deficiência desse nutriente.”, explicou James.

Fonte: Último Segundo

 

Para saber mais:

http://www.sabedoria.ebrasil.net/db/biologia/estudos/biologia/biologiag/transgenico.php.htm

 

Fontes pesquisadas:

http://indiatoday.intoday.in/site/story/toxin-from-gm-crops-found-in-human-blood/1/137728.html

http://transnet.ning.com/profiles/blogs/toxina-bt-presente-em

http://www.achetudoeregiao.com.br/animais/transgenicos.htm

http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/cultivo+de+transgenicos+no+mundo+cresceu+10+em+2010/n1238096784971.html

http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/cp058682.pdf

http://www.aspta.org.br

**Geração Maranata** Ao reproduzir favor informar a fonte

Brasil já é 2o. em transgênicos e deve crescer mais

Filed Under (Sinais Proféticos) by Geração Maranata on 28-02-2010

Tag: ,

Por Roberto Samora – 23/02/2010

O Brasil ultrapassou em 2009 a Argentina e se tornou o segundo país que mais usa produtos agrícolas geneticamente modificados no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, informou nesta terça-feira a ISAAA, órgão internacional que acompanha a adoção de produtos transgênicos.

O Brasil plantou no ano passado 21,4 milhões de hectares com produtos transgênicos, crescimento de 35,4 por cento ante 2008, com grande adoção do milho alterado. E o país ficou 100 mil hectares à frente da Argentina no cultivo desses organismos, relatou o presidente da ISAAA, Clive James, em teleconferência.

Os EUA lideram com folga a adoção de produtos alterados geneticamente, com 64 milhões de hectares.

Na avaliação de James, há espaço para um crescimento ainda maior na adoção de transgênicos no Brasil, especialmente depois de as autoridades de biossegurança terem acelerado a aprovação de outras variedades transgênicas ao longo de 2009 -o país conta com duas dezenas de produtos transgênicos autorizados.

"A soja Roundup Ready (tolerante ao herbicida glifosato) vai crescer em 2010 ante 2009. Hoje vocês plantam quase 23 milhões de hectares (ao todo, incluindo o produto convencional), e houve 71 por cento de adoção do Roundup Ready em 2009. Há espaço para aumento significativo", declarou ele durante a teleconferência.

Dos 21,4 milhões de hectares semeados no Brasil (com todos os produtos, soja, milho e algodão), 16,2 milhões de hectares foram plantados com soja transgênica, com patente da Monsanto, contra 14,2 milhões de hectares em 2008.

Com mais variedades aprovadas, incluindo a soja , agricultores brasileiros terão mais opções nos próximos anos.

A oleaginosa também está presente em praticamente todas as lavouras da Argentina, onde os especialistas não veem grandes espaços para crescimento de transgênicos, incluindo milho e algodão.

"A área disponível para as três culturas chegou ao seu limite", disse a diretora-executiva do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB), Alda Lerayer, responsável pela divulgação do relatório do ISAAA no Brasil.

 

POTENCIAL DO MILHO

A área do milho Bt cresceu 3,7 milhões de hectares, o equivalente a um aumento de aproximadamente 400 por cento sobre 2008, e foi de longe o maior aumento absoluto para qualquer cultura GM em qualquer país em 2009, segundo relatório da ISAAA (sigla em inglês para Serviço Internacional para Aquisição de Aplicações em Agrobiotecnologia).

O Brasil cultivou na safra passada cerca de 14 milhões de hectares com milho, sendo que 5 milhões de hectares com o produto transgênico Bt, resistente a insetos, de acordo com o órgão.

A adoção do milho transgênico só foi aprovada mais recentemente no Brasil. A soja e o algodão alterados já são plantados há mais tempo.

"Milho, vocês são os terceiros produtores no mundo… e como você sabe o milho é cultivado em duas safras no Brasil, há uma oportunidade de crescimento na safrinha, mas também na safra de verão", declarou James.

Para a executiva CIB, a tecnologia já será adotada em mais da metade de safrinha de milho deste ano, e deve chegar a 60-70 por cento no próximo ano.

"O milho teve uma adoção muito grande porque ele traz a redução de custo na aplicação de inseticidas. No Paraná, havia a necessidade de se fazer nove aplicações em algumas regiões."

Segundo dados do ISAAA, foram cultivados 145 mil hectares com algodão transgênico no Brasil, dos quais 116 mil do produto Bt e 29 mil tolerante a herbicida.

A área total com algodão no Brasil superou 800 mil hectares na temporada passada.

 

OLHAR ALÉM

"No algodão também há mais oportunidades para crescimento, mas o mais importante é olhar além, e ver produtos que estão vindo", disse James, citando uma soja transgênica desenvolvida pela Embrapa em parceria com a Basf, recentemente aprovada para uso comercial.

Ele prevê que o novo produto da Embrapa/Basf esteja disponível em 2010/11. "É um bom exemplo de como o setor privado e setor público podem atuar juntos", afirmou, lembrando que na China entidades públicas também estão desenvolvendo tecnologia transgênica.

Segundo a ISAAA, as avaliações de impacto mundial das culturas transgênicas indicam que, no período de 1996 a 2008, os ganhos econômicos com a adoção de transgênicos foram de 51,9 bilhões de dólares, com a redução nos custos de produção e os ganhos de produtividade.

Além disso, disse a organização, "teriam sido exigidos 62,6 milhões de hectares adicionais para produzir a mesma quantidade, não tivessem sido empregadas as culturas GM".

Durante o mesmo período, de 1996 a 2008, a redução de defensivos foi avaliada em 268 milhões de kg de ingredientes ativos, uma economia de 6,9 por cento.

A entidade defende o uso de transgênicos também em relação a emissões. Segundo ela, em 2008, a redução da emissão de CO2 na atmosfera com as culturas transgênicas é estimada em 14,4 bilhões de kg de CO2, equivalente à remoção de 7 milhões de carros das ruas.

www.oglobo.com

 

Início | Download | Links | Contato
Misso Portas Abertas JMM ANEM
Destino Final Heart Cry Jocum Missao Total Missao Total Projeto Paraguai